América do Sul terá problemas com fornecimento de água

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

América do Sul terá problemas com fornecimento de água

Com a intensificação o aquecimento global que está ocorrendo atualmente, está sendo provocando graves secas, em proporções maiores do que as chuvas, assim como já falamos. De acordo com uma pesquisa do Banco mundial os lagos montanhosos e pântanos nos Andes estão secando, dessa maneira comprometendo o abastecimento de água em importantes cidades latino-americanas como La Paz, Quito, Bogotá.

Cordilheira dos AndesNo hábitat conhecido como páramo, um ambiente úmido da região dos Andes, apresenta um risco maior, já que é responsável por 80% de todo fornecimento de água para 7 milhões de habitantes de Bogotá, na Colômbia.

Isso ocorre porque as altas temperaturas estão fazendo com que as nuvens que estão sobre os Andes passem a se condensar apenas em altitudes maiores e se isso continuar ocorrendo irá se formar o orvalho fora das regiões montanhosas, pois as nuvens estão subindo a montanha devido às alterações na temperatura, chegará um momento que elas vão acabar deixando a montanha.

Outro local afetado é Quito que pode ser prejudicado pelo aquecimento global devido o derretimento das geleiras que além de inundar regiões com água potável, afetará também a geração de energia em hidrelétricas no Peru.

Walter Vergara, especialista do Banco Mundial em aquecimento global, informou a conclusão da observação de que está ocorrendo a evaporação de lagos e pântanos de acordo com a pesquisa do Instituto de Estudos de Hidrologia, Meteorologia e Ambientais da Colômbia que foi financiada pelo Banco Mundial. Até o fim do ano serão publicados mais detalhes.

Vergara foi o principal autor da pesquisa do Banco Mundial que foi divulgada no mês passado que revelou o gasto que o Equador teria de desembolsar nas próximas duas décadas para compensar o derretimento das geleiras substituindo a água das geleiras pela da bacia amazônica, por exemplo. O valor concluído para o gasto foi de 100 milhões de dólares.

Os glaciares das montanhas desempenham extrema importância, pois são como um regulador, já que em épocas de secas quando as temperaturas estão mais altas derretem. Já em épocas mais frias com muita umidade eles absorvem água congelando-as.

Mas com o aquecimento global, e derretimento generalizado dos glaciares, fará com que a distribuição de água fique menos previsível e prejudicará seriamente em certas épocas do ano, fazendo com que não tenha água nenhuma nas regiões citadas.

Já foi registrado o desaparecimento de diversos glaciares como um do Equador, o Cotacachi, além de vários glaciares pequenos que são previstos para sumirem em pouco tempo.

Sobre

Maurí­cio Machado

Biólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.

Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.