Governo do Amazonas apresenta plano de prevenção ao desmatamento

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Governo do Amazonas apresenta plano de prevenção ao desmatamento

Amanda Mota
Repórter da Agência Brasil

O governo do Amazonas apresentou ontem (5), em Manaus, o Plano Estadual de Prevenção e Combate ao Desmatamento. Criado para promover ações de preservação das áreas de floresta no estado, o plano foi divulgado durante a abertura da 1ª. Conferência Latino-Americana de Mudanças Climáticas e Serviços Ambientais e será encaminhado ao ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc.

Entre as ações propostas estão a valorização dos serviços ambientais florestais, a implementação de projetos de energias limpas e o fortalecimento da gestão ambiental. A intenção é que o plano possa contar com recursos do Fundo Amazônia, criado pelo governo federal no mês de agosto para investir na redução de desmatamento da Amazônia.

Nos últimos anos, a preservação da floresta tem recebido atenção do governo federal por ter relação direta com as mudanças climáticas. A redução emissões de carbono na região é uma das alternativas apontadas por ambientalistas para garantir o controle necessário às mudanças climáticas.

O especialista em florestas e clima da organização não-governamental WWF, Anthony Anderson, ressaltou que o governo federal tem uma grande missão no sentido de preservar as florestas. Segundo ele, de 15 a 25% das emissões de carbono são provenientes do desmatamento florestal.

“O carbono na atmosfera exerce uma função de efeito estufa. Diante disso, a conservação de florestas tropicais seria uma estratégia bastante interessante para podermos reduzir as emissões para a atmosfera. Isso ainda não foi aprovado internacionalmente, mas são excelentes as perspectivas para incluir essa possibilidade no novo tratado de clima, que será divulgado após 2012”, disse Anderson à Agência Brasil.

Para reverter o quadro da degradação florestal e os efeitos negativos das mudanças climáticas, avaliou Anderson, são necessárias diversas ações integradas dos governos federal, estadual e municipal em conjunta com a sociedade civil. Ele reconheceu a importância de programas nacionais para a diminuição do desmatamento nos últimos anos, mas destacou alternativas que ainda precisam ser emplacadas, como o comércio de créditos de carbono.

“Uma estratégia fundamental, nesse sentido, é valorizar a floresta em pé. Valorizar o carbono que a floresta contém, é uma forma de valorizar essa própria floresta. Países como a Noruega já estão prontos para pagar pelo serviço de armazenamento de carbono que a floresta faz”, assinalou Anderson.

Na avaliação do analista ambiental da Secretaria de Mudanças Climáticas do Ministério do Meio Ambiente, Adriano Oliveira, o crédito de carbono pode ser uma saída para a preservação da Amazônia e também para auxiliar a combater a mudança do clima no planeta. Para ele, contudo, a sociedade ainda não compreende o que podem representar as mudanças climáticas decorrentes do desmatamento florestal.

“O mecanismo de desenvolvimento limpo, que gera os créditos de carbono, é um instrumento que os países em desenvolvimento devem utilizar para ajudar os países desenvolvidos a atingirem suas metas de redução acordadas no protocolo de Kioto. Cada vez mais a sociedade tem que se envolver nos debates e fazer a coisa certa, tomando as medidas necessárias”, acrescentou Oliveira.

A estudante universitária do curso de Geografia da Unifersidade Federal do Amazonas, Juliana Alves, concorda com a opinião do representante do Ministério do Meio Ambiente. Para ela, a sociedade ainda não entende o que significam as mudanças climáticas. “Falta melhor divulgação desses assuntos e essa questão de mudanças climáticas, por exemplo, ainda precisam ser melhor compreendidas”, avaliou a universitária.

A 1ª. Conferência Latino-Americana de Mudanças Climáticas e Serviços Ambientais será realizada até amanhã (7) e é promovida pela Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do estado. De acordo com a secretária Nádia Ferreira, a conferência vai garantir a ampliação das discussões relacionadas ao tema e também viabilizar a criação do Fórum Amazonense de Mudanças Climáticas.

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.