Hipocrisia Orquestrada

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Hipocrisia Orquestrada

Depois do relatório acusatório dos cientistas do Painel Intergovernamental da ONU, já ouvimos e temos lido inúmeras palestras, entrevistas, informações, discursos, de pessoas que, institucionalmente, são autoridades ou se sentem como tal em assuntos ambientais. Quase todas teimam em tratar o problema vivencial do planeta de uma forma inteiramente em desacordo com a realidade. Pior ainda: defendem que o desenvolvimento deve ser feito de forma sustentável e insistem nesse ponto, como se desenvolvimento fosse objetivo de vida. Isso é um modo de fugirem da dura realidade perante suas próprias consciências. Tais autoridades, representantes que são dos interesses econômicos, acovardados, não têm a coragem de enfrentar os fatos, à vista do verdadeiro tamanho do problema ambiental. Acreditamos que algumas raras autoridades não têm consciência da medonha realidade e, influenciados pela falácia dos seus pares, inocentemente repetem o estribilho do coro. Os fatos danosos provocados pela atual civilização estão ai, visíveis, palpáveis, audíveis, palatáveis, olfativeis e ilógicos. Não há como dialogar com fatos.

Eu me sinto agredido em minha inteligência ao ouvir alguém defender o desenvolvimento sustentável. Sinto que tal discurso está sendo dirigido a um rebanho de carneiros, a quem compete apenas balançar a cabeça, como concordância cômoda e irracional. E os participantes da engrenagem econômica repetem e defendem o mesmo bordão, porque conveniente aos seus interesses de ganância. Vem à idéia a imagem de alguém querendo me enfiar um enorme punhal na altura do coração, dizendo que isso me faria bem, pois se trata simplesmente de um punhal curativo. Ou os arautos da sabedoria estão inteiramente equivocados, provando assim que são incapazes de enxergar o obvio – o que os levaria à categoria de imbecis – ou estão munidos da satânica ferramenta lingüística da má-fé.

Desenvolvimento sustentável não existe. Essa expressão foi cunhada e bastante divulgada pelos poder econômico para que servisse de uma espécie semântica de morfina ecológica. Equivale a uma canção de ninar. Uma breve análise do lema, empunhado pelos grandes empresários e por diversos ambientalistas de boa fé, mostra sua verdadeira natureza. Desenvolver significa (vide dicionários): crescer, aumentar, progredir, expandir, tornar-se maior. Sustentar significa (vide dicionários): segurar, suportar, conservar, manter, reprimir, conter. Desenvolvimento sustentável significa, com palavras mais claras: crescimento contido; aumento preservado; expansão estacionária; progresso conservado; dilatação sem aumento; evolução inerte. Ora, isso é um paradoxo gritante. É o mesmo que dizer: esfera quadrada; secura da água; subir para baixo; tristeza feliz; reta curva; frio do fogo; beleza feia e coisas que tais. Isso se chama absurdo, contradição, quando não má-fé.

Certa vez, respondendo a alguém que me perguntou quais os custos e benefícios do desenvolvimento sustentável, argüimos que, para a atividade econômica, há os benefícios do marketing, um recurso de ordem psicológica de massa, cujo filão é explorado atualmente à custa do real sofrimento da Natureza. Isso equivale a passar anestesiante num enfermo para que sinta menos dor nos cortes de lhe fazemos em suas carnes. Para o planeta Terra, é evidente que os custos são a morte, e os benefícios… bem, depois da morte, não há benefícios. Que benefício se poderia esperar de ações tão mortais?

Para se ter uma idéia sobre o que está oculto e enganador sob o manto da expressão “desenvolvimento sustentável”, citamos alguns dados de uma reportagem da revista Carla Capital, de 15.10.2008, tendo como título “O verde e a cor dos negócios”. Informa a reportagem que 80% das grandes empresas realizam alguma atividade em favor do meio ambiente, baseadas em que o comportamento “verde” exerce influência favorável aos seus negócios, pois capta entre os consumidores uma preferência psicológica de simpatia e colaboração. Numa pesquisa, apurou-se que 52% dos empresários entendem que o comportamento “verde” influencia o mercado. Os resultados práticos tabulados, segundo a mesma pesquisa, indicam que atitudes ambientais (superficiais e inócuas, diga-se de passagem) trazem uma “imagem positiva” para a empresa, que se traduz em maiores lucros. Heloísa Torres de Mello, gerente de operações do Instituto Akatu, organização que estimula o consumo consciente, deu longa entrevista à publicação “Isto É”, da qual retiramos a seguinte informação: “de acordo com uma pesquisa da instituição, o número de consumidores, que no ano passado privilegiaram empresas com boas práticas sócio-ambientais em suas decisões de compra, cresceu 7% em relação ao estudo anterior, de 2003.” Resumo: postura ambientalista por parte das corporações econômicas é ótima atitude de publicidade e constitui um eficiente instrumento-fim. E as pessoas bem intencionadas, mas desconhecedoras da profundidade do problema ambiental, são enganadas por essas hábeis ações de maquiagem. Tanto é verdade, que diversos ambientalistas honestos dão livre curso à expressão “desenvolvimento sustentável”, numa colaboração ingênua aos objetivos ocultos dos verdadeiros malfeitores do nosso planeta. Enquanto alguém se esforça para economizar uma gota de água, imaginando estar colaborando para a sustentabilidade ambiental, milhares de outros nada sentem ao desperdiçar milhares de litros, anulando aqueles esforços e fortalecendo seus objetivos de insustentabilidade no objetivo do lucro.

Tais ações e publicidades verdes dos agentes econômicos equivalem a empunhar a mesma bandeira dos legítimos ambientalistas – como sádica estratégia de traição, protegidos que estão pela máscara criminosa da hipocrisia –, para desviar o rumo de tão sagrada missão e satisfazer as vantagens imediatistas do lucro. Equivale de fato a agir contra os interesses do agonizante planeta. A ganância que alimenta a estrutura econômica desta civilização, em sua cegueira visual e tátil pela ambição materialista irracional, está trocando a vivência de longo prazo da humanidade pela lucratividade de curto prazo para poucos.

O que o planeta precisa, e com urgência, é de reversão civilizacional geral, aí incluídos os fatores econômicos e populacionais. Isso equivale a uma revolução que se destina a abortar, ainda em tempo, uma perspectiva caótica. Até o momento, é possível reverter o tal rumo suicida. Daqui a vinte anos a situação será irreversível. Guarde bem isto, caro leitor: desenvolvimento sustentável não existe.

Sobre

Maurício Gomide83 anos, pensador e escritor ambientalista. Reside atualmente em Belo Horizonte(MG), colaborando em diversos blogs ambientalistas. BLOG: http://planetafala.blogspot.comVer todas as publicações de Maurício Gomide »

  1. Antídio S.P. Teixeira
    Antídio S.P. Teixeirajan 18, 2009

    Esta mensagem só não será entendida em duas situações: a) se não for lida; b) se o leitor for imbecil. Se me fosse dado a oportunidade de votar numa escala de um a dez, eu daria 12 pontos. Parabéns clarividente.

  2. Felipe ZIliotti;
    Felipe ZIliotti;jan 19, 2009

    ” Desenvolvimento sustentável não existe. Essa expressão foi cunhada e bastante divulgada pelos poder econômico para que servisse de uma espécie semântica de morfina ecológica.”

    Seus textos são, sempre, surpreendentes.

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.