Agricultores retardam início do plantio da soja para evitar ferrugem asiática

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Agricultores retardam início do plantio da soja para evitar ferrugem asiática

Lourenço Canuto
Repórter da Agência Brasil

Os plantadores de soja da maioria dos estados produtores estão obedecendo recomendações técnicas da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e retardando o início do plantio da safra 2008/2009. Com isso, eles estão se antecipando contra a ocorrência do fungo asiático, o phakopsora pachyrhizi, que provoca desfolhamento nas plantas e prejudica o desenvolvimento dos grãos, afetando a rentabilidade das lavouras.

De acordo com o fitopatologista e pesquisador da Embrapa Rafael Moreira Soares, durante a safra 2007/2008 ocorreram 2106 de focos. Plantar mais tarde permite que, próximo à safra, que vai do final do ano até abril, haja uma ocorrência menor do fungo, em função de uma temperatura menos propícia ao ataque.

A diversidade climática do Brasil exige que cada localidade tenha um período mais propício para o início da cultura, disse o pesquisador, ao lembrar que este é o maior problema no momento para a cultura de soja no país. O phakopsora pachyrhizi começou a atacar as lavouras de soja no país por volta de 2001, e a prática do retardo do plantio vem surtindo resultados. Além de proteger a planta, ela reduz o efeito do fungo nas sementes que vão ser plantadas na safra seguinte.

O fungo vem pelo ar, quando a temperatura está entre 28 e 30 graus e ataca as folhas da soja, provocando perfurações. A única forma de combate utilizada no momento é por meio do uso de fungicidas, de baixa toxidade e, portanto, menos danoso que os agrotóxicos, destaca o pesquisador. Ele diz que em grandes plantações é praticamente improvável que não ocorra necessidade de proteger a lavoura com o uso de fungicidas, quando a temperatura está muito alta.

O Consórcio Antiferrugem, da qual participam todos os órgãos da cadeia produtiva da soja ligados ao Ministério da Agricultura, universidades e empresas do setor, tem procurado orientar os produtores quanto à prevenção adequada. A recomendação é de que cada localidade leve em conta não apenas o zoneamento agrícola estabelecido pelo Ministério da Agricultura para cada estado quanto ao período mais propício para plantar, de acordo com o clima de inverno. Eles também devem obedecer o chamado “vazio sanitário”, com o retardo do plantio que deve ocorrer no mínimo um mês depois do tempo que era praticado há sete ou oito anos.

No final da atual safra de soja, o Consórcio Antiferrugem fará um balanço sobre o comportamento da ferrugem asiática nas lavouras do país. O período para restrição ao plantio este ano no Brasil vai de 15 de junho a 15 de setembro.

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio Machado

Biólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.

Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.