Previsão dos impactos do aquecimento global nos EUA

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Previsão dos impactos do aquecimento global nos EUA

O relatório da Union of Concerned Scientists, que examinou o impacto do aquecimento global sobre os EUA, avaliando nove Estados do país, resultado de dois anos de colaboração entre a organização de cientistas e um grupo de dezenas de cientistas e economistas independentes, concluiu que a região nordeste do EUA pode sofrer grandes mudanças negativas decorrentes do aquecimento global durante este século.

Nova YorkUm dos autores do relatório, James McCarthy, professor de oceanografia biológica na Universidade Harvard e presidente eleito da Associação Norte-Americana para o Progresso da Ciência afirma que nas montanhas de Catskill, que servem de fonte de água para os nove milhões de moradores de Nova York, pode ser castigada com secas em todo verão, comprometendo seriamente o abastecimento de água na maior cidade do mundo.

Se a falta de água afetar gravemente grande parte dos moradores, haverá uma migração intensa em busca de um lugar que não sofra de carências deste precioso recurso natural, mas o problema é que não se tratará de algumas pessoas em busca de um melhor local para morar, e sim de uma grande quantidade de pessoas que desencadeará problemas de superlotação em outras cidades onde a infra-estrutura estava adequadamente planejada para uma determinada quantidade de moradores, provavelmente muitos conflitos étnicos ou religiosos seriam registrados, comprometendo seriamente a estrutura de toda região.

Paralelamente às secas, chuvas pesadas poderão ocorrer, ocasionando graves enchentes. Com temperaturas mais altas e tempo predominantemente seco, o ambiente ficaria com uma atmosfera de um ar turvo, como uma neblina misturada com fumaça, intensificando problemas respiratórios, principalmente em caso de pessoas que sofrem de asma.

No ano passado, um relatório semelhante publicado pela mesma instituição informou as mudanças climáticas na região que poderiam ocorrer. Iniciando com o registro de que a média da temperatura subiria em 4ºC tanto no inverno como no verão e Nova York ainda teria de enfrentar quase um mês inteiro com temperaturas de 38ºC ou mais altas. Já no relatório deste ano, publicado nesta semana, a organização definiu como foco analisar os impactos desta elevada temperatura.

Atualmente, diferenças nas estações do ano como primaveras antecipadas, verões mais intensos, invernos com menos neve, já são uma realidade provocada pela elevada emissão de gases causadores do efeito estufa que intensificam o aquecimento global, já que mais calor fica retido na atmosfera terrestre, assim como uma estufa (por isso o nome, efeito estufa). Para cientistas, provavelmente a população terá de se adaptar a essas mudanças, porém se pouco for feito para frear os elevados índices de emissões de gases poluentes, catástrofes serão constantemente registradas ocorrendo coisas muito piores, fazendo com que conseqüentemente os gastos para recuperação de cidades sejam muito maiores e a produção agrícola cairá consideravelmente, trazendo sérios prejuízos, desestabilizando a economia de um país inteiro.

Análise dos impactos do aquecimento global nos EUA

No relatório, duas previsões para um futuro ainda neste século foram expostas, passando pela revisão de cientistas independentes antes da publicação. A primeira alternativa analisa o futuro caso sejam realizados grandes esforços para reduzir consideravelmente os níveis de emissões, já a outra analisa o que aconteceria se as taxas de emissões fossam mantidas, continuando a crescer a cada ano.

Se as emissões forem reduzidas, ainda assim os cientistas advertiram que as lagostas de Long Island desapareceriam ou se transfeririam para águas mais frias, ao norte, por serem extremamente sensíveis a qualquer variação mínima de temperatura e isto provocaria uma desestruturação na cadeia alimentar da região, conforme já vimos no artigo: Alguns graus a mais são o suficiente para provocar uma reação em cadeia.

Neve - Nova YorkCom a diminuição da camada de neve que cobre o solo no inverno e favorece o desenvolvimento de algumas espécies vegetais, como as macieiras, passarão então a não produzir tantas frutas quanto no passado.

E ainda, devido ao desgaste causado por espécies invasoras que se disseminam com maior facilidade em temperaturas mais elevadas, árvores bétulas, um gênero de árvores ornamentais das regiões frias, também árvores bordos, família de árvores ou arbustos, cujo fruto é uma noz em forma de asa, em geral com uma só semente e árvores faias, caracterizadas pela casca lisa, cinzenta e madeira dura de contextura fina, entre outras árvores semelhantes desapareceriam de determinadas regiões do Estado, entre as quais os montes Adirondack.

E, com a temperatura mais quente do que o ideal para as vacas leiteiras, a produção de leite reduziria em 15% ou até mais, no caso dos meses de final de verão.

Já se não ocorrer nenhuma redução nas emissões ou não forem suficientes, reduzindo parcelas muito pequenas, então o nível do mar continuaria a subir devido ao derretimento de geleiras, calotas polares, neve, inundando as áreas costeiras do sul de Long Island e certas regiões do sul de Manhattan, entre as quais atingiria o distrito financeiro, causando alagamento no metrô e tornando-o inoperável e Atlantic City pode estar sofrendo inundações a cada dois anos.

Obviamente o relatório analisa os impactos nos EUA, porém na maioria dos outros países, os efeitos serão muito semelhantes, já que com o aumento do nível do mar, muitas cidades costeiras e ilhas serão inundadas. O que varia é em relação à intensidade dos alagamentos, dependendo da região onde se encontra.

Continuando ainda na mesma previsão do relatório, o impacto sobre o setor agrícola do Estado de Nova York, que fatura US$ 3,5 bilhões ao ano, poderia ser devastador, segundo o professor de ecologia vegetal no Departamento de Horticultura da Universidade Cornell, David Wolfe, que foi um dos cientistas que contribuiu para o relatório. Levando em consideração que mesmo o aumento na temperatura inicialmente ser bom para ampliar a estação de crescimento das plantas, elas podem trazer novas pragas e insetos que causariam sérios danos prejudicando a colheita.

Soluções locais para reduzir as emissões

McCarthy declarou que os futuros efeitos provocados pelo aquecimento global podem ser minimizados substancialmente por esforços que estão sendo implementados agora para reduzir as emissões.

Os principais esforços incluem a Iniciativa Regional do Efeito-Estufa, em que todos os Estados do nordeste norte-americano aceitaram em reduzir as emissões de usinas termelétricas (a base de carvão) e em instituir um programa de negociação de direitos de emissões. E em Nova Jersey, a lei de aquecimento global assinada pelo governador Jon Corzine na sexta-feira, compromete o Estado a reduzir suas emissões de gases do efeito-estufa em 80% até a metade do século.

Uma entrevista coletiva separada foi concedida em Trenton na quarta-feira, sobre o impacto do aquecimento global em Nova Jersey. Corzine disse que os esforços estaduais e municipais para reduzir o efeito-estufa são importantes, mas que o controle do aquecimento global exige esforço nacional, algo que o atual governo vem resistindo em promover, principalmente para modificar a matriz energética do país, ou seja, as fontes que utilizam combustíveis fósseis como petróleo, carvão para geração de energia como usinas termelétricas que emitem grande quantidade de gás carbônico e são atualmente a base para geração de energia do país devem ser substituídas por fontes renováveis e limpas como eólica, solar, maremotriz, etc.

Mas Corzine tem uma visão aberta, e garante que se a liderança presidencial resiste a mudanças que reduzam as emissões de gases que intensificam o efeito estufa, a luta para reduzir as emissões cabe aos Estados e também em atitudes individuais realizadas generalizadamente, como utilizar menos o carro e mais os serviços públicos de transporte.

Mapa EUA

Mapa dos Estados Unidos (EUA)

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.