Ilha que teria desaparecido no Rio não passava de um banco de areia, diz instituto

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Ilha que teria desaparecido no Rio não passava de um banco de areia, diz instituto

Flávia Villela
Repórter da Agência Brasil

A notícia do desaparecimento de uma ilha, na Lagoa da Tijuca, zona oeste do Rio, divulgada pela imprensa na última semana, não passou de um equívoco. A suposta ilha, de aproximadamente 20 mil metros quadrados, era na verdade um enorme banco de areia que obstruía a circulação da água, segundo o diretor de recuperação ambiental do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), Carlos Abenza. O desaparecimento da ilha foi divulgado pela imprensa na semana passada após a comparação de duas imagens aéreas da Lagoa da Tijuca, uma de 2004 e a outra de 2008.

“Na época, foi feita uma abertura de canal submerso para melhorar a troca hídrica e de nutrientes como também diminuir o problema da inundação,” explicou Carlos Abenza. “A própria natureza se encarregou de desfazer esse acúmulo de sedimentos, de lama e vegetação”.

Ele falou que assoreamentos como esse são comuns em rios e lagoas. Segundo Abenza, na Foz do Rio Paraíba, por exemplo, há bancos de areia com bem mais de 20 mil metros quadrados.

O diretor explicou que o projeto original de recuperação da lagoa, iniciado em 2003, previa a ligação do complexo lagunar ao mar pelo Canal de Sernambetiba, no Recreio dos Bandeirantes. No entanto, um estudo ambiental mostrou que a ligação da lagoa – que está poluída – com o mar acabaria contaminando um trecho de praia limpa e as obras foram interrompidas. Já existe uma ligação da Lagoa da Tijuca ao mar por meio do Canal da Joatinga.

O projeto foi refeito e prevê canais submersos, além do desassoreamento e da dragagem daqueles do sistema lagunar por meio de uma parceria com a iniciativa privada, sem ônus para o estado.

“O material dragado pode ser utilizado para aterro por empresas de construção”, disse o representante do Inea que explicou que o transporte dos resíduos retirados e sua destinação final são o que mais encarece o projeto.

Segundo o diretor do órgão, o Relatório Ambiental Simplificado (RAS) estará concluído em abril, quando será encaminhado para o licenciamento. “Estamos aguardando apenas o resultado das análises de sedimento, do material de fundo que deve ficar pronto no fim deste mês e a partir de maio podemos recomeçar as obras e buscar parcerias com a iniciativa privada.”

Agência Brasil

Sobre

- Redação AMAEsta notícia foi selecionada pela redação do site AMAnatureza e disponibilizada aos leitores do projeto citando a fonte e créditos autorias de acordo com os direitos de divulgação estabelecidos pela instituição responsável.Ver todas as publicações de - Redação AMA »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.