Etanol da mandioca

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Etanol da mandioca

Norte e Nordeste serão os mais beneficiados pelo etanol da mandioca, dizem especialistas

Pedro Peduzzi
Repórter da Agência Brasil

As Regiões Norte e Nordeste reúnem condições para ser as mais beneficiadas pelo uso da mandioca na produção de biocombustíveis. Dificuldades como a de transportar o produto por longas distâncias e a possibilidade de o etanol ser produzido em mini, pequenas e médias usinas podem contribuir para o desenvolvimento econômico e social dessas localidades.

“Devido à grande concentração de água [cerca de 70%], a mandioca não pode ser transportada por longas distâncias”, explica. “Para transportar a raiz por percursos maiores, de até 600 quilômetros, é necessário secá-la ao sol, de forma a adquirir um aspecto de chips. Isso pode ser mais bem organizado a partir de minicooperativas ou associações, o que traz, também, benefícios sociais para as comunidades envolvidas”, argumenta o vice-presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Amido de Mandioca (Abam), Antônio Donizetti Fadel. “Nessas regiões, o social hoje pode resultar no econômico do futuro”, completa.

“A mandioca pode ser cultivada por mini, pequenos, médios e grandes produtores. Por isso é de grande utilidade para atender a demandas locais. Já a cana só é viável quando a produção é de grande porte”, avalia o técnico agro-florestal da Secretaria de Desenvolvimento Agro-Florestal do Acre, Diones Assis Salla. Ele explica que, devido à grande distância entre as comunidades da região Norte e as usinas de cana, o álcool nessas regiões costuma ser mais caro do que no restante do país.

Segundo o diretor do Centro de Raízes e Amidos Tropicais (Cerat), Cláudio Cabello, por a extração de etanol a partir da mandioca poder ser feita em usinas de pequeno porte, para uso local, o ideal para as comunidades mais afastadas é a adoção de pequenas unidades-piloto.

“A divulgação desse tipo de tecnologia faz parte das iniciativas do Cerat. Para tanto estamos instalando no câmpus de Lageado, da Universidade Estadual Paulista, em Botucatú, uma unidade que produzirá 5,3 metros cúbicos de etanol por dia”, informa Cláudio Cabello.

No passado, a produção de etanol a partir da cana tinha que ser de, no mínimo, 120 metros cúbicos de álcool, por dia, para valer a pena. Segundo Cláudo Cabello, com a necessidade cada vez maior de tornar as empresas competitivas no mercado, esse valor subiu para uma produção diária de 240 metros cúbicos.

 

Estudo para o uso da mandioca açucarada na produção de biocombustíveis deve sair em julho

Pedro Peduzzi
Repórter da Agência Brasil

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) vem realizando pesquisas sobre a viabilidade da produção de etanol a partir de uma espécie diferenciada de mandioca, descoberta no interior do Pará: a mandioca açucarada. O estudo deve terminar em julho.

Segundo a pesquisadora da Embrapa Agroenergia, Sílvia Belém, ao contrário dos outros tipos de mandioca, esta possui glicose em sua fórmula, ao invés de amido. Isso torna disnecessário o processo de sacarificação da mandioca, no qual o amido é transformado em açúcar.

“O diferencial do nosso estudo está justamente no tipo de mandioca, bastante comum na região. A mandioca açucarada é uma variedade que tem sua raiz constituída basicamente de glicose e água, diferentemente da tradicional, formada de amido”, explica.

O fato de ela apresentar um teor elevado de açúcar facilita o processo de produção de etanol. “Isso facilita na etapa de fermentação, uma vez que não é necessário o processo de hidrólise, que se faz necessário na produção de etanol a partir de mandioca tradicional, de amido”, disse.

O estudo desenvolvido por ela ainda está no início e deve terminar no meio do ano. “É prematuro falar em conclusão. Contudo, a pesquisa começou porque, tendo por base o elevado teor de açúcar na raiz da planta, viu-se a possibilidade da produção de etanol a partir dela”.

A planta, segundo a pesquisadora, tem um sabor bstante adocicado. “É similar ao de uma fruta, até por ela ter grande quantidade de água em sua constituição. A aparência se assemelha a um abacaxi, inclusive em tonalidade”, informa a pesquisadora.

Silvia explica que o processo de obtenção do etanol a partir desta espécie de mandioca é similar ao da cana, uma vez que as duas matérias-primas são formadas basicamente de açúcar e água. “Já em comparação à mandioca tradicional, o processo a partir mandioca açucarada é mais simples, portanto menos oneroso”, diz.

“A princípio, se for observado a viabilidade desta tecnologia, as principais beneficiadas serão as pessoas que estão em regiões onde não é possível a produção de etanol a partir de cana-de-açúcar, principalmente na região Norte do país, uma vez que esta espécie é nativa de lá”, explica.

Segundo a pesquisadora, já há estudos agronômicos na própria Embrapa, para a adaptação da espécie a outras regiões. “Mas se for observada a viabilidade desta tecnologia para uma difusão em outras regiões, seria necessário primeiramente estudos de adaptação da espécie”.

 

Lucro energético da mandioca é maior do que os do milho e da cana, afirma pesquisador

Pedro Peduzzi
Repórter da Agência Brasil

Transformar cana, milho ou mandioca em biocombustível é um processo que consome energia. Quantificar a energia gasta para essa produção, e compará-la à energia obtida a partir do etanol, foi o propósito de um estudo realizado pelo técnico agro-florestal da Secretaria de Desenvolvimento Agro-Florestal do Acre, Diones Assis Salla. O pesquisador chegou à conclusão de que, entre os três produtos pesquisados, a mandioca é o que proporciona “maior lucro energético”.

“Meu objetivo foi medir o quanto se gasta de energia ao longo de todo o processo produtivo de etanol desses três produtos, desde o início do processo, ainda na terra, até a industrialização. Depois, nós comparamos esses números com a energia obtida a partir do biocombustível”, explica Diones.

Segundo a pesquisa, para cada caloria de energia investida com a mandioca há um retorno de 1,67 caloria de energia em etanol. “São 67% de lucratividade energética com a mandioca, contra 9% da cana e 19% do milho”, argumentou. “Portanto a mandioca é, entre os três produtos, o que causa menor impacto no agroecossistema de cultivo”, conclui. O estudo desconsiderou a utilização do bagaço da cana como fonte de energia.

 

Produção da mandioca gera 10 milhões de empregos diretos e indiretos

Pedro Peduzzi
Repórter da Agência Brasil

Antes mesmo de ser usada como matéria-prima para a produção de biocombustível a mandioca já é uma das culturas que mais empregam no Brasil. É o que afirma o vice-presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Amido de Mandioca (Abam), Antônio Donizetti Fadel.

“Atualmente a produção de mandioca é responsável por gerar, direta e indiretamente, cerca de 10 milhões de empregos. A maior parte – cerca de 50% – trabalha com a produção de farinha”, argumenta Fadel. “É, sem dúvida, um tipo de cultura que tende a fixar o homem no campo”, completa.

A produção de mandioca no Brasil é de cerca de 26 milhões de toneladas por ano, segundo a Abam. Quase a metade vira farinha, 40% é usado para consumo de mesa e ração animal, e 9,5% transformada em amido, principalmente na Região Sul.

“Apesar de o Brasil ainda não produzir nada de biocombustível, nós já dominamos as técnicas necessárias para começar esse tipo de atividade. O que precisamos é avançar com as pesquisas que buscam aumentar a produtividade, de forma a termos melhores condições de competitividade”, defende o dirigente da Abam.

 

Usinas de cana podem ser adaptadas para produzir etanol a partir da mandioca

Pedro Peduzzi
Repórter da Agência Brasil

A obtenção de biocombustível a partir da mandioca pode ser feita também pelas usinas de cana-de-açúcar, devido às similaridades entre os processos de fermentação e de destilação dos dois produtos. A informação é do vice-presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Amido de Mandioca (Abam), Antônio Donizetti Fadel.

“O processo de fermentação e destilação da mandioca é igual ao da cana. A diferença está na etapa de moagem e no processo de sacarificação, que transforma o amido em açúcar”, explica Fadel.

Segundo ele, há a possibilidade de se postergar a colheita da raiz pode tornar o produto mais atraente para os usineiros durante as entre-safras da cana.

“A mandioca permite uma maior liberdade para a definição da época de colheita, que pode chegar a até 30 meses após o plantio. A vantagem é que enquanto ela não é colhida continua crescendo. E, com ela, os lucros”, disse.

Fadel explica que com 12 meses a produtividade da mandioca é, em média, de 25 toneladas por hectare. “Mas, com 24 meses é possível chegarmos a 40 toneladas por hectare”, garante.

Agência Brasil

Sobre

- Redação AMAEsta notícia foi selecionada pela redação do site AMAnatureza e disponibilizada aos leitores do projeto citando a fonte e créditos autorias de acordo com os direitos de divulgação estabelecidos pela instituição responsável.Ver todas as publicações de - Redação AMA »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.