Ministério Público quer mais um leilão de “bois piratas”

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Ministério Público quer mais um leilão de “bois piratas”

Ministério Público quer mais um leilão de “bois piratas”

Luana Lourenço
Repórter da Agência Brasil

Quase dois meses depois do primeiro leilão do “boi pirata”, rebanho apreendido em junho na Estação Ecológica da Terra do Meio, no Pará, o Ministério Público Federal (MPF) no estado pediu à Justiça um levantamento de quantas cabeças de gado ainda estão na unidade de conservação.

O prazo determinado pela Justiça para que todos os proprietários retirassem os rebanhos da área de preservação venceu em setembro. De acordo com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), antes da Operação Boi Pirata, cerca de de 40 mil cabeças de gado ilegais eram criadas em 14 propriedades na Terra do Meio.

O MPF pede que, caso a ordem judicial não tenha sido cumprida, a Justiça determine a apreensão imediata e um novo leilão para venda do rebanho irregular.

De acordo com o procurador da República em Altamira (PA), Alan Rogério Mansur Silva, pelo menos 10 mil cabeças ainda podem estar na unidade de conservação. Na recomendação, o MPF indica que o levantamento deverá ser feito pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, responsável pela gestão da estação ecológica.

O procurador ainda sugere ação conjunta entre os órgãos ambientais e a Polícia Federal na região, em caso de necessidade de mandado judicial para desocupar a área.

 

Fiscais vão revisitar fazendas em busca de “bois piratas” na Terra do Meio

Luana Lourenço
Repórter da Agência Brasil

Fiscais do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) começarão na próxima semana a revisitar as fazendas instaladas no interior da Estação Ecológica da Terra do Meio (PA) para verificar se há ainda criação ilegal de gado na unidade de conservação. A informação é do coordenador de Proteção Ambiental do instituto, Paulo Carneiro.

Após a Operação Boi Pirata, deflagrada em junho pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), cerca de três mil cabeças foram vendidas em leilão e a Justiça determinou que todos os proprietários de fazendas na região retirassem os rebanhos da área até setembro.

O Ministério Público Federal no Pará pediu o levantamento ao ICMBio para que, em caso de descumprimento, a Justiça determine a apreensão imediata e um novo leilão para venda dos chamandos “bois piratas”.

“Estamos trabalhando junto com o MPF, já recebemos a recomendação e estamos fazendo esse levantamento”, afirmou Carneiro.

O coordenador estima que cerca de 10 mil cabeças de gado irregular ainda são mantidas na estação ecológica. “A informação que temos é que 80% do rebanho que existia nessas 14 propriedades foi retirado, mas ainda restam propriedades que têm rebanho”, apontou. De acordo com o Ibama, antes da primeira apreensão, em junho, cerca de 40 mil cabeças de gado ilegal eram criadas na Terra do Meio.

“A maioria do gado que saiu foi para APA [Área de Proteção Ambiental] Triunfo do Xingu, unidade de conservação estadual, que permite uso agropecuário. Mas afirmar que 100% do gado [retirado] está em área legal, a gente não tem como afirmar ainda”, ponderou.

A equipe permanente de dez agentes de fiscalização do ICMBio e Ibama será reforçada para o levantamento, adiantou Carneiro. Policiais militares do estado garantirão a segurança dos fiscais nas vistorias. “Duas aeronaves do Ibama serão utilizadas também”, acrescentou.

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.