Análise dos discursos alarmantes deste projeto e também na opinião de muitos ambientalistas, porém criticada por alguns cientistas

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Análise dos discursos alarmantes deste projeto e também na opinião de muitos ambientalistas, porém criticada por alguns cientistas

As mudanças climáticas são uma realidade, e a ciência confirma que a atividade humana tem boa parte da culpa.

Mas, nos últimos anos, um novo fenômeno ambiental surgiu no Reino Unido –o fenômeno das mudanças climáticas “catastróficas”.

http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2007/04/070406_climaanalistabbcml.shtml

Em matéria publicada na BBC por Mike Hulme, professor de ciências ambientais da Universidade de East Anglia e diretor do Centro Tyndall para Pesquisas em Mudanças Climáticas, criticou os discursos catastróficos sobre o clima, argumentando que a ciência não pode provar e nem faz previsões de um desastre catastrófico. O autor ainda explica em sua opinião, que como se não bastasse o termo mudanças climáticas, agora estão justamente utilizando o termo mudanças climáticas catastróficas, juntamente com palavras como caótico, rápido, irreversível, com objetivo de chamar atenção para mudança de hábitos e ainda contesta que com isso deixamos a sociedade mais negativa, deprimida.

ExplosãoSe realmente o único objetivo desse “discurso catastrófico” fosse chamar atenção para urgente mudança de hábitos, mas que catástrofes não irão ocorrer, então não sei como pessoas com esse pensamento definem a seca na Amazônia, a elevação no nível do mar devido ao derretimento das geleiras, a radiação solar em níveis cada vez mais altos provocando aumento no índice de doenças como o câncer de pele, proliferação de doenças como dengue, malária, furacões em áreas nunca antes afetadas, um clima completamente desregulado, a temperatura vem aumentando cada vez mais devido a todo aquecimento global pelo excesso de emissão de gases poluentes no planeta, e ainda como se não bastasse, há toda degradação ambiental que está descontrolada, onde vemos florestas diminuindo rapidamente, associando ainda com extinção de vários animais, lixos sendo depositados em áreas irregulares, e todos os demais tipos de poluição que estamos observando constantemente. Será que se realmente não mudarmos tudo isso, o discurso catastrófico ainda estará longe de se tornar real? Que por sinal já há várias catástrofes ocorrendo, mas digamos a “catástrofe total, completa”.

Até posso concordar que isso pode deixar a sociedade em uma trajetória negativa, deprimida, mas nós mesmos somos culpados por essa situação. E não é para se deprimir e ficar lamentando todos os problemas que vêm ocorrendo, é justamente para tomarmos ações antes que mais desastres ambientais ocorram, por isso que todos estes argumentos são expostos e que confirmo que são discursos catastróficos que demonstram a realidade.

“Por que políticos e cientistas estão, junto com ativistas, confundindo a linguagem do medo, do terror e do desastre com a realidade física observável das mudanças climáticas, ignorando deliberadamente os cuidados que cercam as previsões científicas?”.

Eu gostaria de saber o que Mike Hulme define como a realidade física observável das mudanças climáticas. Qual é a realidade que a ciência observa nas mudanças climáticas? Será que a ciência observa que todos os desastres ambientais que ocorreram, e que ocorrem e muitos que ainda vão ocorrer não são uma realidade física observável e não se trata de nenhuma catástrofe? Ou Mike Hulme é mais um americano que, com todo respeito, mas acha que nenhum problema ambiental irá afetar ele e seu país?

Sempre levei em consideração a comprovação de fatos científicos antes de confirmar e relatar alguma opinião, mas se realmente a ciência ainda não pode comprovar que se tudo continuar “normalmente” o mundo irá se tornar um caos em pouco tempo, é porque estão levando em consideração dados mais ou menos como:

Se há um século atrás a poluição estava afetando menos de 5% o planeta e hoje (no séc. XXI) afeta cerca de 20% o planeta, então continuando nessa lógica (aumentando 15% por século), só daqui a 500 anos a poluição estaria afetando totalmente o planeta e deveríamos tomar alguma atitude. Mas a lógica clara e objetiva que deve ser utilizada, é que hoje, em relação a proporção que estamos poluindo o meio ambiente, amanhã irá aumentar muito mais, ou seja, continuando o mesmo exemplo, se há um século atrás a poluição estava afetando menos de 5% o planeta e hoje afeta cerca de 20% o planeta, daqui meio século já poderá estar afetando 100% o planeta e poderá nem haver mais soluções para reverter a situação, já que a evolução de toda degradação a natureza está avançando muito mais rápido do que podemos imaginar.

Obviamente os dados que utilizei no exemplo acima são totalmente fictícios, até porque não dá para ter uma exatidão na porcentagem em que a poluição está afetando o planeta, mas o que sabemos, ou melhor, o que não sabemos é quando o mundo se tornará um caos devido a toda degradação da natureza, mas dá para afirmar que pode faltar pouco para a situação se tornar irreversível.

O gráfico abaixo ilustra um exemplo real semelhante à idéia transmitida em meu exemplo fictício, mas note que no gráfico abaixo todos os dados estão corretos, que analisa a variação da temperatura global (ºC – graus – em vermelho) com a concentração de dióxido de carbono (ppm – partes por milhão – em azul) presente no ar nos últimos 1000 anos:

Variação da temperatura nos últimos 1000 anos

Observe que a variação da temperatura está bem mais elevada entre 1900 a 2000 do que qualquer média prevista do ano 1000 a 1900, devido à altíssima emissão de gases poluentes que se iniciaram no século XX após a revolução industrial. E agora o que vocês acham que podemos esperar para o século XXI? Uma média prevista para uma lógica contínua de uma pequena elevação, ou uma elevação ainda mais acentuada do que no século XX? Espero que com o esforço de todos, as futuras gerações possa ver a continuação deste gráfico com uma surpreendente queda. Até porque se não houver uma enorme queda na emissão de gás carbônico, ocorrendo apenas uma pequena diminuição não haverá mais continuidade para este gráfico.

Elevação do nível do marOutro gráfico que demonstra um exemplo real da conseqüência dos elevados índices de poluição trata-se da elevação do nível dos oceanos devido ao aumento da temperatura e conseqüente derretimento das calotas polares, transformando a água sólida em líquida, como derreter um gelo em um copo d’água, porém estamos falando de blocos de toneladas que podem continuar derretendo constantemente ou derreter uma grande massa completamente e originar tsunami. De qualquer maneira, devido ao aquecimento global o nível dos oceanos sobe, e com isso cidades litorâneas, pequenos países banhados pelo mar, e diversas ilhas correm o risco de sofrerem uma enorme devastação, assim como ocorreu no tsunami em 2004, mas a causa deste tsunami foi outra, um maremoto, devido a colisão de fendas no solo do fundo do mar da união de placas tectônicas, provocando uma espécie de terremoto no fundo do oceano.

Derretimento de geleiraSe ainda alguém não acredita em qualquer tipo de discurso catastrófico, nem na mais remota possibilidade, então podemos explicar com um fato real que já ocorreu em relação ao “discurso catastrófico”: há cerca de cinco ou dez anos atrás quando líamos em revistas, jornais, que em breve, grandes desastres da natureza iam ocorrer levando em consideração toda degradação ao meio ambiente, mas não podiam afirmar quando, e poucos acreditavam nessas informações ou não se preocupavam, nem levavam a sério, hoje já podemos afirmar que esses desastres já começaram e aumentou muito mais a preocupação com o meio ambiente, mas ainda não é suficiente, já que podemos estabelecer uma relação em que a área degradada é bem mais extensa do que a área protegida ou recuperada.

Enfim, o “discurso catastrófico”, traduzindo ainda para os que não entenderam, o fim do mundo, representa um fato real, e que se a ciência americana ainda não pode prever, com certeza não devemos esperar o dia para essa ciência dizer “agora realmente o fim do mundo está próximo e devemos tomar precauções para radicalmente do dia para noite acabarmos com a poluição e torcer para isso dar certo”, devemos então nos preocupar imediatamente, para essa situação não ocorrer ou se tornar mais distante.

Aliás, eu gostaria de saber que dados a ciência utilizada, de acordo com Hulme, que afirma a distância do discurso catastrófico. Talvez Hulme, humildemente, me responda que são simplesmente os dados reais e observáveis. Mas não é possível observar além do momento atual, ou até sabem de tudo isso, mas querem abafar este caso e não divulgar mais idéias de catástrofes.

Mas por que motivo devemos esconder tudo isso das pessoas para não deixar um traço negativo na sociedade? Se escondermos todas essas informações, seria bem pior, pois sem o conhecimento de tudo isso ninguém se preocuparia. Já é difícil convencer as pessoas a se preocuparem com questões ambientais mesmo expondo questões críticas como essas, imagine então abafando tudo isso. Talvez seja por isso que muito americanos e muitas outras pessoas (me desculpem estar sempre destacando americanos, não é nenhum tipo de preconceito, longe disso, pois trata-se realmente de um alerta a população que mais polui no mundo) ainda não são conscientizados de todos os problemas ambientais e são altamente agentes responsáveis pela degradação do ambiente, por esconderem a verdade, ou se manterem passivos e não acreditarem nessa realidade.

Agora chega de explicar, re-explicar, dizer a mesma coisa com outras palavras, e quero deixar a “voz do povo” realçar este artigo, dizendo se eu me equivoquei completamente em ser contra Mike Hulme, ou se ele é quem se equivocou ao querer esconder a realidade. Ou se ele está apenas fazendo seu papel de informar apenas o que é certeza e não querer prever nada, mesmo que seja óbvio.

Sobre

Maurí­cio Machado

Biólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.

Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

  1. lucas
    lucasmar 29, 2008

    muito bom esse site!!!
    atualizem ele!!!!!!!!!!

  2. Maurí­cio Machado
    Maurí­cio Machadomar 29, 2008

    Olá Lucas, agradecemos seu elogio e não precisa nem avisar, o site é atualizado diariamente com notícias, dicas, informações, artigos, imagens, vídeos e muito mais. E ainda usuários como você podem participar constantemente comentando, avaliando e navegando pelos mais variados conteúdos que oferecemos e participar desse projeto fazendo o cadastro, simples, gratuito e que é de grande importância para preservação ambiental.

    Mais informações: http://amanatureza.com/faq/

  3. Rauny
    Raunyabr 07, 2008

    Olá gostei muito do que li,
    achei muito interessante pois fala de um jeito
    simples mas objetivo.Continuem assim!

  4. Maria Júlia
    Maria Júliajun 18, 2008

    Olá, meu nome é Maria Júlia e venho por meio deste, parabenizar o trabalho de vocês.
    De modo claro e objetivo, um assunto tão sério é passado nessas linhas e entrelinhas.
    Continuem assim!

  5. amanda
    amandamaio 16, 2009

    bom meu nome é Amanda e eu vim prabenizar voces por fazer um discurso á natureza por que eu adoro a natureza.

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.