Cetesb aponta 100 maiores empresas emissoras de gás carbônico em São Paulo

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Cetesb aponta 100 maiores empresas emissoras de gás carbônico em São Paulo

Flávia Albuquerque
Repórter da Agência Brasil

Oito empresas do setor de aço, ferro, gusa, minerais não-metálicos, químico e petroquímico são as líderes na emissão de gás carbônico (CO2) no estado de São Paulo, com 63% do total de emissões, o correspondente a mais de 18 milhões de toneladas por ano, de acordo com dados do Relatório do Inventário Estadual de Fontes Fixas Emissões de CO2 – Fontes Industriais – Combustíveis Fósseis, divulgado quinta-feira (24) pela Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb), da secretaria estadual de Meio Ambiente.

A lista classifica 100 indústrias como as principais responsáveis pelas emissões. Para a elaboração do inventário foram escolhidas 371 empresas que indicavam maior potencial emissor, das quais 329 disponibilizaram as informações. Segundo a Cetesb, para elaborar a pesquisa foram considerados o consumo de combustível fóssil e a produção industrial nas estimativas de emissão de cada indústria.

As empresas que lideram a lista são: Companhia Siderúrgica Paulista (Cosipa), em Cubatão, Petrobras, em Paulínia, Petrobras, em São José dos Campos, Petrobras, em Cubatão, Petroquímica União S/A, em Santo André, Companhia Brasileira de Alumínio, em Alumínio, Votorantim Cimentos do Brasil S/A, em Saltos de Pirapora, Rhodia Poliamida e Especialidades LTDA., em Paulínia.

Segundo o idealizador do estudo, o ex-secretário estadual do Meio Ambiente José Goldemberg, a identificação dos emissores de CO2 incentiva a adoção de metas de redução desses índices, sem punir as indústrias. “Fazer esse inventário traz São Paulo para a mesma posição que a Califórnia tem nos Estados Unidos. Qualquer redução que possa ser feita no estado já coloca o país à frente da agenda ambiental internacional.”

De acordo com a pesquisa, as emissões provenientes das 100 primeiras indústrias com potencial de geração de CO2 respondem por 98,1% da emissão potencial total do estado. Quando se refere à emissão resultante do processo produtivo o número é de 99,7%. Quando a emissão é gerada pelo consumo de combustível o resultado é de 97%.

Segundo dados do relatório da Cetesb, a próxima etapa é concluir o inventário de outros setores que também emitem gás carbônico, como transporte, energia e comércio. Além disso, o relatório diz que serão levantadas as emissões provenientes do uso de combustíveis renováveis e as decorrentes da produção agrícola associada à produção da biomassa utilizada pelos setores pesquisados.

“Dados preliminares indicam que 77% das emissões de CO2 geradas pela queima de combustíveis nos setores pesquisados está associada ao uso da biomassa, o que representa a não-emissão de cerca de 50 milhões de toneladas por ano pela simples substituição por combustíveis fósseis”, diz o inventário.

A Petrobras informou por meio da assessoria de imprensa que suas refinarias cumprem rigorosamente a legislação dos estados onde estão instaladas. Disse ainda que a cada ano aumenta o investimento na redução de emissões. “O planejamento estratégico prevê, até 2012, US$ 8,5 bilhões para a melhoria da qualidade dos combustíveis”, afirma a nota enviada pela empresa.

A Rhodia, também por meio da assessoria de imprensa, afirmou que as emissões em Paulínia referem-se a um complexo industrial composto por 31 unidades de fabricação de vários produtos da própria empresa e de outras instaladas no local. Segundo as informações a Rhodia investiu US$ 12 milhões em projetos de redução de emissões. A empresa reforçou que mantém no local dois projetos para redução de gases causadores do efeito estufa e que um deles é o maior em funcionamento no país.

As outras empresas que estão entre as oito primeiras foram procuradas mas não responderam à Agência Brasil.

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio Machado

Biólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.

Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

  1. tamara
    tamaraset 15, 2008

    fontes emissoras

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.