Conscientização melhora, mas desperdício de água ainda é grande

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Conscientização melhora, mas desperdício de água ainda é grande

Pesquisa revela que 87% dos brasileiros não desperdiçam água quando escovam os dentes

Ana Luiza Zenker
Repórter da Agência Brasil

De acordo com pesquisa divulgada quinta-feira (5) pela organização não-governamental WWF Brasil, realizada em parceria com o Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope), 87% dos brasileiros deixam a torneira da pia fechada enquanto escovam os dentes, abrindo somente para molhar a escova e enxaguar a boca.

Das 2.002 pessoas entrevistadas pelos pesquisadores, 43% afirmaram que não gastam mais do que dez minutos para tomar banho, enquanto 13% disseram que levam pelo menos 20 minutos. Os jovens são os que mais gastam tempo tomando banho. Entre as pessoas de 16 a 24 anos, 21% levam mais do que 20 minutos. “Quanto mais idosa é a pessoa, menos tempo ela gasta no banho”, diz o coordenador do Programa de Educação Ambiental do WWF Brasil, Irineu Tamaio.

“A gente acredita que tem que investir em processos de formação, de educação junto a esses jovens, eles teriam que mudar os seus hábitos e as suas posturas”, complementa.

“Se você fala 20 minutos e considera que para cada minuto você gasta pelo menos três litros de água, tem uma média de três a seis litros, você multiplica pela população, principalmente nas Regiões Sul e Sudeste, que têm grande concentração populacional, [diminuindo o tempo de banho] a economia seria o equivalente para abastecer uma população de quase dois milhões de habitantes, o que demonstra que essas ações individuais, quando colocadas em escala, têm impacto muito grande”, ressalta Samuel Barrêto, coordenador do Programa Água para a Vida, do WWF Brasil.

Ainda segundo os dados da pesquisa, 42% dos brasileiros não têm carro, utilizam transporte público, mas, sempre que possível, preferem se locomover a pé ou em bicicleta. Outros 26% também não têm carro e utilizam sempre o transporte coletivo. No entanto, o percentual das pessoas que andam somente de carro e quase sempre sozinhas anida é alto: 13%. Além disso, 87% das pessoas entrevistadas nunca andaram de avião.

Os brasileiros também não costumam morar sozinhos. Mais da metade dos 2.002 entrevistados, 55%, afirmaram que dividem a moradia com quatro pessoas ou mais.

A pesquisa teve como objetivo analisar os hábitos de consumo dos brasileiros e medir a “pegada ecológica”, ou seja, qual o impacto que esses hábitos têm sobre o meio ambiente e qual a área necessária para gerar os produtos e serviços necessários para manter esse estilo de vida.

 

Água desperdiçada nas capitais daria para abastecer 38 milhões de pessoas, diz ONG

Da Agência Brasil

Em várias cidades do Brasil, os mananciais apresentam problemas de poluição e de desperdício de água nas redes de distribuição. A observação é da coordenadora do Instituto Socioambiental (ISA), Marússia Whately.

No final do ano passado, o instituto constatou por meio de uma pesquisa que o desperdício de água diário de todas as capitais brasileiras, juntas, seria suficiente para abastecer uma população de 38 milhões de pessoas, por dia. “É praticamente a população da Argentina inteira. Ou seja, a gente perde por dia, antes de chegar à casa dos consumidores, uma quantidade de água muito grande”, disse Marússia Whately, em entrevista ao programa Revista Brasil, da Rádio Nacional.

Ela ressaltou que, embora o Brasil seja um dos países com maior quantidade de água – cerca de 12% de água potável -, a distribuição no território nacional não é adequada. “Tem locais que têm muita gente e pouca água, é o caso de São Paulo, por exemplo.”

De acordo com a coordenadora do ISA, a capital paulista é uma das cidades brasileiras que já vivem chamado “estresse hídrico”. “Nós já temos uma produção de água muito próxima do que se precisa tirar dos mananciais para consumo. Mas, apesar disso, nós temos uma perda de água muito grande”, disse, ao destacar que em São Paulo, por exemplo, o desperdício chega a 30%. Esse volume daria para abastecer mais de 4 milhões de pessoas.

No ano passado, o ISA lançou a campanha “De Olho nos Mananciais“, que trabalha pela preservação das fontes de água que abastecem as grandes cidades.

Marússia Whately alertou que tanto a população como as concessionárias de serviços públicos têm um papel fundamental na conservação de água.

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.