Iara e a Eletricidade

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Iara e a Eletricidade

Por que as chamadas “fontes de energia limpas ou renováveis” não emplacam? Começamos a responder esta questão no artigo intitulado Iara e o Etanol ; damos prosseguimento ao assunto abordando agora o uso da eletricidade como força motriz de veículos.

Bem, o carro elétrico não polui, certo? Sim, sim, quer dizer, bem, não polui. . . diretamente. Como assim? Ora, para o carro elétrico rodar ele precisa do que?

Eletricidade!!!!

Certo!!! E quais as principais fontes geradoras de eletricidade em nosso mundo atualmente? Bem, vejamos os dados da International Energy Agency:

Carvão mineral: cerca de 40%

Gás Natural: cerca de 20%

Nuclear: 15%

Hidrelétrica: 16%

Fonte IEA, 2008

Pois é, 60% da energia elétrica do mundo é produzida às custas de grandes emissões de CO2; tudo bem, o gás natural é menos poluente que o carvão (emite uns 50% menos CO2) mas também polui. Tem as usinas nucleares que não emitem CO2, mas que geram um dejeto, digamos, bastante inconveniente. E tem também as hidrelétricas, amplamente difundidas em nosso país, que seriam, em tese, as menos danosas ao meio ambiente. Bom, levando-se em conta a atual matriz energética global poderíamos, do ponto de vista ambiental, considerar o carro elétrico um natimorto. Porém, vamos dar mais uma chance para ele.

Tecnicamente falando, tem mais alguma coisa aí para atrapalhar a adoção em massa de veículos movidos a eletricidade? Tem sim, a bateria. Elas são caras, demoram para carregar (horas e horas) e tem pequena autonomia (uns 150 km). Portanto, a tecnologia de armazenamento da energia elétrica teria que evoluir bastante.

Bem, mas tem os veículos híbridos, que funcionam com eletricidade e combustível fóssil, não tem? Tem sim, mas acabam rodando muito mais com derivados de petróleo do que com eletricidade e aí, temos, então uma ½ solução para o problema da emissão de CO2. . . 1/2 não, 1/3 de solução melhor dizendo.

Ora, pois então mudemos a matriz energética mundial!!! Não dá para gerar energia elétrica a partir do Sol e do Vento? Dá sim. . . mas este é assunto para um próximo artigo.

Sobre

Antonio RadiEngenheiro Agrônomo/Representante ComercialVer todas as publicações de Antonio Radi »

  1. Antídio S.P. Teixeira
    Antídio S.P. Teixeirajan 23, 2010

    Antônio:
    este seu artigo dá melhor esclarecimento aos leigos do problema energético global. Simplificando: apesar de uma metade do planeta receber, initerruptamente, um abundante banho de energia luminosa conversível em qualquer outra forma, o problema é que ela é dispersa e, neste estado pouco atende às necessidades industriais, assim como algumas sociais. A dificuldade é que o custo financeiro para concentrá-la artificialmente e utilizá-la em fornalhas e como combustíveis automotivos, é muitas vezes maior do que os preços que os bens produzidos podem alcançar nos mercados. Isso ocorre com todas as outras formas de aproveitamento alternativos, e o que inviabiliza a continuidade do sistema capitalista que, para sobreviver, necessita de energia barata para alimentar o consumismo que é a fonte de seus lucros. Portanto, contemplando o aspecto energético como um “todo global” não vemos nenhuma alternativa racional e econômicamente viável para alimentar equilibradamente a voracidade consumista.

  2. Maurício Gomide
    Maurício Gomidejan 23, 2010

    Caro Antonio,
    O seu raciocínio vai indo muito bem. Só que o foco da sua preocupação é o automóvel. Agora digo eu: automóvel não é produto básico para a vida. Podemos viver muito bem sem automóvel. Ele nunca fez falta até o século XVIII. Vamos eliminá-lo da equação?

  3. Antonio
    Antoniojan 24, 2010

    Caríssimos Antídio e Maurício:

    Grato pela leitura e pelos comentários.
    Sei, Maurício, que você possui uma posição bastante bem formada a respeito das chamadas “fontes de energia alternativas”. Mas acredito que ainda exista gente “sonhando” com o assunto, inclusive nos meios ambientalistas. Peço, portanto, a todos os leitores que suportem um pouco mais os “(desen)cantos de Iara”; embora pretensiosos, eles tem um objetivo que julgo nobre. . . o de desmistificar.

    Grande abraço

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.