Empresas brasileiras poderão medir emissão de gases de efeito estufa

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Empresas brasileiras poderão medir emissão de gases de efeito estufa

Luana Lourenço
Repórter da Agência Brasil

Uma ferramenta lançada oficialmente ontem (12) por representantes do governo e da iniciativa privada pretende aperfeiçoar a contabilidade das emissões de gases de efeito estufa por empresas, além de medir mais precisamente a contribuição do setor para a emissão de gases, como o dióxido de carbono (CO2), considerado um dos causadores do aquecimento global.

O Programa Brasileiro de Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa vai adotar a metodologia do Protocolo GHG, usada como referência para o mercado de carbono europeu, por exemplo. O objetivo, segundo os gestores da ferramenta, é calcular e inventariar as emissões de gases estufa produzidas pelas empresas para subsidiar medidas de mitigação.

“Na prática, há uma tabela e é necessário preencher uma série de dados a partir da medição de um número grande de indicadores de gases. É uma metodologia relativamente simples e que fornece, ao final, quantas toneladas de gás de aquecimento global a empresa está lançando na atmosfera. E isso já começa a indicar o que é possível fazer para evitar essas emissões”, detalha o presidente executivo do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável, Fernando Almeida, que apresentará a ferramenta a grupos de empresários brasileiros nos próximos dias. Empresas como a Petrobras, o Grupo Votorantim e as siderúrgicas Arcelor e Alcoa já utilizam a metodologia. De acordo com o gerente de Desempenho em Segurança e Meio Ambiente da Petrobras, Luis Stano, a estatal investiu cerca de US$ 6 milhões para implementar a ferramenta.

“As empresas só conseguem gerenciar as emissões que são medidas. Quando você cria um inventário de emissões é possível conhecer os pontos onde existem as melhores oportunidades de investimentos para contribuir para mitigar o problema da mudança climática global”, afirma Stano.

Na avaliação da ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, a iniciativa “responde a uma equação muito importante, que é o comprometimento das empresas em reduzir emissões” e deveria ser replicada para gerenciar emissões de outros setores, como o agropecuário.

“A iniciativa do protocolo é oportuna e mostra que não se pode ficar esperando o plano e a política [Nacional sobre Mudança do Clima] saírem para começar a agir. A humanidade está vivendo o grande desafio de ‘descarbonizar’ as grandes economias. Não podemos permitir a carbonização das emergentes, como Brasil e México, por exemplo.”

Os mecanismos do protocolo de inventário corporativo poderão ser utilizados por outros emissores de gases de efeito estufa, inclusive a agropecuária e o setor público, informou o diretor do Departamento de Mudanças Climáticas da Secretaria de Qualidade Ambiental do Ministério do Meio Ambiente, Ruy de Góes.

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.