Economista neurótico para salvar a natureza?!

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Economista neurótico para salvar a natureza?!

Não precisa ser nenhum neurótico em tentar economizar cada pingo d’água, mas ser mais consciente na utilização, preservar e ainda propor boas soluções para problemas ambientais como combustíveis menos poluentes mais acessíveis e com mesmo valor de produção, tecnologia para utilizar e produzir energia e produtos, respectivamente, poluindo menos e mantendo a eficiência ou quem sabe, até melhorando a eficiência e poluindo menos. Tudo vai de investimentos em pesquisas e profissionais relacionados a essas áreas. Para as “autoridades” deste país perceberem que isso é importante, algo terá que abrir os olhos deles, para investirem nessa área, de forma a explicar à eles que não adianta acumular um grande capital com indústrias cada vez mais produtoras, ou ainda desviando verba de educação, saúde e projetos, sendo que todo este dinheiro pode vir a ser inútil para seus netos, filhos ou a si mesmos, daqui alguns séculos, décadas ou anos.

Não adianta nada, aliás, é algo muito ruim se tornar alguém arrogante, neurótico, querendo economizar qualquer coisa achando que com este mínimo detalhe irá obter muitos resultados, pois isto é uma idéia distorcida que pode tornar qualquer pessoa irritante, principalmente quando começar a se tornar obsessivo pelos mínimos atos de outras pessoas e implicar com as atitudes mais comuns como demorar alguns minutos a mais no chuveiro, ou utilizar um pouco mais de água para lavar alguma louça. Essas situações são comuns, e podem até estarem achando contradição em relação aos artigos publicados até agora, comparando com as idéias iniciadas nesta nova publicação, mas não é contraditório, é um alerta para não se tornar uma pessoa neurótica por economia que só faz lhe distanciar de suas amigos e familiares.

A idéia deste projeto, entre outras, está baseada sim na utilização consciente de recursos naturais, mas utilizar consciente não significa economizar em tudo e muitas vezes deixar de se sentir bem, significa utilizar sem desperdício excessivo desses recursos naturais. Vamos expor isto em um exemplo: Um tempo média de uma pessoa tomando banho, cerca de 10 à 15 minutos, e se alguém tomar um banho de 20 minutos ou até uma vez ou outra tomar um banho mais longo de uns 30 minutos, não está sendo um desperdício, estará sendo um bem-estar para essa pessoa, que pode não ter uma banheira de hidromassagem, piscina aquecida, e deseja se sentir um pouco melhor em um banho prolongado, refletir algumas idéias, etc. Agora é considerado desperdiçar água, a pessoa que deixa a água corrente que despeja do chuveiro por um tempo e sem utilizar, exemplo clássico de alguém que primeiro liga o chuveiro e depois vai fazer barba, depilação, e nesse tempo a água sendo gasta inutilmente. Isso sim é um grave desperdício, pois despejar água, e ainda consumir energia elétrica e sem utilizar nada disso. Outro exemplo de desperdício é toda vez que for limpar a calçada utilizar a mangueira para empurrar as sujeiras com o jato de água, isso sem dúvida não é necessário, já que pode simplesmente varrer rotineiramente a calçada e uma vez por semana se realmente for necessário, utilizar a água.

Então como vimos na idéia anterior é importante saber diferenciar economia obsessiva que não leva a nada e ainda prejudica seu bem-estar da economia necessária, que não deve nem ser chamada de economia, mas sim utilização consciente que por mais que consuma um pouco mais os recursos naturais, algumas vezes, seja considerado como importante para seu bem-estar. É muito mais fácil do que você imagina perceber se você está desperdiçando ou se está consumindo um pouco mais para seu bem-estar.

Pegue atitudes que você realiza rotineiramente e passe a analisa-las, e então imagine se você não fizer esta determinada ação ou reduzi-la e reflita se isso irá te deixar seu dia mais infeliz, ou fazer você se sentir pior, ou se realmente não irá alterar em nada.

Vamos analisar exemplos comuns, mas que com certeza deve ter alguém com essas rotinas semelhantes e idéias parecidas:

Exemplo A

1) Tomo três banhos de 20 minutos cada;

Isso para mim é realmente indispensável, pois preciso acordar pela manhã, e para me sentir melhor tomar um banho matinal e quando eu saio do trabalho tomo mais um banho e após fazer todos os serviços de casa ou atividades necessárias tomo um terceiro banho antes de dormir e todos neste mesmo tempo, pois gosto de refletir sobre algumas atividades que terei de realizar.

2) Lavo o carro com duchas de água toda semana;

Mais uma atitude indispensável, pois tenho que passar por estradas de terra, e meu carro deve estar apresentável. O que talvez eu podia fazer para não gastar água é levar o carro para lavagem a seco, mas isso é um pouco caro e não me sobre tempo, por isso não há como mudar.

3) Faxinas em minha casa são realizadas semanalmente;

São necessárias, pois meus filhos têm alergia e problemas respiratórios, ainda mais com construções em minha rua, acaba acumulando uma grande quantidade de pó e é necessário realizar a limpeza completa de toda casa.

4) Utilizo freqüentemente equipamentos eletrônicos;

Preciso utilizar máquinas de lavar roupas e de lavar louças duas ou três vezes por semana devido ao grande acúmulo de roupas sujas e talheres em minha família que é grande, além de outros equipamentos que são utilizados diariamente como microondas, liquidificador, batedeira, pois são indispensáveis para preparação de alimentos rápidos e alguém de minha família utiliza o computador e televisão o dia inteiro, pois é jornalista e trabalha com isso ou gosta muito de se divertir com esses equipamentos eletrônicos.

5) Utilizo as luzes mesmo quando o dia está claro;

Tenho a necessidade de ligar as luzes de minha casa mesmo quando está dia ensolarado, pois moro ao lado de dois sobrados e ao fundo de minha casa há um prédio construído de forma que a iluminação natural não é suficiente para realizar atividades como leitura de jornal, livros.

O que vocês pensaram ao ler os cinco itens de rotinas acima e justificados suas utilizações. Obviamente as idéias devem variar para cada pessoa, pois quem consome bem menos que isso, certamente acha tudo isso desnecessário e alguém que tem muito mais que isso ou consome muito mais acha tudo isso uma miséria. Mas enfim, tentem deixar de lado seus pontos de vista e analisar pelas justificativas. Eu particularmente acho que de acordo com as explicações estão de acordo os consumos em relação à necessidade. Desta forma, nessa família do exemplo “A” não há desperdício de recursos naturais e sim utilização para o bem-estar e necessidade.

Agora vamos a mais um exemplo:

Exemplo B

1) Minha cidade tem reciclagem de lixo, mas não faço minha parte reciclando;

Não faço minha parte porque não tenho tempo de ficar separando o lixo, e não tenho nenhuma idéia para começar a reciclar o lixo, ainda mais que o caminhão que coleta o material reciclável só passa pelas manhãs e é bem neste período que eu trabalho, nunca estou em caso.

2) Tomo dois banhos por dia;

Eu tomo apenas dois banhos por dia, na verdade um pela manhã eu apenas lixo o chuveiro enquanto eu me barbeio e depois apenas lavo meu rosto na água quente, mas isso não leva nem cinco minutos. E o segundo banho que tomo após o trabalho levo cerca de 15 minutos mas não fecho a água para me ensaboar pois gosto de sentir a água banhar meu corpo.

3) Utilizo carro mesmo em minha cidade tendo transporte coletivo de qualidade;

Na minha cidade tem o metrô que é um transporte coletivo que todos falam muito bem, pois chega rápido ao local, não polui em excesso o meio ambiente, e ninguém fica estressado de ter que dirigir em trânsito. Mas minha preferência pelo veículo é devido à falta de costume de estar no horário certo para utilizar o metrô e por não gostar de chegar ao local que preciso em companhia de outras pessoas, já que gosto de ter mais liberdade.

4) Meu jardim tem sistema para irrigação, mas não é automático;

Eu tenho que ativar o sistema de irrigação de meu jardim, mas como não é automático, eu preciso ligar e as vezes por eu esquecer de desligar fica um tempo a mais molhando o jardim mesmo sem precisar.

5) Utilizo banheira de hidromassagem nos finais de semana para relaxar;

Sinto-me muito bem ao descansar em banheira de hidromassagem para acabar com o estresse de uma semana inteira de trabalho.

Neste exemplo B, percebemos em alguns itens uma displicência de forma a esbanjar parcialmente alguns recursos naturais que podiam ser reduzidos ou evitados seu gasto, ou mudar algum ato. No ato 1, deixa de fazer uma importante ação ao não reciclar o lixo, pois isso é muito simples, basta ter uma caixa, ou lata de lixo destinada a jogar apenas o material reciclável em um canto da casa, assim sempre que for jogar fora algum papel, plástico, latinha ou outro material que é reciclado ao invés de jogar no lixo comum, joga nessa caixa ou lata de lixo destinada ao material reciclável, e como o caminha que coleta essa material passa apenas pela manhã, antes de sair para ir ao trabalho, recolha o saco deste material e já deixe na parte de fora da sua casa para que os funcionários da coleta possam recolher. Na segunda atitude dessa rotina, também há um desperdício parcial de água e energia ao deixar o chuveiro ligado pelas manhãs enquanto se barbeia, mesmo sendo por um curto tempo, deve ser ligado apenas quando for ser utilizado. E na terceira ação também a uma arrogância de utilizar transportes públicos pela implicância de não se adaptar, isso é mais falta de vontade ou preguiça por seguir horários do transporte do que falta de adaptação. Na quarta ação também há um desperdício de água ao esquecer ligado o sistema de irrigação do jardim, muitas vezes um sistema automático não sai tão caro para ser implantado e pela economia de água vale a pena. Já em relação a última atitude, na utilização de banheira de hidromassagem, é necessário para o bem-estar e melhor do que ficar tanto tempo gastando água e energia do chuveiro.

Exemplo C

1) Fico com o chuveiro ligado por mais de uma hora por dia;

Eu chego em casa após o trabalho, ligo o chuveiro e vou checar meus e-mails. Quando volto no banheiro, já está com bastante vapor, por isso o ambiente está bem agradável e então vou tomar banho. Quando eu termino meu rápido banho de meia hora, nem preciso desligar o chuveiro, pois logo em seguida minha irmã vai utilizar o chuveiro e fica lá por mais uns vinte minutos.

2) Deixo computador e televisão ligados mesmo sem utilizar;

Enquanto eu estou tomando banho, por exemplo, ou paro para comer, não desligo nem mesmo a tela do computador, e ainda deixo a TV e o rádio ligados, pois não me preocupo em perder tempo desligando, afinal em “apenas” 30 minutos irei voltar e utiliza-los.

3) Pego o carro e vou andar pelo bairro sem rumo;

Como meu pai banca um valor mensal para gasolina de meu carro, eu não tenho com o que me preocupar, então ligo o carro até para ir visitar meu vizinho, ou comprar um lanche no treiller que fica na esquina da rua, além disso, gosto de sair andando com o carro para curtir a paisagem de minha cidade.

4) Esqueço de jogar lixo no lugar certo;

Acreditam que eu sempre esqueço de que o lixo deve ser jogado em latas de lixo? Pois é, eu sempre esqueço, de forma que eu estou andando com um saquinho de salgadinho e após comer, deixo “acidentalmente” ele deslizar-se discretamente para uma via pública, ou ainda quando estou dirigindo e abro um pacote de balas que logo se acaba, esse pacote voa novamente acidentalmente pela janela de meu carro. Até quando estou em minha casa jogo papel em baixo da cama, afinal todo final de semana vai uma empregada que meu pai também paga para limpar a casa. Se pensar bem, eu estou até contribuindo para o emprego desta pessoa que tem que ficar o dobro do tempo limpando meu quarto cheio de sujeiras. Ah! E não me perguntem o que é reciclar o lixo que não faço nem idéia do que é isto, talvez seja uma música criada por um grupo de rep.

5) “Mais luz”;

Eu sou do dia, gosto de ver tudo sempre claro, por isso deixo praticamente todas as luzes de minha casa acesas, assim não tenho o trabalho de apertar o botão para acender alguma luz sempre que eu entrar em um cômodo ou apertar novamente o botão para apagar quando eu saio. E a noite, mesmo eu saindo, deixo as luzes acesas, pois quem vai lembrar de apaga-las com pressa de sair?

E agora, o que vocês estão pensando ao ler as cinco rotinas desse exemplo C? Sentiu raiva só de ver os itens? Então leia as justificativas. Ficou com mais raiva ainda? Está correto de ficar com raiva, agora o ruim é se você se colocou no lugar deste indivíduo quando estava lendo o exemplo e pensou, nossa eu faço isso igualzinho ou até pior. Pois isto é real, quem recebe tudo muito tranqüilo, sem precisar fazer nada para receber dinheiro que os pais pagam, e não está nem aí com nada, é um grave problema, tanto de comprometimento para o meio ambiente, quanto para sua própria pessoa futura, que irá se tornar alguém independente, sem capacidade de pensar em atividades que venham a resolver algum problema. Só para esclarecer, na atitude 3 (pegar o carro e andar sem rumo com o veículo) até tudo bem de você fazer isso para dar uma volta, observar a paisagem, esquecer um pouco dos problemas, agora pegar o carro pra ir na rua de cima comprar alguma coisa, aí já é demais, é só está degradando o meio ambiente. E na atitude 5, também não há problemas se quando você sai de noite em sua casa e deixa algumas luzes acesas por questões de segurança para não dar a entender que a casa está completamente vazia, agora deixar todas as luzes acesas por preguiça de apaga-las, é inacreditável. E as demais ações não há o que explicar é puro desperdício e atitudes que devem ser mudadas, e inclusive os pais têm grande responsabilidade por essas atitudes, pois seus filhos cresceram sem consciência de limites, por isso quando crianças devem ser orientadas com limites e consciência adequados.

Para finalizar, vamos ao último exemplo:

Exemplo D

1) Vendi meu carro, e passei a usar o ônibus, ou outro transporte coletivo em minha cidade mesmo sem ser de qualidade, de forma que tenho que ficar esperando um bom tempo pelo transporte e é completamente desconfortável, mas pelo menos não poluo o meio ambiente andando sozinho com um carro e sim andando com outras pessoas juntas.

2) O chuveiro é incrível como gasta muito, por isso tomo um único banho por dia de longos 3 minutos. Mas já estou tentando diminuir este tempo com o chuveiro ligado. E eu tomo banho com a luz apagada, assim não gasta energia em excesso.

3) Em minha casa fica no máximo uma única luz acesa, para acender outra, é necessário apagar esta luz inicial, assim não compromete o gasto de energia. Em relação aos aparelhos domésticos que consomem qualquer tipo de energia, uso bem pouco, roupas eu lavo só na mão, fogão eu acendo com fósforo, tv eu quase nem uso, só vejo filme quando vou ao cinema (de ônibus e após um banho completo de 3 minutos), relógio só utilizo com pilha, passar roupas nunca mais, o ferro está guardado, por isso eu compro tecidos que não amassam e o portão que era de controle remoto, desativei-o de modo que toda vez eu desço do carro para abrir o portão, é um ótimo exercício físico e garante a economia completa de energia.

4) O lixo que eu produzo eu faço questão de reciclar tudo que for possível, e o que não é possível reciclar vai para o luxo comum, mas que eu já me certifiquei com os órgãos responsáveis em minha cidade de que há coleta seletiva de lixo, de modo que este lixo é levado a um aterro sanitário. E também aproveitei para confirmar a existência de estação de tratamento de esgoto e saneamento básico em minha cidade, e como estava tudo certo, estou morando aqui até hoje. O único problema é que meus vizinhos são meio chatos e vivem me chamando de obsessivo, neurótico, irritante, arrogante.

5) Como eu tenho um bom dinheiro que sobra da economia de energia elétrica e água, eu faço doações a instituições e projetos que contribuem com questões ambientais.

O que acharam deste último exemplo? Foi o caso que comecei explicando em meu artigo, “o obsessivo” ou ainda destacado no título “economista neurótico”. Vocês acham que vale a pena tudo isso? Aliás, o item 4 e 5 esses não tratam-se de obsessão, pois estes dois últimos itens são importantes, a reciclagem de lixo e verificação se em sua cidade há tratamento de esgoto e de lixo e sempre que possível ajudar instituições que são a favor da preservação ao meio ambiente e estão mudando as atitudes de muitas pessoas. Só no item 4 ignorar a parte em que este indivíduo acha que seus vizinhos são chatos, pois na verdade o único implicante é ele mesmo.

Bom pessoal, aí estão quatro exemplos (A à D) e esperam que vocês reflitam muito sobre eles, pois há como utilizar os recursos naturais que são necessários e para seu bem-estar como no exemplo A, existem os que gastam um pouco e já devem refletir nessas atitudes, pois muitas pessoas gastando pouco, logo gastasse muito e há desperdício em excesso em um grupo, como citamos no exemplo B, além daqueles que devem mudar imediatamente e radicalmente seus comportamentos como o exemplo C demonstra esta fato infelizmente real e que algumas pessoas gastando muito, podem gastar mais do que muitas que gastam pouco. E por favor, continuem lendo todos os artigos deste site, dicas de preservação, conscientizações, idéias de economia, mas não seja “o obsessivo” por economia igual o exemplo D, pois além de não adiantar muita coisa, você só vai estar se prejudicando e prejudicando as pessoas que convivem com você, como familiares, amigos ou vizinhos que vão te chamar de chato implicante.

Creio que agora ficou bem explicado a diferença entre gastar o necessário para seu bem-estar e desperdiçar recursos naturais. Se alguém desejar comentar alguma contradição ou idéia que não considere adequada, não deixe de se expressar, ou ainda se deseja contar alguma rotina que considere diferente das citadas e destacar com alguma crítica ou elogio, cite em seu comentário. E não deixe de indicar este projeto a seus amigos para conhecerem este site e passarem a se conscientizar em relação às questões ambientais.

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

  1. AntídioS.P. Teixeira
    AntídioS.P. Teixeirajul 28, 2009

    Caríssimo MM:
    Parabenizo-o pelo excelente trabalho acima apresentado. No entanto, lastimo por entender que ele não obterá êxito, dado o desinteresse reinante na humanidade já condicionada a um comportamento social diferenciado e egoísta. Você deve conhecer aquela velha piada de que “um povo que estava no apogeu de suas conquistas econômica, sociais, científicas e tecnológicas, e, para demonstrar o poder de sua unidade de pensamento social, resolveu lançar um grito uníssono e suficientemente potente para ser ouvido da Lua e, de lá, refletido para todo o mundo. E a surpresa foi que na hora exata prevista para o berro o que se teve foi o mais profundo silêncio. Pesquisadores, posteriormente, verificaram que cada cidadão considerou não valer a pena seu esforço uma vez que o seu grito nenhuma diferença faria para se alcançar o objetivo maior”. Do mesmo modo se comportará a massa humana condicionada culturalmente, a aspirar o consumo supérfluo. “Porque que eu vou me sacrificar lavando carro com panos molhados, enquanto muita gente esbanja água em piscinas ou repuxos em jardins?; – e as empresas distribuidoras, displicentemente, deixam expressivos vazamentos durante dias?; – porque que eu vou me preocupar com o consumo doméstico de energia se tenho condições de pagá-la, já que é muito barata, e, ainda mais que os governantes nada fazem neste sentido, deixando a iluminação de ruas e de repartições públicas acesa diuturnamente? – e mais: fomentam a baixa produtividade dos corpos funcionais, desprezam a ocupação de instalações públicas para fins sociais, desperdiçam materiais de obras, de escritório, medicamentos, reduzem a vida útil de veículos e de outros equipamentos, se tudo isso representa consumo de algumas formas de energia para exploração, beneficiamento, e transporte de metais, plásticos, madeiras, produtos agrícolas e pecuários?” – afinal, cerca de 90% da energia consumida no mundo é liberada com a queima de combustíveis fósseis, cujos resíduos cumulativos vêm sendo lançados na atmosfera há, cerca, de 250 anos; e a saturação desta já se manifesta com o aquecimento global e, consequente, mudanças climáticas. Amigo, acho que o único caminho eficiente, embora difícil, é tentar infiltrar nas cabeças mais receptivas e menos condicionadas, a compreensão de que tudo que somos, vemos, ouvimos e sentimos, são formas de energia, umas mais, e outras menos intensas. Umas mais difusas e outras mais compactadas. Afinal: “matéria é energia concentrada”, ou, “energia é matéria em dispersão”. As formas mais utilizadas são: luz, calor, eletricidade, magnetismo e movimento; umas transformáveis em outras para melhor servir aos objetivos aos quais a destinam. É necessário que se tente despertar os ambientalistas amadores e aqueles que têm mente modelada em bancas estudantis, para o fato de que todo o progresso que, hoje, temos no mundo, foi conquistado com energia liberada com a queima de combustíveis fósseis e esta ação desviou do seu desenvolvimento natural a vida; não só da humanidade, assim como de todos os seres habitantes deste Planeta, para padrões incompatíveis com a natureza de cada um. Vejo com tristeza o desperdício de tempo e de recursos aplicados por ambientalistas amadores ou neuróticos, na “defesa” de espécies vegetais ou animais, ignorando que, “se o mal maior não for contido, brevemente a Terra Azul, passará a ser vermelha, como os demais planetas mortos”.
    Fraternal abraço,
    Antídio

  2. Maurí­cio Machado
    Maurí­cio Machadoago 01, 2009

    Antídio, excelente comentário. Venho acompanhando aqui no AMA seus ótimos artigos e de seus companheiros que aqui também escrevem. Concordo muito com suas opiniões, e certamente, estamos num momento extremamente crítico e de difícil reversão, visto que para isso, precisaria de mudanças radicais, o que como você bem destacou, acaba sendo complexo pelo consumo supérfluo que domina o sistema capitalista.

    Creio que estamos buscando mudanças, e ainda acredito que conseguiremos grandes mudanças em um espaço de tempo tão curto quanto precisamos, desde que contando com o apoio de muitas pessoas e verdadeiros ambientalistas, que se libertam de idéias populares, como você definiu: “ambientalistas amadores e aqueles que têm mente modelada em bancas estudantis”.

    Dessa maneira, encerro-me agradecendo todo o apoio de vocês ao projeto AMA e buscamos ampliar e disseminá-lo para conquistar um público cada vez mais amplo, não que apenas tenha conhecimento sobre assuntos ambientais, mas que mude de atitude e influencie também outras pessoas a fazerem o mesmo.

    Um forte abraço, e continuemos na incansável luta.

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.