Pesquisadores descobrem novas espécies de animais e plantas na Amazônia

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Pesquisadores descobrem novas espécies de animais e plantas na Amazônia

Gilberto Costa
Da Rádio Nacional da Amazônia

Cientistas do Instituto de Pesquisa da Amazônia (Inpa) descobriram este ano quatro espécies de aves, dois macacos, um esquilo, dezenas de tipos de aranha e diversas plantas, entre elas duas palmeiras, que o homem ainda não havia catalogado.

Essas descobertas são resultado de duas expedições ao sudeste da Amazônia, em dois pontos do trecho de terra existente entre os rios Purus e Madeira, nos estados do Amazonas e Rondônia.

Em um total de 46 dias divididos entre os meses de abril, maio e julho, cerca de 30 pesquisadores percorreram locais em que o homem nunca esteve, ou que pelo menos não há registro de presença humana nos últimos 100 anos, nem mesmo de populações indígenas.

A área pesquisada pode ser considerada uma das mais ricas em diversidade de fauna e flora da Amazônia, como explica o pesquisador do Departamento de Ecologia do Inpa, Mário Cohn-Haft, responsável pelas expedições.

“O que tem é uma diversidade muito grande de ambiente em uma região relativamente pequena, que faz com que você possa encontrar muitas espécies relativamente perto uma da outra sem ter que andar grandes distâncias para encontrar diferentes ambientes”, informou.

A biodiversidade verificada na pesquisa, no entanto, está ameaçada. A área será cortada pela BR 319 e pelo gasoduto que ligará Urucu (AM) a Porto Velho (RO), além de ser afetada pela construção das hidrelétricas no Rio Madeira.

Os maiores riscos são de invasão de terras estimulada com a construção e funcionamento dos empreendimentos; e da atividade agrícola. Na área pesquisada há muitas campinas, que grileiros e invasores acabam escolhendo por causa da vegetação baixa.

Segundo os especialistas, esses campos naturais são muito ricos em biodiversidade, mas não são propícios para a atividade agrícola, como detalha o cientista Mário Cohn-Haft. “Na verdade, esses campos são difíceis de cultivar. São alagadiços e encharcam em toda época chuvosa. O solo é ruim, ácido e arenoso, e demandam muito tratamento para servir para agricultura e depois disso são abandonados”.

O pesquisador do Inpa acredita, no entanto, que é possível contornar impactos indiretos dos empreendimentos e evitar as atividades econômicas que agridem o meio ambiente.

Os resultados das expedições poderão ser usados para processos de licenciamento ambiental na região e para a criação de novas unidades de conservação pelo Ibama e pelas secretarias de meio ambiente dos estados.

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.