Diminui no país o número de imóveis com risco de surto de dengue

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Diminui no país o número de imóveis com risco de surto de dengue

Sabrina Craide
Repórter da Agência Brasil

O percentual de grupos de imóveis com risco de surto de dengue no país caiu de 17% para 9,9% do ano passado para cá.

É o que mostra o Levantamento de Índice Rápido de Infestação pelo Aedes aegypti (Liraa), realizado pelo Ministério da Saúde em parceria com secretarias estaduais de saúde.

A pesquisa, feita entre a última semana de outubro e a primeira de novembro deste ano, mostra que o número de pessoas vivendo em regiões com risco de surto de dengue caiu de 10,4 milhões para 3,8 milhões, na comparação ao mesmo período de 2006.

Segundo o secretário nacional de Vigilância em Saúde, Gerson Penna, a queda se deve a medidas adotadas pelo governo para alertar a população em relação aos perigos da dengue.

Mesmo assim, ele diz que o trabalho para combater a doença deve continuar. “Precisamos pensar na dengue o tempo todo, porque a situação pode mudar. Mudou o clima, teve mais chuva, acumulou mais água, o retrato pode mudar”.

O município com maior índice de infestação predial foi Mossoró (RN), com 5,6%. Esse índice, que é calculado pelo número de casas que apresentam larvas da dengue, é considerado satisfatório quando é inferior a 1%.

Os percentuais entre 1% e 3,9% mostram uma situação de alerta e, quando a infestação é superior a 3,9%, há risco de surto de dengue.

O Liraa é feito da seguinte forma: a cada grupo de 9 ou 12 mil imóveis são sorteados 450, que são visitados pelos agentes de saúde. Lá, eles verificam as larvas existentes em cada casa e assim determinam o índice de infestação predial, que mostra o risco de surto da dengue.

Nas regiões Norte e Nordeste, as larvas foram encontradas principalmente em caixas d’água, tambores e tonéis. Nas outras regiões, em depósitos domiciliares, como vasos de plantas, bromélias, ralos e piscinas.

Penna alertou que a população também precisa colaborar para eliminar a doença. Segundo ele, a função do governo é tratar dos espaços públicos, enquanto a população tem a responsabilidade de cuidar de suas casas e dos ambientes de trabalho.

“Não é possível que, a cada 20 ligações que o dique-dengue receba, 12 sejam de pessoas pedindo para que um agente comunitário vá lá colocar areia no vaso de planta”.

Penna disse, ainda, que não está descartado o risco de o Brasil ter uma epidemia de dengue do tipo 4, que não existe no país, mas foi localizado em países de fronteira, como a Venezuela.

Segundo ele, o caminho não é barrar a entrada de pessoas de outros países. “As pessoas têm direito de ir e vir, o que leva a doença de um lugar para o outro”, disse, lembrando que o Brasil tem uma grande relação turística com a Venezuela.

“Tem que torcer e nos preparar para não entrar o dengue 4. Se entrar, todas as medidas que estão sendo tomadas para dengue 1, 2 e 3 vão ser impulsionadas para que tenhamos o menor dano possível à população”.

Segundo o Ministério da Saúde, de janeiro a setembro deste ano, foram registrados no país 481.316 casos de dengue clássica e 1.076 de dengue hemorrágica. 121 pessoas morreram por causa da doença.

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.