Controlando a emissão de gases poluentes

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Controlando a emissão de gases poluentes

A melhor maneira para diminuir a emissão de gases poluentes é através de filtros em escapamentos de carros e chaminés, cortando ou diminuindo a principal fonte de emissão desses gases, que são os automóveis e indústrias. Essas fontes emissoras, originadas da queima de combustíveis fósseis (como a gasolina) em carros e caminhões, de siderurgias, incineradoras municipais, refinarias de petróleo, fábricas de cimento e fábricas de ácido nítrico e sulfúrico.

O motor localizado em veículos e máquinas em processos industriais é geralmente o motor de explosão que se trata de uma máquina que transforma a energia de uma reação química em energia mecânica através de ciclos de expansão e compressão de gases, sendo uma máquina térmica, produzindo trabalho através de uma combustão (explosão). Neste processo de transformação de energia química em mecânica é que libera gases, já que a reação ocorrida é a queima de um combustível, e se este combustível for originado do petróleo (combustível fóssil) irá liberar gás carbônico que intensifica o efeito estufa, já que o petróleo é um hidrocarboneto e possui em sua molécula o carbono que ao reagir com o oxigênio origina na combustão interna do motor o monóxido de carbono (CO) que ao ser expelido na atmosfera, entra novamente em contato com o oxigênio, originando o gás carbônico (dióxido de carbono – CO2). Por isso, os principais poluentes podem estar presentes entre os materiais que tomam parte numa combustão ou reação química, ou podem ser produzidos como resultado da reação.

Os métodos para controlar a poluição têm que englobar assim a remoção do material nocivo antes da sua utilização, a remoção do poluente depois da sua formação, ou a alteração do processo de forma a que o poluente não se forme, ou que libertem mínimas quantidades deste. Em relação às partículas emitidas pelas industrias podem ser encurraladas em ciclones, precipitações eletrostáticas, e em filtros. Os gases poluentes podem ser capturados em líquidos ou sólidos ou incinerados de forma a obter substâncias inofensivas.

Já os poluentes oriundos dos automóveis podem ser controlados pela combustão da gasolina da forma mais eficiente possível, pela reposição em circulação de gases oriundos do tanque de combustível, da injeção eletrônica, e pela transformação dos gases de escape em substâncias inofensivas por meio de catalisadores.

A injeção eletrônica é um sistema de alimentação de combustível e gerenciamento eletrônico de um motor de um automóvel – motor a explosão. Sua utilização em larga escala se deve a necessidade das industrias de automóveis reduzirem o índice de emissão de gases poluentes. Esse sistema permite um controle mais eficaz da mistura admitida pelo motor, mantendo-a mais próxima da mistura estequiométrica (mistura ar / combustível), isso se traduz em maior economia de combustível já que o motor trabalha sempre com a mistura adequada e também melhora a performance do motor, além da menor emissão de gases poluidores para o meio ambiente.

Algumas empresas já investem em tecnologias de fontes alternativas de energia em análise ao futuro para minimizar os impactos na utilização de uma das melhores invenções, o automóvel, sem comprometer o planeta. O combustível dos carros do futuro em análise será o hidrogênio, as montadoras de automóveis não discordam. Empresas como a BMW, General Motors, Honda, entre outras, estão investindo bilhões de dólares para tornar viáveis as células a combustível e chegarem no mercado antes que seus concorrentes.

As principais marcas já estão colocando seus protótipos à célula a combustível para avaliação com alguns consumidores. O avanço da tecnologia é nítido, porém os desafios e objetivos de custo e desempenho das células combustíveis para automóveis são muito exigentes. Isto está levando alguns fabricantes como a Ford e a BMW a desenvolverem motores a combustão interna a hidrogênio. Este tipo de motor, apesar de não ser tão eficiente quanto à célula a combustível, já é mais eficiente que os movidos à gasolina e muito menos poluentes, visto que o hidrogênio (H2) não contém o átomo de carbono.

A BMW também está pesquisando uma forma de utilizar a célula a combustível como forma de geração auxiliar de energia para veículos “top de linha”. Isso devido à crescente demanda de energia elétrica solicitada nesse segmento.

E porque o biocombustível como o álcool (etanol) não será o combustível do futuro? Porque mesmo que seja comprovada que a emissão de gás pela queima do álcool seja compensada pela absorção ao plantar a cana-de-açúcar, por exemplo, para extrair o álcool, ainda assim, não haverá como produzir em larga escala a níveis para substituir grande parte dos combustíveis fósseis, já que para plantar cana-de-açúcar ou algum vegetal para que seja possível extrair o álcool seria necessário um grande território, e pela sua valorização, produtores passariam a destruir importantes biomas para limpar o terreno e passar a cultivar a cana. Além dessa destruição de muitas espécies animais e vegetais cultivos dedicados à alimentação seriam substituídos pelo cultivo para se extrair álcool e com isso, os alimentos poderiam ter uma significativa elevação e aumentariam ainda mais os índices de fome em áreas pobres.

Para ver uma análise detalhada sobre pontos positivos e negativos referentes aos biocombustíveis acesse o artigo “Os dois lados dos biocombustíveis“.

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

  1. maria isabel ferreira
    maria isabel ferreiraset 19, 2008

    eu gostei desta pagina

  2. maria isabel ferreira
    maria isabel ferreiraset 19, 2008

    é a terra pede socorro mais nem todo mundo a ajuda.

  3. Maurí­cio Machado
    Maurí­cio Machadoset 19, 2008

    Olá Maria Isabel. Realmente, apesar de estarmos passando por um momento crítico, ainda são poucos os que de fato contribuem com a preservação do planeta. Por isso nosso objetivo deve ser informar e conscientizar um número cada vez maior de pessoas para revertermos essa situação.

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.