Brasil quer integração energética no continente, diz presidente da Eletrobrás

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Brasil quer integração energética no continente, diz presidente da Eletrobrás

Nielmar de Oliveira
Repórter da Agência Brasil

A importância do desenvolvimento de políticas de integração energética no continente está levando o Brasil e estudar e a viabilizar a construção de usinas binacionais com países vizinhos, como Argentina, Bolívia e Peru.

A confirmação dos estudos – adiantados anteriormente pelo ministro de Minas e Energia, Edison Lobão – foi dada hoje (24) pelo presidente da Eletrobrás, José Antônio Muniz Lopes, durante entrevista coletiva.

Os estudos mais adiantados, informou, envolvem a construção da hidrelétrica de Garabi, em parceria com os argentinos, na fronteira com o Rio Grande do Sul. A usina terá potência de cerca de 2 mil megawatts.

“Há ainda a possibilidade de construção de outras usinas na região, o que elevaria a potência instalada para algo em torno de 6 mil megawatts”, adiantou, ao comentar que a polêmica em torno da renegociação do Tratado de Itaipu não deverá atrapalhar a integração energética no continente.

O diretor de engenharia e ex-presidente interino da Eletrobrás, Valter Cardeal, que participou da entrevista, disse que a estatal avalia ainda outras parcerias, mas que os estudos não estão tão adiantados. “Por enquanto temos estudos concretos apenas para Garabi, mas serão feitos estudos mais aprofundados para outras unidades, embora ainda não tenhamos números definidos”, ressaltou.

Sobre os riscos de empreendimentos com os países vizinhos, Cardeal afirmou que a integração “traz ônus e bônus”. E lembrou que o país já possui “contrato semelhante com a Venezuela, de onde trazemos energia para abastecer o estado de Roraima”.

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.