Gestão compartilhada do Aqüífero Guarani

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Gestão compartilhada do Aqüífero Guarani

Fórum de águas define posição dos países americanos sobre recursos hídricos

Lúcia Nórcio
Enviada especial

Termina hoje (25) em Foz do Iguaçu (PR) o Fórum de Águas das Américas e o 5º Encontro Cultivando Água Boa , que  reuniu, nos últimos dois dias, cerca de  200  autoridades dos  37 países das Américas.  O número de inscritos no Encontro Cultivando Água Boa bateu todos os recordes anteriores, com cerca de 5.600 pessoas provenientes dos 29 municípios da Bacia do Paraná 3.

O Fórum de Águas das Américas elaborou documento, que será divulgado hoje, definindo o posicionamento dos países americanos em relação aos recursos hídricos do continente. O documento será levado ao Fórum Mundial, marcado para março de 2009 em Istambul, na Turquia.

O fórum foi organizado pelo  Conselho Mundial das Águas , um organismo internacional fundado em 1996, com sede em Marselha, no sul da França, que agrupa mais de 300 organizações voltadas para o uso racional da água.

Para o presidente do Conselho Mundial das Águas, Loïc Fauchon, a grande contribuição das autoridades que participaram  do Fórum de Águas das Américas será  propor soluções para a questão do financiamento da gestão das águas.  De acordo com ele, em muitos países do continente americano não há infra-estrutura para prover uma boa gestão.

“Devem  ser encontrados meios de arrecadação de recursos para financiar os planos de infra-estrutura”  afirmou. Para Fauchon, gestão  das águas deve ser compartilhada entre as diferentes esferas de governo, conciliando as questões políticas e técnicas. “Nós temos a responsabilidade de colocar em prática o conhecimento de cada país e região. O conselho necessita da contribuição de vocês”,  apelou aos participantes.

 

Especialista cobra de países da América do Sul gestão compartilhada do Aqüífero Guarani

Lúcia Nórcio
Repórter da Agência Brasil

Representantes do Paraguai, Brasil, Uruguai e Argentina decidem hoje (25), em Foz do Iguaçu, os próximos passos para a gestão compartilhada do Aqüífero Guarani. As atividades do projeto, criado em 2003, terminam em janeiro de 2009. O assunto está em debate no Fórum de Águas das Américas, que se encerra hoje na cidade.

Segundo o coordenador do Programa do Aqüífero Guarani (PAG), Luiz Amore, os resultados dos estudos indicam a necessidade da gestão compartilhada do manancial. O Aqüífero Guarani é um reservatório de água subterrânea, um conjunto de rochas arenosas e porosas. Esses materiais depositaram-se neste lugar entre aproximadamente 245 e 144 milhões de anos.

O aqüífero é transfronteiriço, pois está localizado por baixo do território de quatro países sul-americanos: na Argentina, a extensão é de 225,5 mil quilômetros, no Brasil, de 840 mil, no Paraguai de 71, 7 mil e no Uruguai 58,5 mil quilômetros. O que totaliza 1,2 milhão de quilômetros ao sudeste da América do Sul.

De acordo com o especialista, além do sistema de informação e do monitoramento, o PAG criou modelos matemáticos que permitem prever o comportamento do aqüífero em situações como exploração mais intensa, suscetibilidade à contaminação em áreas próximas da superfície ou uso para o turismo termal.

Ao todo, foram desenvolvidos quatro projetos-pilotos nas cidades de Concórdia (Argentina) e Salto (Uruguai) – para águas termais; Ytapua, no Paraguai – sobre o impacto da agricultura no aqüífero; Ribeirão Preto (SP), devido ao intenso uso da água do aqüífero para abastecimento público e industrial, Rivera (Uruguai) e Santana do Livramento (Brasil).

“Nessas duas cidades o aqüífero está em regiões de afloramentos e apresenta níveis da água bastante superficiais, o que o torna vulnerável a contaminação. Tal é o caso de Rivera, onde se fez necessário fechar os poços por apresentarem altos índices de nitratos. Em Livramento, apesar da cobertura de saneamento ser similar, não se registrou tal tipo de contaminação”, explicou.

Nesse sentido, o projeto mostrou que o aqüífero não é um mar de água doce, como chegou a ser difundido mas são como bolsões de água com diferentes características “ora águas quentes, ora acessíveis e vulneráveis, ora muito profundas e protegidas”.

Com a conclusão dos estudos, que envolveram US$ 26 milhões – US$ 13 milhões do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF) do Banco Mundial e US$ 13 milhões de contrapartida dos países – a responsabilidade agora, segundo o coordenador, é com as lideranças, técnicos, pesquisadores, autoridades e populações dos países envolvidos para que este conhecimento seja disseminado.

Amore disse que um dos benefícios do PAG foi colocar na agenda política dos países a questão das águas subterrâneas e do Aqüífero Guarani. Um ponto importante foi a legislação que autoriza o uso (outorga) e até a cobrança, que já ocorre em algumas regiões no Brasil, como nas bacias dos rios Paraíba do Sul e Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ).

Uma das propostas apresentadas no Fórum de Águas das Américas, que termina hoje em Foz do Iguaçu, foi a transformação do atual Conselho Superior do Projeto em Conselho de Cooperação para dar continuidade e estabelecer instâncias em cada país.

Agência Brasil

Sobre

- Redação AMA

Esta notícia foi selecionada pela redação do site AMAnatureza e disponibilizada aos leitores do projeto citando a fonte e créditos autorias de acordo com os direitos de divulgação estabelecidos pela instituição responsável.

Ver todas as publicações de - Redação AMA »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.