Ano de 2007 deve se tornar o segundo mais quente

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Ano de 2007 deve se tornar o segundo mais quente

O ano de 2007 deve se tornar o segundo mais quente, atrás apenas de 1998, desde o início dos registros, na década de 1860 de acordo com o especialista Phil Jones, chefe da Unidade de Pesquisa Climática da Universidade de East Anglia (Grã-Bretanha), com base nos registros de temperatura feitos até o fim de abril. E ainda afirma que não está muito atrás de 1998. E mesmo podendo mudar os dados no decorrer do ano em relação à temperatura média, até o momento parece improvável que ocorra grandes alterações.

Jones havia realizado previsões no final do ano passado que 2007 poderia até superar 1998 como o ano mais quente já registrado, devido à combinação do efeito estufa, provocado principalmente pela queima de combustíveis fósseis, com o El Niño, fenômeno natural causado pelo aquecimento das águas superficiais do oceano Pacífico.

Os dez anos mais quentes no último século e meio foram todos registrados de 1990 para cá. O ano de 2006 foi o sexto mais quente, segundo a OMI. E em relação aos dados da Nasa, que são ligeiramente diferentes, é apontado 2005 como o ano mais quente, à frente de 1998. Neste ano, uma comissão da ONU que reúne o trabalho de 2,5 mil cientistas disse que as atividades humanas ligadas ao uso de combustíveis fósseis são a principal causa do aquecimento no último meio século (relatório do IPCC).

Com o aumento na temperatura há tendências de mais secas, inundações, ondas de calor e tempestades. Para os mais otimistas dos cientistas, a previsão é de que a temperatura do planeta aumente de 1,8ºC a 4ºC neste século, o que já provocaria catástrofes irreparáveis, pois com o derretimento de grande parte da água que está em forma de gelo, haverá um considerável aumento do nível do mar, inundando muitas regiões, provocando além de muitas mortes, desabrigados e ainda aumenta áreas improdutivas (desertificação) fazendo com que intensifique problemas como a fome. Esses são apenas alguns dos problemas arrasadores que podem ocorrer, para ver detalhes e a relação completa dos problemas que o aumento da temperatura provoca no Brasil e no mundo, leia o artigo: O que o aquecimento global pode provocar no Brasil e no mundo.

Recentemente ocorreram vários desastres ambientais devido ao clima descontrolado que podem ser o prenúncio de inconvenientes ainda maiores. Entre os fenômenos mais devastadores, mais de 500 pessoas morreram em tempestades e inundações no Paquistão, no Afeganistão e na Índia na semana passada. Nesta semana, as temperaturas atingiram incríveis 46º na Grécia, devido a onda de calor que atinge o sul da Europa e algumas regiões da China também tiveram um aumento expressivo nos últimos dias. (ondas de calor). Na região norte da Inglaterra e uma parte do Texas ocorreram chuvas em abundância, e cidades como Austin, vive o ano mais úmido já registrado.

Salvano Briceño, chefe do secretariado da Estratégia Internacional da ONU para Redução de Desastres, em Genebra, disse que o mundo tem de adotar políticas melhores contra desastres naturais, e que a mudança climática já está aumentando os riscos.

Sobre áreas em que estão sujeitas a sofrerem acidentes que são ocupadas por pessoas geralmente sem condições para residir em um local melhor, ação da superlotação de cidades no aglomerado urbano, devem ter uma atenção maior do governo e instituições, já que são as que sofreriam mais drasticamente com possíveis problemas como inundações.

Na realidade, o que todos precisam priorizar é sem dúvida reduzir a degradação ao meio ambiente, cortando as emissões de gases poluentes investindo em fontes alternativas de energia que não poluam, mantendo centros de reciclagem de lixo, desenvolvendo na infra-estrutura de cidades estações como tratamento de água e esgoto, equilíbrio com áreas arborizadas e que suportem toda população e não apenas os mais privilegiados.

Artigo relacionado:
Desastres que marcaram época e muitas vidas

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.