Os dois lados dos biocombustíveis

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Os dois lados dos biocombustíveis

O álcool etanol, biodiesel são denominados biocombustíveis que são combustíveis renováveis, ou seja, produzidos a partir de matéria orgânica como a cana-de-açúcar, soja, milho, madeira (celulose). Com isso, são apresentadas inúmeras vantagens na utilização em larga escala de biocombustíveis, exatamente pela vantagem de serem renováveis, sendo como uma fonte de produção inesgotável, já ao analisarmos em relação aos combustíveis fósseis como os derivados do petróleo que existem em depósitos sob o solo não se renovam, há “apenas” aquela quantidade fixa de petróleo, não há como produzir mais gasolina se esgotar o petróleo. E como a população de consumo de produtos que necessitam de combustíveis como veículos automotivos vem aumentando gradativamente, o petróleo está se tornando cada vez mais escasso e inclusive por isso seu preço vem aumentando exageradamente.

Devido a essa escassez de petróleo e a necessidade cada vez mais ampla de utilização de combustíveis, torna o biocombustível altamente competitivo, sendo apontado como uma das fontes para o futuro. Outro ponto positivo dos biocombustíveis é que por serem originados de plantas (é necessário plantar cana-de-açúcar para extrair o álcool – por exemplo) que ainda favorecem ao efeito estufa, de forma que ao fazer plantações de matérias orgânicas para gerar os biocombustíveis será absorvido uma quantidade de gás carbônico, já que as plantas absorver o gás carbônico para realização da fotossíntese, que pode compensar o futuro gás carbônico que será emitido na queima do combustível. E dessa maneira, regulando a emissão do gás carbônico estaria contribuindo para não aumentar o aquecimento global.

Biocombustível (montagem)Porém para uma produção em alta escala de biocombustíveis é preciso fazer uma análise detalhada do ponto de vista a partir de qual matéria orgânica deve ser utilizada para transformar em combustível renovável, com objetivo de identificar fontes que contribuam ao máximo para o aquecimento global. E por incrível que pareça, dependendo da matéria orgânica, o biocombustível pode contribuir ainda mais para a emissão de gás carbônico e conseqüentemente para o aquecimento global. Isso é explicado ao analisarmos estudos já realizados que indicam que o uso de etanol de milho na China, por exemplo, causaria um aumento de 17% na emissão de CO2, em 2010, em relação à poluição gerada pela gasolina. Já se os chineses adotassem, álcool metanol de madeira, em vez de etanol de milho, haveria queda de 50% no CO2. E isso ainda varia dependendo de diversos fatores que devem ser abordados como a poluição gerada pelas máquinas que colhem as plantas, o processamento do material e transporte do biocombustível até o ponto de consumo.

Outro fator que deve ser discutido para produção em larga escala de biocombustíveis é sobre o terreno necessário para produção de plantas que serão destinadas a dar energia necessária para mover veículos, por exemplo, e não para fornecer energia aos seres humanos, ou seja, que não será destinado à alimentação. Em várias partes do planeta em que o problema da fome devido a uma população generalizadamente vivendo em níveis de pobreza como na América Latina, vem sendo um dos principais problemas, de forma que se grande parte do território passar a ser utilizado para produção de matéria orgânica destinada a produção de combustíveis renováveis então o que se tornará mais disputado será o próprio alimento, de forma que correrá sérios riscos de ter seu preço aumentando e uma disputa que tenderá a excluir uma população ainda maior que passará fome.

Ainda poderemos estar correndo risco de perder grande parte de ecossistemas pela devastação incontrolada com objetivo de passar a plantar nessa área as matérias para os combustíveis renováveis. Sem contar que para fazer essa devastação, muitas vezes é utilizada a técnica da queimada, que emite gás carbônico na atmosfera.

Energia solar - painéisAgora que acabamos de apontar os dois lados dos biocombustíveis, não resta simplesmente a população decidir sobre o que “acham” melhor, e sim especialistas discutirem essa questão para chegar em uma conclusão matemática que comprove que a produção de um determinado tipo de biocombustível originado a partir de sua respectiva matéria orgânica, contribua para o aquecimento global a fim de reduzir a emissão de gás carbônico e ainda deve ser definido um limite de produção para não piorar a situação na produção de alimentos ou devastação de valiosos ecossistemas.

Energia eólica - hélices comparadas com o tamanho das pessoasHá especialistas, inclusive eu apóio esta tese, de afirmarem que os biocombustíveis são uma solução provisória para prolongar a duração do petróleo e uma solução parcial para diminuir a taxa de emissão de gás carbônico. Com isso constatamos que serão necessárias outras novas fontes de energia (solar, eólica) que venham a substituir os equipamentos que necessitam de petróleo, já que os biocombustíveis certamente não conseguirão substituir o petróleo por completo, pois se isso acontecesse muitos outros problemas seriam gerados como já abordamos (aumento do preço de alimentos, devastação de ecossistemas) e colocar em prática outras soluções para diminuir a emissão de gás carbônico, já que apenas com os biocombustíveis estaremos diminuindo uma parte pequena da emissão de gás carbônico e não o suficiente para frear e controlar o aumento da temperatura (aquecimento global).

Sobre

Maurí­cio Machado

Biólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.

Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

  1. Inara Cristina Angel
    Inara Cristina Angeljun 02, 2008

    tudo é certo y muito legal porisso eu vou dar a nota 5 estrelas e fim!!!!!

  2. Inara Cristina Angel
    Inara Cristina Angeljun 02, 2008

    eu gostei muito d4e tudo porque está tudo correto sem nenhum erro denada por isso e vou dar a nota 5 estrelas para isso que é fabuloso entendeu e fim!

  3. Maurí­cio Machado
    Maurí­cio Machadojun 04, 2008

    Olá Inara.
    Agradecemos seus elogios e continue sempre participando deste projeto e agindo conscientemente para preservar o meio ambiente e influenciar outras pessoas a fazerem o mesmo.

  4. Douglas Scherer
    Douglas Schererjul 18, 2008

    Os artigos são exelentes, de boa qualidade e de pessoas que conheçem muito bem as necessidades do nosso planeta.
    Parabéns.

  5. Juan Carlos Ormachea
    Juan Carlos Ormacheaset 29, 2008

    Prezado Maurício Machado,
    Parabéns pela sua apresentação, gostaria de acrescentar um tópico muito importante com relação a emissão de CO2 pelos motores a explosão.
    A emissão do CO2 se da devido ao não aproveitamento de 100% do combustível dentro da câmara de explosão dos motores. Temos um aproveitamento na ordem de 70 á 90% do combustível, o que não é queimado, nos dois resultados emissão de poluentes e perda de potencia.
    Gostaria de podermos discutir um pouco mais sobre a questão. Como faço para entrar em contato?

    Atenciosamente

    Juan Carlos

  6. Maurí­cio Machado
    Maurí­cio Machadoset 30, 2008

    Olá Juan Carlos. Você realizou um excelente acréscimo a esse tópico com sua contribuição.

    Você pode continuar discutindo esse tema nesta área (através dos comentários) para que assim outras pessoas também tenham acesso a essa discussão.

    Entretanto, estamos disponíveis para contato através do endereço abaixo:
    http://amanatureza.com/contato/

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.