Evaporação mais intensa do que chuvas

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Evaporação mais intensa do que chuvas

Rio AmareloUma importante pesquisa divulgada pela agência “Xinhua” informa que as alterações no clima e a diminuição dos pântanos são a principal causa da redução do volume de água dos principais rios na China, como o rio Amarelo e o Yang Tse.

O estudo foi realizado por cientistas do Instituto de Riscos de Montanha e Meio Ambiente da Academia Chinesa de Ciências Sociais, analisando as mudanças ocorridas nas últimas quatro décadas em pântanos do planalto Qinghai-Tibete, no oeste da China, e onde nascem os dois rios.

Baseando-se em fotos aéreas e informações colhidas por satélite, os especialistas chegaram a conclusão que os pântanos do planalto tiveram uma diminuição de 10% no período verificado, sendo os mais afetados aqueles onde nasce o Yang Tse, o rio de maior extensão da China e quarto maior do mundo, que apresentaram uma redução de 29%. E ainda 17,5% dos pequenos lagos na nascente desse rio, secaram.

PântanoPara Wang Xugen, pesquisador do instituto, os pântanos desempenham um papel-chave em reter a água e ajustar o volume do nível dos rios. Segundo a WWF, apesar de as chuvas terem aumentado no planalto de 260 milímetros na década de 90 para os atuais 323 mm, ocorreu redução dos pântanos porque eles não têm relação com a intensidade das chuvas, já que a evaporação se produz de forma mais rápida devido ao aquecimento global, explicou Li Shijie, cientista do Instituto de Geografia e Limnologia de Nanquim.

Isso é um importante dado, pois se a evaporação é mais intensa e rápida do que as chuvas, amplia-se a probabilidade de secas, agravando setores econômicos por afetar seriamente a agricultura, tornando solos inférteis devido a intensificação da seca e a própria produtividade dos rios que por ter uma diminuição em seu volume, afeta a vida aquática, provocando a redução de algumas espécies, principalmente devido a migração pelo ambiente aquático de melhor qualidade. Entenda mais sobre isso no artigo: Alguns graus a mais são o suficiente para provocar uma reação em cadeia

Outro estudo da WWF indica que o aquecimento global provocou a redução das geleiras, o degelo das calotas polares e a perda de pradarias e rios no Tibete. No ano passado, o planalto tibetano tinha 36 mil geleiras em uma área de 50 mil quilômetros quadrados, nos quais nasciam os principais rios do Sudeste Asiático. Nos últimos 100 anos, a área teve redução de 30%.

Mais informações: O que o aquecimento global pode provocar no Brasil e no mundo

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.