Novo relatório da ONU sobre mudanças climáticas orienta governos e políticos

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Novo relatório da ONU sobre mudanças climáticas orienta governos e políticos

Kelly Oliveira
Repórter da Agência Brasil

O Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) da Organização das Nações Unidas (ONU) divulga hoje (17), na Espanha, uma síntese dos documentos anteriores, voltada para governos e políticos.

De acordo com o pesquisador do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP) e integrante do IPCC, Paulo Artaxo, a síntese traz os pontos mais significativos dos três relatórios anteriores, em uma linguagem acessível e que incentiva a formulação de políticas públicas capazes de reduzir as emissões de gases de efeito estufa

No primeiro relatório, foi constatado que o planeta aqueceu 0,76 graus centígrados nos últimos cem anos por causa da emissão de gases de efeito estufa. “Se continuarmos emitindo gases de efeito estufa, o primeiro relatório indica que a temperatura do planeta pode subir de 3 a 4 graus centígrados ao longo deste século”, lembrou Artaxo, em entrevista à Rádio Nacional.

Segundo ele, com mudanças no “regime de chuvas”, por exemplo, poderá haver impactos na agricultura com redução da produção de alimentos. “Pode não haver comida para seis, sete bilhões de pessoas no nossa planeta”. Para evitar essa situação, seria “fundamental reduzir as emissões de gases de efeito estufa entre 60% a 70%”.

“Teremos aumento de eventos climáticas extremos, inundações e secas fortes de vários anos. Temos que fazer a nossa lição de casa o mais rápido possível”, alertou Artaxo.

No Brasil, há previsão de aumento das secas no Nordeste, parte da floresta Amazônica pode se transformar em Savana e a área de Cerrado pode sofrer com redução das chuvas. “As áreas costeiras também são motivo de preocupação porque a erosão marinha vai se intensificar em áreas mais sensíveis, como por exemplo, na região de Pernambuco, Recife.”

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio Machado

Biólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.

Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.