Greenpeace pede mais investimentos na fiscalização de unidades de conservação

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Greenpeace pede mais investimentos na fiscalização de unidades de conservação

Clara Mousinho
Da Agência Brasil

GreanpeaceMilitantes da organização ambientalista Greenpeace fizeram um ato ontem (21) em frente ao Palácio do Planalto para pedir mais investimentos do governo na fiscalização de unidades de conservação, de modo a conter as mudanças climáticas.

Eles penduraram em balões de gás uma urna com cinzas recolhidas na unidade paraense da Floresta Nacional do Jamanxim para representar a poluição causada pelo desmatamento. A área foi invadida e queimada ilegalmente.

“Essa é nossa mensagem para o presidente. Não adianta só criar unidades de conservação, elas precisam ser implementadas e fiscalizadas. Se não, vai acontecer isso. Elas estão sendo destruídas por fazendeiros e grileiros”, disse o coordenador da Campanha da Amazônia do Greenpeace, Paulo Adário.

O consultor de Políticas Públicas do Greenpeace, João Alfredo Telles Melo, disse que o governo tem dado prioridade ao investimento na produção de biocombustíveis, mas não investe em políticas para evitar o desmatamento.

“Falta uma política pública do governo voltada para coibir o desmatamento e garantir as atividades sustentáveis na Amazônia. Se a gente tirasse a parte do desmatamento, o Brasil quase não teria contribuição na poluição mundial. No entanto, é o quarto maior justamente por causa do desmatamento.

Adário explicou que o Greenpeace e outras organizações não-governamentais (ongs) apresentaram uma proposta para acabar com o desmatamento no Brasil. “Ela prevê a redução a zero do desmatamento até 2015, se houver uma série de medidas instaladas”.

As ongs propõem o investimento de R$ 1 bilhão para aumentar a fiscalização, incentivar a produção sustentável dos pequenos agricultores e beneficiar fazendeiros que não desmatarem os 20% a que têm direito em propriedades privadas.

Ao final do ato, os militantes enviaram uma urna com as cinzas da reserva florestal para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O Brasil é o quarto maior poluidor do mundo. Cerca de 75% dos gases do efeito estufa do país são provenientes do desmatamento das florestas.

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.