Assassinar também é atividade econômica

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Assassinar também é atividade econômica

Referindo-nos aos madeireiros, primeiramente devemos definir o que são madeireiros. Apaixonadamente, sentimentalmente, injustamente nós os chamaríamos de assassinos, porque assassinam árvores. Mas seriam assim classificados figurativamente. Serenamente, sob o comando da razão, são adequadamente chamados de madeireiros mesmo, ante a atividade econômica que exercem. Pois bem. Fazendo o bem ou o mal, eles estão apenas agindo dentro do entendimento cultural de que estão trabalhando, ganhando a vida, buscando recursos necessários à criação e educação de seus filhos. É a mesma atividade de quem trabalha na ação de matar bois no matadouro. A mesma do simples escriturário que faz a contabilidade na fábrica de caldo de galinha. Todos inseridos inconscientemente na cultura gerada pela atual civilização, uma imensa estrutura social cujos pilares se assentam nos interesses materiais de indivíduos. Essa mesma cultura que se mantém e corrói os valores espirituais, apoiada que está na ânsia da atividade econômica – meio de obtenção de bens além do necessário – o que, por sua vez, cultua e venera o deus Lucro.

Da mesma forma, nós outros, componentes desse tecido econômico como intermediários ou consumidores, estamos inconscientemente compactuando com aquelas atividades malditas. Quando um americano está construindo sua casa com mogno, está usando seu excesso de dinheiro para atender à sua vaidade e gosto. Com isso, ele está assegurando o emprego de muita gente, o que é um incremento para a grande desgraça. A atual civilização é, de fato, uma rede de interesses individuais.

Deixando claro: não estamos defendendo nem acusando. Estamos tentando identificar fatores psicológicos, nascidos do sistema vigente, que ajudam a destruir nossos recursos ambientais. Estamos apenas tentando fazer uma análise de pequena questão (atividade de madeireiro), mas que, inserida no todo, contribui para o desequilíbrio do ecossistema. Trata-se de uma ação desnaturada ocasionada pelo excesso populacional e rapidez imensa do tempo de ação face ao tempo longo de regeneração planetária.

Entendemos que não importa a cor do dragão que está na porta da nossa caverna. Ele é o perigo. Está faltando uma consciência geral quanto ao objetivo de nossas preocupações. Recentemente, assistimos aos discursos contraditórios entre ministros sobre quem é culpado pelo desmatamento. O culpado imediato não interessa. Seria o mesmo que bombeiros, ante um incêndio, ficassem discutindo a causa do fogo invés de o combater. Muita coisa deixamos de desenvolver aqui, poupando espaço e deixando a cargo do leitor a incumbência de refletir e acrescentar ou contestar seus próprios pensamentos.

Sobre

Maurício Gomide83 anos, pensador e escritor ambientalista. Reside atualmente em Belo Horizonte(MG), colaborando em diversos blogs ambientalistas. BLOG: http://planetafala.blogspot.comVer todas as publicações de Maurício Gomide »

  1. Maurí­cio Machado
    Maurí­cio Machadoset 21, 2008

    Maurício Gomide, seja bem-vindo como articulista do projeto AMAnatureza.
    Achei excelente seu ponto de vista exposto neste artigo, uma visão crítica e consciente analisando o tema em sua totalidade. Concordo plenamente com sua análise, visto que existe um amplo caminho a ser explorado até ser possível identificar o fator principal causador de um problema social.

    Muitas vezes, depois de explanar um assunto e fazer uma reflexão com criticidade, chegamos a conclusão que nós, consumidores desenfreados da sociedade moderna, temos uma participação muito grande, mesmo que indiretamente, no desmatamento e outros impactos ambientais.

    Além disso, toda ambição do ser humano, que foi sendo intensificada com os valores exagerados de luxo, poder e status impostos por meio de mídias massivas que controlam incansavelmente uma grande parte da população, contribuem negativamente para uma exploração dos recursos naturais cada vez menos sustentável.

    Enfim, parabenizo-lhe novamente pelo excelente material trazido a este site, e espero poder contar com novas opiniões suas para conscientizarmos e alertarmos cada vez mais pessoas sobre a realidade contemporânea e conseqüentemente melhorarmos nossa sociedade.

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.