Impactos das mudanças climáticas para saúde humana

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Impactos das mudanças climáticas para saúde humana

OMS alerta sobre impactos das mudanças climáticas para saúde humana

Juliana Cézar Nunes e Morillo Carvalho
Repórteres da Agência Brasil

A Organização Mundial de Saúde (OMS) aproveitou o Dia Mundial da Saúde, comemorado hoje (7), para fazer um alerta sobre os impactos das mudanças climáticas na saúde humana.

De acordo com a organização, o aumento da temperatura do planeta colabora para a manutenção e ampliação de doenças tropicais e negligenciadas, como malária, cólera e tuberculose. Para enfrentar o agravamento das epidemias, governos e sociedade foram orientados a intensificar os investimentos em saúde pública, saneamento e defesa civil.

“As mudanças climáticas colocam em risco a saúde humana”, destacou a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, em comunicado divulgado pela organização. “O aquecimento do planeta será gradual, mas o efeito de tempestades, enchentes e secas é abrupto e imediato.”

Segundo a OMS, a onda de calor na Europa, em 2003, que matou cerca de 70 mil pessoas, é um exemplo de impacto negativo das mudanças climáticas. As epidemias de malária na África e de cólera, na Ásia, também são citadas no alerta da organização.

Para minimizar os efeitos dos desequilíbrios ambientais, a OMS aposta no apoio às iniciativas comunitárias e movimentos de mulheres, especialmente nos países em desenvolvimento com populações vulneráveis aos efeitos do aquecimento global.

A Organização das Nações Unidas (ONU) também demonstrou preocupação com o tema hoje. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, destacou, em comunicado oficial, que as mudanças climáticas comprometem a qualidade e disponibilidade de água e comida, elementos fundamentais para a nutrição e saúde humana.

Segundo Ban Ki-moon, os países mais pobres, que menos contribuem para o aquecimento global, serão os mais afetados pelos impactos desse fenômeno para a saúde pública.

 

Mudanças climáticas potencializam epidemia de dengue no Brasil, aponta Opas

Morillo Carvalho
Repórter da Agência Brasil

Os perigos das mudanças climáticas para a saúde humana foram destacados hoje (7), no Dia Mundial da Saúde, pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, a epidemia de dengue é apontada como um dos possíveis efeitos do aquecimento global.

A sanitarista e especialista em Saúde Pública da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), escritório regional da OMS, Mara Lúcia Carneiro Oliveira, afirma que o aumento da temperatura e da umidade, aliado ao desmatamento, favorece a proliferação do mosquito da dengue em áreas urbanas.

“O que precisa é mais integração: ampliar a vigilância sobre a qualidade da água, dar mais importância ao controle dos vetores, ter uma resposta mais rápida em situações de emergência, capacitar pessoal para reconhecer os fatores do meio ambiente que interferem na saúde e desenvolver essas ações intersetoriais”, diz a sanitarista.

Nesta semana, em Brasília, a Opas reunirá representantes de países da América do Sul e da América Central para o desenvolvimento de um plano de ação do setor saúde, tendo em foco o aquecimento global.

O secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Reinaldo Guimarães, reconhece que a dengue pode ser considerada um exemplo de como as mudanças climáticas colocam em risco a saúde pública.

“É sabido hoje, por exemplo, que a dengue, com o aumento da temperatura, regiões no sul dos Estados Unidos e Europa, estão se tornando zonas endêmicas porque o aumento da temperatura faz com que o mosquito possa proliferar naqueles ambientes”, afirma Guimarães.

No entanto, para ele, casos como o da tuberculose, que não guardariam nenhuma relação com as alterações do clima, mostram que não há uma única causa para que as doenças tropicais ou negligenciadas estejam no patamar preocupante que ocupam.

“O aquecimento global é um problema extremamente importante, mas não pode ser responsabilizado por tudo de mal que ocorre na face da Terra.”

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.