Bush propôs conferência para abordar mudanças climáticas

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Bush propôs conferência para abordar mudanças climáticas

George W. Bush, presidente dos Estados Unidos, decidiu realizar uma conferência que reunirá os maiores poluidores do mundo, convidando 11 países (China, Índia, Brasil, Japão, Canadá, Coréia do Sul, México, Rússia, Austrália, Indonésia e África do Sul), a União Européia e as Nações Unidas para discutirem sobre mudanças climáticas.

O encontro ocorrerá em Washington, em 27 e 28 de setembro e será presidido pela secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, de acordo com comunicado oficial da Casa Branca. O principal objetivo dos governos e órgãos representantes dos países participantes será planejar metas para reduzir a emissão de gases que intensificam o efeito estufa, a longo prazo.

Esse encontro já havia sido citado por Bush no mês de maio deste ano, antes da cúpula do G8, formado por EUA, Canadá, Alemanha, França, Itália, Japão, Reino Unido e Rússia, que são os países mais industrializados e conseqüentemente maiores poluidores, porém não haviam sido divulgados detalhes.

Agora, o presidente americano enviou uma carta aos países e órgãos convidados em que afirma que os EUA continuam com sua intenção de colaborar com outras potências econômicas e concluindo com um acordo mundial para minimizar as emissões de gases poluentes.

Porém, conforme afirmam fontes governamentais, a estratégica proposta de Bush continua com oposição sobre a obrigação real de definir limites de emissões nos EUA e ambientalistas radicais concluem que esse é um plano para desviar metas de redução, já que realizando reuniões para planejamentos e discussões de metas está transmitindo a falsa idéia de preocupação ambiental, quando na verdade, querem atrasar a aplicação de limites.

Essa tese se confirma ainda mais analisando o histórico de Bush, que se negou a assinar o primeiro acordo que definiu metas de redução para emissão de gás carbônico, o protocolo de Kyoto.

Mas ainda há quem diga que devido a toda recente pressão que o líder americano vêm sofrendo, está passando a se comprometer mais com o setor de preservação ambiental, mostrando empenho para colaborar com outros países contribuindo para minimizar o aquecimento global.

Exemplo da atitude de Bush foi na cúpula do G8 em que se mostrou empenhado, assim como outros líderes mundiais, em reduzir as emissões de gás carbônico e ainda negociando uma extensão para o Protocolo de Kyoto, sugerindo ir além de 2010.

Apesar de não ter concretizado planos ou ainda aplicado grandes soluções para minimizar o efeito estufa, e ainda sem aceitar metas mais ambiciosas, porém necessárias, como reduzir em 50% as emissões de gás carbônico até a metade deste século, mas já é um retorno depois de sofrer tanta pressão, de primeiros passos, ainda lentos, mas significando mudanças.

Lembramos ainda que não devemos esquecer do impasse que Bush impôs, de que enquanto países emergentes como China e Índia não aderirem às metas de redução, os EUA também não irão aceita-las.

Se devemos então considerar um avanço de Bush sobre preocupação com impactos ambientais e preservação da natureza ou se é uma estratégia para desviar aceitação de metas reais para reduzir emissões, ainda não podemos concluir ao certo.

O que podemos afirmar com toda certeza é que se a pressão aumentar, muitas mudanças significativas irão ocorrer, não só por Bush, mas por outras autoridades, inclusive nacionais, para frear o aquecimento global.

Para ampliar a pressão, para não vermos apenas conferências e sim aplicação de soluções, desenvolvemos este projeto, AmaNatureza com objetivo de não apenas conscientizar pessoas a pensarem no meio ambiente em suas atitudes, mas também reunir assinaturas exatamente para demonstrar ao governo, autoridades e líderes mundiais a importância que muitas pessoas já perceberam sobre este grave problema e assim alerta-los a investir nas soluções de grande importância para reverter o quadro das mudanças climáticas.

Se você deseja apoiar este projeto, clique aqui.

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.