Objetivo de reduzir o desmatamento continua

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Objetivo de reduzir o desmatamento continua

Conscientização contra desmatamento inclui empresas e vai além do Pará, diz Ana Júlia

Morillo Carvalho
Repórter da Agência Brasil

A governadora do Pará, Ana Júlia Carepa, disse hoje (26) à Agência Brasil que a meta da Operação Arco de Fogo, encabeçada pela Polícia Federal em parceria com outros órgãos dos governos federal e estadual, é conscientizar aqueles que trabalham na atividade de exploração de madeira de que a atividade econômica não pode colaborar para a destruição do meio ambiente. E essa tarefa, acrescentou, estende-se às outras regiões e às empresas que usam a matéria-prima.

Ana Júlia estava no município de Tailândia (PA), a 248 quilômetros de Belém, onde concedeu entrevista coletiva com a Polícia Federal para falar sobre outra operação, a Guardiões da Amazônia, que resultou na apreensão de 13,5 mil metros cúbicos de madeira ilegal.

“É importante essa conscientização, não só no nosso estado, mas no Brasil, porque foi apreendida madeira vinda de Tailândia no Rio de Janeiro. Então, por exemplo, as empresas da construção civil da região centro-sul do país utilizam madeira do estado do Pará. É preciso que elas exijam o certificado da origem dessa madeira porque, aí sim, elas contribuirão com o desenvolvimento sustentável da região”, comentou.

A a governadora afirmou, ainda, que as madeireiras que insistirem em trabalhar de forma ilegal terão as portas fechadas: “Aqueles que não quiserem entrar na legalidade não vão ter condições de trabalhar”.

Já para o secretário estadual do Meio Ambiente, Valmir Ortega, fechar empresas não é o foco da operação. “O desejo nosso é não fechar nenhuma empresa, mas se elas estiverem operando na ilegalidade, com certeza, terão bloqueada a sua atividade econômica”, disse.

Ortega completou que, em paralelo à operação – uma vez que a Operação Guardiões da Amazônia, segundo as autoridades, passa agora a integrar a Arco de Fogo -, está sendo feito um mutirão com os técnicos da secretaria para regularizar as madeireiras ilegais que quiserem a mudança.

“Vamos agilizar os processos de licenciamento e liberação de licença de operação, de plano de manejo, aqueles que cumpram os requisitos legais, justamente para que, ao mesmo tempo, a gente combata a ilegalidade e que, para aquelas empresas que estão buscando trabalhar na legalidade, o estado seja capaz de dar uma resposta ágil”, afirmou.

 

Operação busca chegar a financiadores do desmatamento ilegal, afirma diretor da PF

Marco Antônio Soalheiro
Enviado especial

A Polícia Federal (PF) vai trabalhar em conjunto com órgãos de fiscalização na Operação Arco de Fogo, iniciada hoje em Tailândia (PA), para inibir não apenas a ação dos que estão na ponta da exploração ilegal de madeira, mas também daqueles que, de fato, financiam e estimulam a atividade.

Foi o que afirmou o diretor-geral da PF, Luiz Fernando Corrêa, em entrevista ao programa Revista Brasil, da Rádio Nacional. “Estamos levando para a região uma capacidade considerável de investigação e perícia contábil para entrar na vida financeira dos operadores”, afirmou.

Ontem, chegaram a Tailândia cerca de 300 agentes da Polícia Federal, da Força Nacional de Segurança e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para implantar uma fiscalização ostensiva nas madeireiras e serrarias da cidade nos próximos dias. Há registros de, pelo menos, 160 pessoas jurídicas na atividade no município, segundo a secretaria estadual de Meio Ambiente.

Na última terça-feira (19), madeireiros e moradores que trabalham no setor tentaram impedir a retirada de madeireira que tinha sido apreendida na Operação Guardiões da Amazônia. No total, mais de 13 mil metros cúbicos foram recolhidos pelos fiscais.

Além de conter a exploração ilegal de madeira, a PF também terá pela frente o desafio de atuar em um dos municípios mais violentos do país. Tailândia é a 6ª cidade com maior taxa média de homicídios (96,2 para cada 100 mil habitantes), de acordo com o Mapa da Violência dos Municípios Brasileiros de 2008.

“Nossa estratégia é estar mais presente, porque, a partir da derrubada da madeira, se desencadeia uma sequência de violência de toda ordem, que passa por homicídios e corrupção”, afirmou Luiz Fernando Corrêa.

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio Machado

Biólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.

Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.