ONG bloqueia navio com madeira brasileira e acusa UE de financiar desmatamento

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

ONG bloqueia navio com madeira brasileira e acusa UE de financiar desmatamento

Luana Lourenço
Repórter da Agência Brasil

Ativistas da organização não-governamental (ONG) Greenpeace bloquearam hoje (17) um navio que transportava madeira brasileira para portos da União Européia (UE). Cinco ativistas da ONG estão “pendurados” há cerca de cinco horas nos guindastes da embarcação Galina III, em águas francesas, segundo o engenheiro florestal Marcelo Marquesini, que participou do início da ação.

Parte da madeira, originária de Santarém (PA), foi desembarcada em Portugal e na Espanha. De acordo com o Greenpeace, por causa do protesto, as autoridades francesas recomendaram que o navio não se aproxime do porto e a tripulação tenta seguir para a Holanda.

Os ambientalistas argumentam que a madeira brasileira, apesar de ser exportada como produto legalizado, tem origem irregular e passa por um processo de “esquentamento” entre a retirada da floresta e a chegada aos portos para exportação. “A madeira sai com documento, mas sabemos que o envolvimento de algumas madeireiras com a ilegalidade é grande. A União Européia consome entre 40% e 50% da madeira produzida no Brasil. É co-responsável pela destruição da Amazônia”, afirmou Marquesini.

Em relatório divulgado hoje no Brasil, o Greenpeace aponta o bloco europeu como financiador da exploração ilegal da floresta. “A demanda global por madeira e a falta de controle nacional e internacional estimulam e financiam a exploração ilegal e a UE possui uma responsabilidade importante”, de acordo com o documento Financiando a destruição: a contribuição do governo brasileiro e do mercado europeu para a indústria ilegal e predatória de madeira na Amazônia brasileira.

O relatório informa ainda que 36% da madeira amazônica são destinados à exportação e que 47% desse total vão para os 27 países da UE. No entanto, “fora as restrições da Convenção Internacional de Espécies Ameaçadas da Fauna e da Flora, não há nenhum sistema para verificar a legalidade dos produtos comercializados no mercado europeu”, segundo o Greenpeace.

Atualmente, a UE aplica medidas voluntárias de controle de origem da madeira que chega ao continente. Em troca da certificação, o bloco destina investimentos para a melhoria da administração dos setores florestais de países como Indonésia e Malásia, que ratificaram a parceria. Na avaliação do Greenpeace, além da falta de controle europeu obrigatório, problemas do lado brasileiro, como falhas na fiscalização, impunidade, corrupção e falta de investimento são os principais gargalos do combate à exploração ilegal para exportação.

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.