Oceanógrafo elogia decreto de Lula para preservar baleias e golfinhos

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Oceanógrafo elogia decreto de Lula para preservar baleias e golfinhos

Da Agência Brasil

O oceanógrafo e analista ambiental do Centro Mamíferos Aquáticos do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), José Martins da Silva Júnior, disse, em entrevista ao programa Amazônia Brasileira, que “a legislação de proteção de golfinhos e baleias do Brasil é uma das melhores do mundo”. Decreto, assinado em 18 de dezembro de 2008, pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, tornou as águas da costa brasileira no santuário de baleias e golfinhos e reforçou a proibição da caça desses mamíferos em águas sob jurisdição do país.

De acordo com José Martins, essa ação veio consolidar a política brasileira de proteção aos golfinhos e baleias, não só nacionalmente como internacionalmente. Com base na Convenção Internacional da Baleia, que é uma organização da ONU, que regula a proibição ou a liberação da caça, os ministérios do Meio Ambiente e das Relações Exteriores conseguiram definitivamente fazer com que esse tipo de ação fosse extinta no Brasil.

“O Brasil vem tendo posições muito modernas e conservacionistas, e a criação do santuário de baleias e golfinhos no Brasil consolida essa posição e abre caminho para o grande sonho não só do Brasil, mas de todas as nações conservacionistas, a criação do santuário no Atlântico sul”, explicou Martins.

O objetivo da criação desse santuário é preservar todo o território do Oceano Atlântico sul, protegendo contra qualquer tipo de captura ou matança de baleias e golfinhos. A parte sul dos oceanos Índico e Pacífico e a Antártica – onde a caça já é proibida -, já fazem parte do santuário no combate a este tipo de crime ambiental. Essa união permitirá que todo o hemisfério sul fique livre da captura e matança de baleias e golfinhos.

Segundo José Martins, desde 1987 a caça no Brasil era ilegal. Mas era simplesmente uma ação que proibia. Desde essa época vários ambientalistas vêm tentando fazer que o governo definitivamente transformasse essa proibição em lei. “Muitas pessoas têm opiniões diferentes a respeito do assunto. Mas é importante a preservação desses animais”, disse o oceanógrafo.

“Nosso objetivo é estender essa ação para todo o Atlântico sul. As baleias brasileiras não migram para o hemisfério norte, e isso é bom, pois as baleias vivas valem muito mais do que as mortas”, disse Martins. Segundo o oceanógrafo não é só pela cadeia ambiental ou pela importância ecológica que elas têm, mas também pelo fator econômico.

“Hoje em dia o turismo, devido à movimentação de baleias no Brasil, trouxe ao país, em 2006, cerca de 225 mil pessoas, onde cerca de 50 mil dólares foram gastos com passeios para ver baleias e golfinhos, um movimento na economia geralmente em localidades pequenas, onde não tem muitos atrativos. Cerca de 70 mil pessoas visitam Fernando de Noronha, durante o ano só para ver os golfinhos”, explicou.

Para José Martins, essa preservação da costa brasileira, foi uma atitude importante do governo brasileiro, que além de preservar vai beneficiar o turismo. “O Brasil irá beneficiar economicamente as pessoas que estão no litoral brasileiro, principalmente pescadores que estão parados e podem encontrar no turismo outra fonte de renda”, ressalta.

Atualmente seis países matam e comercializam estes animais, o que é proibido de acordo com a convenção internacional, que libera a caça só para pesquisas científicas e o aproveitamento turístico ordenado. “O Japão é um dos países que caçam baleias, e às vezes, não conseguem nem vender a carne. Isso é um prejuízo para o meio ambiente”, ponderou José Martins.

Agência Brasil

Sobre

- Redação AMAEsta notícia foi selecionada pela redação do site AMAnatureza e disponibilizada aos leitores do projeto citando a fonte e créditos autorias de acordo com os direitos de divulgação estabelecidos pela instituição responsável.Ver todas as publicações de - Redação AMA »

  1. Vanessa Benedetti
    Vanessa Benedettiout 29, 2009

    Muito boa noite, gostaria de elogiar plenamente a ação de todas as pessoas envolvidas neste projeto maravilhoso que o AMAnatureza, gostei muito de tudo que li e aprovo plenamente que esta divulgação e a adesão de novos participantes neste evento social e ambiental.
    Sobre esta “notícia”, gostaria de dizer que acabei de realizar em minha vida acadêmica um trabalho científico justamente declarado totalmente aos Cetáceos, sou praticamente uma bióloga, pois já estou no último ano da faculdade e AMO os ANIMAIS, apoio todas as leis, toda a justiça que cerca e proteje e rege sobre o país e o mundo de proteção a todas as espécies de animais.
    Enfim, já me tornei um membro deste “movimento” e farei o que for possível para divulgá-lo.
    Obrigada pela oportunidade!

    Vanessa

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.