Ministério discute gerenciamento ambiental na zona costeira

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Ministério discute gerenciamento ambiental na zona costeira

Camila Vassalo
Da Agência Brasil

Equilibrar a expansão do turismo nas áreas litorâneas e ordenar a maricultura e a extração de petróleo na zona costeira são os desafios discutidos em encontro promovido pelo Ministério do Meio Ambiente desde segunda-feira (22) e encerrado hoje (24) em Foz do Iguaçu, no Paraná.

O objetivo do 2° Workshop Nacional do Gerenciamento Costeiro foi o de buscar soluções e também discutir estratégias em relação ao Projeto Orla, de ordenamento dos espaços litorâneos sob o domínio da União com uma aproximação das políticas ambiental e patrimonial. Representantes dos 16 estados costeiros deram continuidade às discussões iniciadas em setembro do ano passado, em Maceió.

Segundo o geólogo João Luiz Nicoladi, da Gerência de Qualidade Costeira e do Ar do ministério, o Brasil é considerado um dos países mais avançados nessa discussão, “uma vez que existe no Conselho Nacional de Recursos Hídricos uma câmara temática específica para tratar da zona costeira, com a participação de outros ministérios, estados, organizações não-governamentais e instituições de pesquisa”.

Ele destacou que a construção de empreendimentos de turismo causa interferência na zona costeira e alertou para os impactos no ecossistema. “O turismo é uma atividade que depende totalmente do meio ambiente, dentro de uma estrutura em que o visitante se sinta à vontade. Nesse sentido, trabalhamos em parceria com o Ministério do Turismo para que haja um planejamento, pois não queremos causar prejuízos ao ecossistema ou às pessoas que vivem dessa atividade”, explicou.

Sobre a maricultura (criação de crustáceos), Nicoladi lembrou que a introdução não controlada de algumas espécies pode provocar o desaparecimento das nativas. Ele citou o camarão rosa, cuja reprodução foi superada pela do camarão cinza japonês adaptado às condições brasileiras, como um dos impactos negativos no ecossistema.

E quanto à extração do petróleo, afirmou que o país precisa estar preparado para o progresso nessa atividade. “Temos a exploração em mar profundo e raso, o transporte até o continente. E embora exista o auxilio da alta tecnologia, se não houver cuidado podemos tornar a costa vulnerável a algum acidente”, alertou.

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.