Cúpula do G8 no Japão

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Cúpula do G8 no Japão

Lula defende biocombustíveis, mas tema fica de fora de documento final da cúpula do G8

Mylena Fiori
Enviada especial

Após duas horas de discussões sobre segurança energética e mudanças climáticas no exclusivo Windsor Hotel, em Toyako, os líderes das maiores economias desenvolvidas e em desenvolvimento não anunciaram nada de novo.

Divulgaram uma declaração conjunta morna, reafirmando seu compromisso com o combate às mudanças climáticas a partir do princípio das responsabilidades comuns, mas diferenciadas.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a defender a produção de biocombustíveis como alternativa para reduzir a dependência mundial dos poluentes combustíveis fósseis. O tema, porém, não constou do documento final da reunião de chefes de Estado e de Governo. Os mandatários se propõem a incentivar o uso de energias renováveis e limpas, mas citam nominalmente apenas a energia nuclear.

Além do Brasil, o encontro reuniu Austrália, Canadá, China, União Européia, França, Alemanha, Índia, Indonésia, Itália, Japão, República da Coréia, México, Rússia, África do Sul, Reino Unido e Estados Unidos. Os anfitriões japoneses haviam prometido avanços nas negociações de metas para o regime de emissões pós-2012 mas, como esperado, isso não aconteceu.

Os chefes de Estado e de governo apenas se comprometeram a trabalhar no tema de forma a concluir o regime pós-Quioto até dezembro de 2009.

“Seria desejável para as partes adotar nas negociações da Convenção [Convenção Quadro das Nações Unidas Sobre Mudanças do Clima] uma meta de longo prazo para redução de emissões, levando em conta o princípio da eqüidade”, diz o texto, sem mencionar percentuais.

“Nossa capacidade para alcançar uma meta de longo prazo dependerá de tecnologias novas, acessíveis e mais avançadas, infra-estrutura e práticas que transformam o modo como vivemos, produzimos e usamos energia, e manejamos a terra”, admitem os líderes das grandes economias.

 

WWF: G8 precisa dar sinal claro de que vai reduzir emissões de gases do efeito estufa

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.