Carros de passeio deverão sair das montadoras com selo ambiental, informa Minc

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Carros de passeio deverão sair das montadoras com selo ambiental, informa Minc

Juliana Maya
Repórter da Rádio Nacional da Amazônia

Os carros de passeio deverão sair das montadoras com selo ambiental. A medida foi anunciada hoje (16) pelo ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, em audiência pública na Câmara dos Deputados, e passa a valer a partir de outubro.

Segundo o ministro, com o selo o consumidor saberá o quão poluente é o automóvel antes de comprá-lo, da mesma maneira que compra uma geladeira consciente do respectivo consumo de energia.

O lançamento do selo ambiental acontecerá em São Paulo, no Salão do Automóvel, informou Minc.

O ministro anunciou para amanhã (17) a assinatura de duas portarias para acelerar a liberação das licenças ambientais, um processo que ele considera muito lento. A medida foi chamada por Minc de ‘destrava Ibama [Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis].

Carlos Minc disse que para combater o desmatamento governo irá dobrar a oferta da madeira certificada, e que para cada nova hidrelétrica, vai haver um parque nacional de preservação.

Para viabilizar todas as medidas para preservar o meio ambiente, Minc disse que serão criados dois fundos no dia 1º de agosto: o Fundo Amazônia e o Fundo Clima.

O Fundo Amazônia será formado com cerca de US$ 900 milhões em doações, o equivalente a R$ 1,44 bilhão. Desse total, US$ 100 milhões serão doados pela Noruega, em setembro.

Já o Fundo Clima, será formado por 10% das participações nos lucros da extração do petróleo no país para o pagamento de serviços ambientais e para o apoio a atividades sustentáveis. Hoje, essa porcentagem, que equivale a R$ 600 milhões, é destinada apenas a solucionar problemas ligados ao derramamento de petróleo.

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.