Minc diz que fiscalização contra queimadas na Amazônia está frouxa por causa das eleições

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Minc diz que fiscalização contra queimadas na Amazônia está frouxa por causa das eleições

Nielmar de Oliveira
Repórter da Agência Brasil

O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, denunciou nesta sexta-feira (19) que os governadores e prefeitos da região Amazônica estão negligenciando a fiscalização contra as queimadas, em razão da proximidade das eleições.

“Toda semana eu tenho estado na Amazônia e tenho visto muitas queimadas. Na véspera das eleições muitos governadores e prefeitos afrouxam completamente a fiscalização. Ninguém quer multar, interditar ninguém na véspera das eleições e, portanto, está recrudescendo as queimadas na região”.

Minc informou que o Ministério do Meio Ambiente tomará uma série de medidas para conter as queimadas, inclusive divulgando os nomes dos governadores e prefeitos que “não estão colaborando com a fiscalização federal e afrouxando completamente a fiscalização na véspera das eleições”.

O ministro denunciou a região de caatinga está sendo transformada em carvão. “Agora dia 25, em Goiás, nós vamos lançar o Zoneamento Econômico-Ecológico do estado e o Plano de Defesa do Cerrado, outro bioma muito ameaçado. As pessoas falam da Amazônia, mas o cerrado está muito mais ameaçado. A caatinga está muito ameaçada, aliás ela está sendo destruída em um ritmo mais agressivo ainda do que a Amazônia”.

O ministro lembrou que em agosto , no sertão de Pernambuco, ele chefiou a destruição de 800 fornos ilegais de carvão, que estavam transformando a caatinga em um grande carvoeiro.

Minc reafirmou que um dos principais desafios de seu ministério é coibir o crime ambiental, ajuizar ações de crime ambiental, levar os criminosos ambientais para a prisão e, de preferência, que o infrator fique metade do tempo que deveria cumprir pena nos presídios plantando árvore, “ao invés de tirar férias forçadas às nossas custas”.

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.