PF cumpre 102 mandados de prisão contra traficantes de animais silvestres

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

PF cumpre 102 mandados de prisão contra traficantes de animais silvestres

PF cumpre 102 mandados de prisão contra traficantes de animais silvestres

Cristiane Ribeiro
Repórter da Agência Brasil

A Polícia Federal realiza desde o início da manhã de ontem (11) uma operação para desarticular uma quadrilha internacional de traficantes de animais silvestres para o exterior e para o comércio em feiras livres no Rio de Janeiro. Várias pessoas já foram detidas e estão sendo levadas para a Superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro.

De acordo com nota divulgada pela Polícia Federal, estão mobilizados 450 agentes para cumprir 102 mandados de prisão e 140 de busca e apreensão no Pará, Maranhão, em Sergipe, na Bahia, em Minas Gerais, no Espírito Santo, em São Paulo, no Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.

A operação foi batizada de Oxóssi em homenagem à divindade africana que representa o protetor dos animais e das matas. Agentes federais também buscam integrantes da quadrilha em Portugal, na Suíça e República Tcheca.

De acordo com a nota da Polícia Federal, as investigações da Operação Oxóssi começaram em janeiro do ano passado e apontam que os envolvidos chegavam a comercializar 500 mil animais por ano. Entre as espécies mais negociadas estão diversos tipos de aves, cobras, onças-pintadas, veados-mateiros e macacos-prego. No Rio de Janeiro, os animais eram vendidos nas feiras de Honório Gurgel e Areia Branca e em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

Segundo a Polícia Federal, os envolvidos no esquema são acusados de crime ambiental, receptação, contrabando e formação de quadrilha.

Mais detalhes da Operação Oxóssi serão divulgados em entrevista coletiva marcada para as 11h na Superintendência da Polícia Federal no Rio.

 

PF prende mais de 70 pessoas por tráfico internacional de animais

Isabela Vieira
Repórter da Agência Brasil

A Polícia Federal prendeu ontem (11), no Rio, 72 pessoas, incluindo um estrangeiro, na Operação Oxóssi. Eles são ouvidos na superintendência da PF, no centro. Nos próximos dois dias, os agentes pretendem cumprir mais 26 mandados de prisão no estado. O objetivo da operação é desarticular uma rede de tráfico internacional de animais.

A operação mobiliza cerca de 450 agentes, que cumprem 102 mandados de prisão e 140 de busca e apreensão em oito estados, além do Rio.

De acordo com o Ministério Público Federal, a operação partiu de investigações sobre uma feira popular em Duque de Caxias, Baixada Fluminense, apontada com um dos principais pontos de venda de animais silvestres no país. Os bichos também eram traficados para Portugal, Suécia e República Tcheca, onde também há procurados.

O delegado Alexandre Saraiva, responsável pelo caso, afirma que a operação prendeu caçadores, receptadores e comerciantes, que revendiam periquitos, papagaios, araras azuis, macacos e pequenos répteis. Grande parte, proveniente do Parque Nacional da Bocaina, em Paraty, Sul Fluminense, e da Reserva do Tinguá, em Nova Iguaçu, na baixada.

Segundo o MPF, grande parte dos suspeitos já cometeu crimes ambientais, sendo que alguns foram presos em flagrante. Eles devem responder por caça ilegal, com o agravante de que os animais, alguns em risco de extinção, foram retirados de áreas de conservação. Os envolvidos no esquema também podem ser acusados por maus-tratos, receptação e formação de quadrilha.

Agência Brasil

Sobre

- Redação AMAEsta notícia foi selecionada pela redação do site AMAnatureza e disponibilizada aos leitores do projeto citando a fonte e créditos autorias de acordo com os direitos de divulgação estabelecidos pela instituição responsável.Ver todas as publicações de - Redação AMA »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.