Reação ecológica no Brasil

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Reação ecológica no Brasil

Um fato que reputo como de excepcional importância para o Brasil e o mundo ocorreu no sul de Mato Grosso do Sul no final de dezembro de 2008. Sinteticamente, foi noticiado no jornal da TV Globo na noite de 27.12.2008. Só. Corri atrás de notícias mais pormenorizadas, mas nada encontrei nos principais jornais do Brasil, inclusive “O Globo”. Pela internete também nada encontrei. Como sempre, a mídia se ausenta em informações importantes, porque contrárias aos interesses econômicos. Essa notícia era para ser veiculada com fartura, objeto de análises, comentários, com grande repercussão mundial. Mas, como não houve a jogada de uma menina pela janela… Constitui o fato um vívido reflexo dos impactos ambientais que a civilização, em holocausto ao progresso, causa em todos os recantos do planeta.
Os índios daquela região se uniram e atacaram ferozmente o campo de obras de preparo para a construção de uma usina hidroelétrica que, com aprovação do governo, iria trazer mais progresso para o Estado. Queimaram tudo o que encontraram: as construções pioneiras, alojamentos, escritórios, veículos, motores estacionários, instalações elétricas e todo o conteúdo. Não mataram ninguém. Seu objetivo era destruir somente a estrutura já instalada. Apesar de a planta industrial se localizar fora das reservas indígenas, os índios alegaram que as atividades estavam impactando o meio ambiente em que vivem. As obras estavam causando o rareamento dos peixes, dispersão de caça e poluição dos rios, fatores que constituem o conjunto vivencial a que chamamos meio ambiente. Eles, que vivem em contato direto com esses fatores e deles dependem, sentiram na própria pele as conseqüências do chamado progresso dos civilizados. Não tiveram outra opção senão a de reagirem. E o fizeram de forma radical para que não ficassem dúvidas nos burocratas de que os males que estavam causando representam a exclusão de vivência dos homens que habitam aquela região. Isso nos dá a lição também de que a atividade industrial localizada afeta, direta ou indiretamente, todo o planeta. O que comprova a tese de que soluções básicas devem ser globais e não nacionais, pois que, em assuntos ambientais, não existem países; existe o globo terrestre.
Tal como ocorreu na ilha de Bougainville, as reações de nosso homem radicado junto com a Natureza foram uma luta pela sobrevivência. Legítima e justa, portanto. Esta é a linha natural de atitude dos homens quando enxergam, no momento do impacto ambiental, que ou agem ou perecem. Isso indica claramente o que ocorrerá no mundo quando a semântica de desenvolvimento, crescimento, progresso mudar para o seu verdadeiro sentido: destruição e morte.

Sobre

Maurício Gomide83 anos, pensador e escritor ambientalista. Reside atualmente em Belo Horizonte(MG), colaborando em diversos blogs ambientalistas. BLOG: http://planetafala.blogspot.comVer todas as publicações de Maurício Gomide »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.