A culpa é deles e não nossa!

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

A culpa é deles e não nossa!

Quantas vezes já culpamos algo ou alguém por certo problema sem antes analisar nossa porcentagem de culpa diante desta determinada situação? Isso é algo comum do ser humano, com a mesma idéia de pensar apenas em si próprio, com isso nos livramos da culpa, mas o problema continuará. No caso do aquecimento global ocorre a mesma coisa, só que o problema é o que realmente afeta, por isso deve ser corrigido.

Não podemos deixar o “patriotismo” nos influenciar com o tradicional exemplo de que os brasileiros descarregam toda a culpa do aquecimento global sobre os Estados Unidos e insistem em não olhar para o próprio país, não reconhecer os próprios erros, como as diversas queimadas que ocorrem nas florestas que muito contribuem para elevadas taxas de emissões de gases causadores do efeito estufa.

Isso não ocorre apenas no Brasil, essa relação de afastar a culpa dos problemas, em que cada um afirma que sua nação não tem culpa e quem é responsável são os outros também é percebida quando Europeus criticam a China pela emissão de CO2 (pois de fato se tornará o maior poluidor), mas isso porque fabricam produtos, principalmente tecnologias que no processo de desenvolvimento acabam contribuindo para essa elevada emissão, porém os consumidores são os próprios europeus.

O exemplo dado acima é muito interessante, pois os países que produzem em larga escala (países industrializados) como EUA, China, Índia, Japão, são os que mais emitem gás carbônico, porém grande parte dos países importa produtos desses países. Olhe alguns objetos que você tenha em sua casa, provavelmente a maioria deve ser importado, como roupas, eletrodoméstico, eletrônicos (computador, tv, videogame, celular), sapatos, etc.

Por isso, não são apenas os países que mais poluem os únicos ou principais culpados pela situação do aquecimento global. Todos são os culpados, tanto aqueles que produzem, como os que compram, mesmo que a parcela de culpa seja inconsciente.

Então, qual a solução que temos para manter o quadro consumista sem influenciar o meio ambiente, ou diminuindo os impactos, já que somos consumistas e não é algo viável suspender as compras desses produtos, pois precisamos deles para nosso conforto. Alguns dizem que uma boa idéia seria comprar mais produtos nacionais, mas se começar a ocorrer grande demanda pro produtos nacionais, as fábricas certamente terão que aumentar suas produções, e para isso, irão investir em mais tecnologias e acabarão também aumentando suas taxas de poluição, concluindo então que comprar produtos nacionais, não é a solução, já que apenas diminuiria parcialmente as emissões de gases poluentes em relação ao transporte, que no processo de exportação, seja com transporte aéreo, rodoviário, emitirá gases que intensificam o efeito estufa como o gás carbônico.

A solução para isso, não está em mudar os hábitos consumistas, mas sim em mudar a fonte de energia que é utilizada na produção de produtos industrializados. Lembrando que em relação aos hábitos consumistas, devem mudar no sentido de consumir conscientemente, ou seja, utilizar aquilo que realmente precisamos e é necessário para nosso bem-estar, mas não exceder nas compras ou desperdiçar. Seguindo então com a solução principal, investir em fontes alternativas de energia para produção industrial é a idéia mais aceitável, que visa manter os bens de consumo, manter a industrialização e progresso dos países sem afetar a economia e com o excelente diferencial de não comprometer o meio ambiente com fontes limpas de energia, como eólica ou solar, que diferente de hidrelétricas, não geram impactos na região e diferente de combustíveis fósseis não emitem gás carbônico.

Geração de energia elétrica é a maior responsável pelo efeito estufa humano, com um quarto do total. Uma boa parte dessa eletricidade, 39% (dados de 2002), é produzida por usinas movidas a carvão, que são baratas, porém duas vezes mais poluentes do que o gás natural. Esse, por sua vez, gera 19% do total, enquanto o óleo combustível fica com 7%. Somados, 65% da energia elétrica planetária advém da queima de combustíveis fósseis.

Veja mais sobre fontes alternativas de energia nos artigos:

Os dois lados dos biocombustíveis

Angra 3 – A polêmica da energia nuclear

E por que não substituir imediatamente o petróleo, carvão e outras fontes que emitem gás carbônico por fontes limpas como eólica e solar?

Se investir em algo que substitua completamente o petróleo ou diminua amplamente sua utilização em máquinas de explosão, afetará seriamente a economia de países que são grandes exportadores desta matéria-prima. Então ainda há questões políticas e principalmente econômicas que impedem uma aceleração. Porém, se dermos margem para economia, o planeta sofrerá problemas tão drásticos que será necessário gastar muito mais para reconstruir cidades de grandes catástrofes ou ainda ocorrer o pior, de chegar em um momento descontrolado que não seja mais possível reverter a situação do aquecimento global.

Mas então, o que é necessário fazer para autoridades aplicarem definitivamente fontes de energia limpas que substituam combustíveis fósseis como derivados do petróleo, carvão, fazendo com que a taxa de emissões de gases poluentes seja reduzida em grandes proporções para frear o aquecimento global? Uma grande massa de pessoas pressionando autoridades é provavelmente a melhor alternativa, já que podemos comprovar com exemplos reais de fatos já ocorridos, que a união das pessoas é a força principal para definir mudanças:

Projeto Tietê – mais de 1 milhão de assinaturas para despoluir o rio

Construção de fábrica é suspensa após 1 mi de mensagens SMS na China

Se você ainda não acredita nisso, pelo menos tente, já que fizemos este projeto para alcançar este objetivo, então vamos tentar, faça parte deste projeto clicando aqui, certamente os resultados que isso pode causar em benefício ao meio ambiente serão grandes. Ou ainda se você tiver outras sugestões para acelerar a aplicação de soluções para frear os problemas de degradação ambiental, escreva logo abaixo um comentário informando sua proposta.

Sobre

Maurí­cio Machado

Biólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.

Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.