Alguns graus a mais são o suficiente para provocar uma reação em cadeia

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Alguns graus a mais são o suficiente para provocar uma reação em cadeia

O aquecimento global causa a migração de espécies, não só de fauna como de flora, como vem acontecendo com as florestas boreais, que avançam sobre o círculo ártico sobrepondo-se à tundra. Algumas espécies não sobreviverão à migração forçada e às mudanças súbitas de temperatura, fazendo com que sejam extintas. Essa extinção de espécies, tanto vegetais quanto animais, além das conseqüências graves para o equilíbrio natural, trazem também a possibilidade da perda dos serviços ecossistêmicos, do patrimônio genético e dos conhecimentos tradicionais, o que acarreta prejuízos à saúde, pois muitos medicamentos valiosos para as indústrias farmacêutica e química perdem-se definitivamente sem ao menos terem se tornado conhecidos. Junto com esse patrimônio da humanidade, desaparecerá a possível cura de tantas doenças para as quais os cientistas procuram princípios ativos em plantas e animais.

A diminuição da biodiversidade também poderá trazer problemas de segurança alimentar. As modificações climáticas poderão levar a transtornos nas correntes marítimas, as quais deixarão de levar nutrientes às costas da Antártida, prejudicando o crescimento de crustáceos que são a base da cadeia alimentar dos oceanos. Isto poderá levar à diminuição de reservas de animais vivos marinhos para estudos, e à baixa oferta de alimento a comunidades tradicionalmente consumidoras de pescado ou frutos do mar.

Fenômenos como o El Niño, ocasionam a cada episódio uma grande variedade de animais e plantas que sofrem com a redução significativa em suas populações, com variações de temperatura cada vez mais severas para o clima. As variações de temperatura causam modificações na própria forma e efetividade da caça, trazendo vantagens a determinados predadores, diminuindo a população das presas, desequilibrando assim ecossistemas antes ajustados.

A própria floração, ocorrendo mais cedo devido à elevação das temperaturas, leva a problemas de adaptação de espécies animais. O desaparecimento de espécies utilizadas para a alimentação dos seres humanos é uma vulnerabilidade possível. As modificações climáticas ocorrem com maior intensidade nas temperaturas mínimas, que tendem a aumentar mais. Estas modificações causam nas plantas uma vulnerabilidade maior à invasão de espécies exóticas e uma menor resistência à secas e queimadas.

Determinados parasitas podem ter maior incidência com o aumento das temperaturas, levando à diminuição de espécies ou mesmo sua extinção. Já foram constatados mortes massivas entre leões, sapos, pássaros, cães selvagens, caramujos, mexilhões, cegonhas, águias, corais e diversos tipos de plantas, todas causadas por patógenos. Fungos e vírus são especialmente sensíveis a mudanças climáticas e podem rapidamente entrar em crescimento quando a temperatura se eleva, especialmente se esta elevação for acompanhada de aumento da umidade. Os fungos e insetos têm sua atividade aumentada e podem ser responsáveis pela eliminação de espécies inteiras de árvores. Vermes e parasitas tanto no gado quanto em animais silvestres também são grandemente aumentados com as temperaturas mais altas.

E qual o problema há em um ecossistema desajustado? Quando várias espécies como algas e outros vegetais que estão em uma cadeia alimentar como produtores entram em extinção por não resistirem ao pequeno aumento na temperatura diminui os animais como peixes que necessitam dessas algas para alimentação dessa maneira estabelece-se um ciclo em que várias espécies passam a ter falta de alimentos e passa a ocorrer uma extinção generalizada de forma que precisamos de muitas outras espécies anexas tanto para alimentação como a função que cada animal realiza na natureza e que favorece também ao ser humano.

As cadeias alimentares são dispostas da seguinte forma:

Produtores -> Consumidores Primários -> Consumidores Secundários -> Consumidores Terciários -> […] -> Decompositores

Na cadeia alimentar terrestre os itens são exemplificados por:

Produtores: Formado por todos os componentes fotossintetizantes, os quais produzem seu próprio alimento (autótrofos) tais como gramíneas, ervas rasteiras, liquens, arbustos, trepadeiras e árvores;

Consumidores primários: São todos os herbívoros, que no caso dos ecossistemas terrestres tratam-se de insetos, roedores, aves e ruminantes;

Consumidores secundários: Alimentam-se diretamente dos consumidores primários (herbívoros). São formados principalmente por carnívoros de pequeno porte;

Consumidores terciários: Tratam-se de consumidores de porte maior que alimentam-se dos consumidores secundários;

Decompositores: Esta categoria é composta por fungos e bactérias que fazem a decomposição dos indivíduos acima, como por exemplo, quando um consumidor terciário morre, ou os restos dos consumidores secundários e primários são transformados em matéria orgânica que servirá como adubo tornando um solo fértil para crescimento de produtores como plantas.

E na cadeia alimentar aquática as categorias estão respectivamente exemplificadas:

Produtores: Composto pelas plantas da margem e do fundo da lagoa e por algas microscópicas, as quais são as maiores responsáveis pela oxigenação do ambiente aquático e terrestre; à esta categoria formada pelas algas microscópicas chamamos fitoplâncton.

Consumidores primários: Composto por pequenos animais flutuantes (chamados Zooplâncton), caramujos e peixes herbívoros, todos se alimentado diretamente dos vegetais.

Consumidores secundários: São aqueles que alimentam-se do nível anterior, ou seja, peixes carnívoros, insetos, cágados, etc.,

Consumidores terciários: As aves aquáticas são o principal componente desta categoria, alimentando-se dos consumidores secundários.

Decompositores: Esta categoria não pertence nem a fauna e nem a flora, alimentando-se, no entanto dos restos destes, e sendo composta por fungos e bactérias.

Como exemplo de cadeia alimentar veja abaixo, uma terrestre e uma aquática, respectivamente:

Folhas de uma árvore -> gafanhoto -> ave -> jaguatirica -> decompositores

Algas -> caramujos -> peixes -> carnívoros -> aves aquáticas -> decompositores

Nas cadeias acima o produtor (folhas de árvore ou algas) que é mais sensível com as mudanças climáticas, há uma conseqüente diminuição e todos os demais animais que compõe esta cadeia alimentar também serão afetados pela falta de alimentação, já que os consumidores primários terão uma diminuição em sua população pela falta de alimentos, e os consumidores secundários que se alimentam dos primários (que estão em escassez) também serão afetados pela mesma falta de alimentos, gerando um ciclo que também atinge o ser humano que está incluso em várias cadeias alimentar.

Para impedir este desequilíbrio ambiental, além de reduzir a degradação ao meio ambiente, também devem ser criados refúgios, parques e corredores biológicos que possibilitem a migração de espécies e também a captura e criação em cativeiro de animais silvestres para evitar sua extinção. Essas alternativas, no entanto, podem tornar-se excessivamente caras no futuro. Algumas soluções interessantes seriam fazer um inventário de espécies, um levantamento das espécies atingidas, bancos de germoplasma e o estímulo ao resgate do conhecimento tradicional de populações indígenas.

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

  1. Juh
    Juhmar 06, 2008

    Pessimo

  2. Maurí­cio Machado
    Maurí­cio Machadomar 06, 2008

    Olá Juh, poderia especificar melhor o que achou “Péssimo”? Se há algum ponto do artigo que você discordou ou se de fato acha péssimo o atual momento em que estamos vivendo, com um grande desequilíbrio ecológico, que se houver pequenas alterações na temperatura, a situação pode ficar muito pior.

  3. Camila
    Camilajun 06, 2008

    Olá Maurício Machado,
    Adorei TODO o seu artigo!E a partir dele é que tirei a sustetação do discurso que farei amanha.Por isso quero agradecer pela disponibilidade deste texto.Gostei muito do seu texto e me interesso muito por temas como este,referente ao nosso planeta.Se você tiver algum site seu me passa.
    Atenciosamente,
    Camila de Araújo.

  4. Maurí­cio Machado
    Maurí­cio Machadojun 08, 2008

    Que bom que gostou do conteúdo Camila e que este tenha sido útil para derivação de novas obras, como o seu discurso. É importante lembrar que não basta apenas ler, entender e falar para outras pessoas, também é importante a ação da preservação ambiental. Mas sem dúvida, se interessar por este assunto já faz com que a pessoa tenha uma ótima consciência ambiental.

    Quanto à sites, eu sou idealizador do projeto AMAnatureza, articulista exclusivo deste site. Mas você pode fazer buscas no google.com.br sobre o meio ambiente e assuntos relacionados que irá encontrar muitos outros conteúdos que abordam esse tema.

  5. grazi
    graziset 30, 2008

    muito boa esta página…Me ajudou muito na escola…Vlw!

  6. Milena
    Milenamaio 28, 2009

    muito boa a página! Não sei por que a Juh não gostou!! Me ajudou pra caramba!!

  7. lirana
    liranaset 08, 2010

    Nós gostaríamos que vocês explicassem sobre as consequencias que os animais sofrem por causa da chuva ácida.Obrigado desde já.

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.