Índia inicia a criação de seu primeiro plano para conter mudanças climáticas

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Índia inicia a criação de seu primeiro plano para conter mudanças climáticas

Um dos países que está entre os maiores responsáveis pela emissão de gás carbônico, a Índia inicia a criação de seu primeiro plano nacional, decorrente da intensificação de pressões internacionais, para lidar com o aquecimento global, reduzindo as emissões de gases do efeito estufa.

Com o objetivo de definir um plano realista e claro antes de dezembro quando ocorrerá a importante reunião climática da Organização das Nações Unidas (ONU) em Bali, o novo Conselho da Mudança Climática realiza sua primeira sessão, mas não pretende estabelecer metas no plano para redução de emissões.

De acordo com o membro do Conselho e diretora do Centro para Ciência e o Meio Ambiente, de Nova Délhi, a Índia está no momento respondendo à urgência da situação em questão, afirmando ainda que como o país nunca havia declarado sua posição, já está na hora de expor todas as idéias que a Índia pretende realizar para se adaptar as mudanças climáticas e frear o aquecimento global.

A Índia que teve um crescimento econômico entre 8 e 9% nos últimos anos, contribui atualmente com cerca de 4% das emissões globais dos gases do efeito estufa devido ao aumento da utilização de combustíveis fósseis, fazendo com que as emissões no país cresçam de 2 a 3% ao ano.

Porém, como a Índia é um país em desenvolvimento, o Protocolo de Kyoto não exige que ocorra redução em suas emissões, e este principal ponto que é muito criticado no acordo do Kyoto que deve ser modificado em um próximo protocolo “pós-Kyoto”, já que o atual irá vencer em 2012 e ainda assim o país já deve planejar em reduzir as emissões, assim como muitos outros que não são teoricamente obrigados a reduzir suas emissões, já que há grande pressão por parte de países industrializados e ONGs.

Por se tratar de um grave problema que estamos enfrentando, não podemos esperar vencer o protocolo de Kyoto para então definir um novo acordo bem mais ambicioso e que inclua todos os países, por isso os planos e aplicações para reduzir as emissões já devem estar sendo iniciadas.

Em relação às metas específicas de redução das emissões, o governo chinês rejeita alegando precisar da energia para tirar milhões de pessoas da pobreza e as emissões per capita no país representam apenas uma pequena fração das emissões dos países desenvolvidos. Mas certamente terão de mudar esta política e investir também na mudança das fontes de geração de energia, substituindo combustíveis fósseis por fontes alternativas que não poluam, como energia eólica, solar, mareomotriz, etc. E também deverão planejar formas para aumentar a eficiência energética sem comprometer o desenvolvimento social e econômico.

O recuo nas geleiras do Himalaia pode ameaçar o abastecimento de água a centenas de milhões de indianos, e o aumento do nível do mar é um grave problema para cidades como Mumbai e Kolkata (ex-Calcutá), além do vizinho Bangladesh, pois segundo cientistas, secas e inundações já estão mais comuns, provocando doenças e afetando safras.

Com isso, um dos temas será discutido são formas de combater os impactos do aquecimento global que ameaça a agricultura de subsistência de centenas de milhões de pessoas na Índia que provavelmente é uma das regiões mais afetadas no mundo.

Sobre

Maurí­cio Machado

Biólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.

Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.