Cientistas brasileiros trazem gelo da Antártica para estudar mudanças climáticas

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Cientistas brasileiros trazem gelo da Antártica para estudar mudanças climáticas

Luana Lourenço
Repórter da Agência Brasil

Depois de 16 dias no continente antártico, com temperaturas de até 40 graus negativos, o grupo de sete cientistas brasileiros e um chileno da expedição Deserto de Cristal, que desembarcou hoje (7) no Brasil, trouxe na bagagem muito gelo para pesquisa. O material será analisado no único laboratório de glaciologia do país, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

“No interior do gelo está o material que nos interessa: são pequenos glóbulos de ar retidos durante centenas de anos. Com esse material é possível fazer comparação entre atmosfera passada e atmosfera presente, ver a diferença entre a concentração de gás carbônico, a temperatura da terra”, explicou a coordenadora para Mar e Antártica do Ministério da Ciência e Tecnologia, Maria Cordélia Machado.

De acordo com a coordenadora, essa foi a primeira vez que pesquisadores brasileiros avançaram continente adentro. “Ele ficaram muito próximos do Pólo Sul”, relata. As amostras de gelo foram coletadas a 45 e a 95 metros de profundidade no Monte Johns, a mais de mil quilômetros da Estação Antártica Comandante Ferraz, base brasileira no continente.

Segundo Maria Cordélia, as pesquisas com gelo são fundamentais para o estudo das mudanças climáticas, por fornecer comparações numéricas da concentração de gás carbônico, um dos chamados gases de efeito estufa, que, intensificado, provoca o aquecimento global.

“É fundamental saber que quantidade de gás carbônico existia em 1700, depois comparar com a concentração do gás na época da Revolução Industrial e com a nossa época para traçar estratégias para o futuro do planeta”, avaliou.

Além dos estudos climáticos, a Antártica é cenário para pesquisas sobre radiação solar, raios ultravioleta e camada de ozônio. “Outro exemplo é o estudo do não-congelamento do sangue de peixes antárticos, para, com base nisso, desenvolver pesquisas para a saúde humana”, acrescentou a coordenadora do MCT.

A expedição Deserto de Cristal ainda não tem novas viagens programadas ao interior do continente. A partir dos resultados obtidos com as amostras coletadas, o grupo definirá as próximas etapas e a necessidade de novas coletas.

Já a Estação Antártica Comandante Ferraz funciona durante todo o ano, com pesquisas dedicadas principalmente ao estudo da biodiversidade do chamado continente gelado. “O Brasil agora tem dois navios antárticos, vai poder trabalhar muito bem toda a baía, o entorno, com pesquisas oceanográficas, sobre a biodiversidade”, destacou a coordenadora.

Agência Brasil

Sobre

- Redação AMAEsta notícia foi selecionada pela redação do site AMAnatureza e disponibilizada aos leitores do projeto citando a fonte e créditos autorias de acordo com os direitos de divulgação estabelecidos pela instituição responsável.Ver todas as publicações de - Redação AMA »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.