Primeira usina de biodiesel da Petrobras

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Primeira usina de biodiesel da Petrobras

Lula inaugura amanhã, na Bahia, primeira usina de biodiesel da Petrobras

Nielmar de Oliveira
Repórter da Agência Brasil

A Petrobras vai dar amanhã (29) mais um passo para assumir a liderança nacional na produção de biodiesel. Nesta terça-feira, a estatal inaugura a sua primeira usina de biodiesel, em Candeias, na Baha, que terá capacidade de produzir até 57 milhões de litros do produto por ano.

A solenidade contará com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que estará acompanhado do presidente da estatal, Jose Sérgio Gabrielli.

Até o final de agosto, a estatal vai instalar mais duas unidades: uma em Montes Claros (MG) e outra em Quixadá (CE).

Juntas, as três usinas vão gerar renda e trabalho para 55 mil agricultores familiares, que fornecerão as matérias-prima necessárias ao processo de extração de óleo para a fabricação do biodiesel.

A Petrobras informou que investiu R$ 101 milhões na construção da usina de Candeias. A obra gerou 1.301 empregos diretos.

Em quatro anos, a Petrobras pretende investir US$ 1,5 bilhão no segmento de biocombustíveis. Isso, além de garantir a liderança do mercado nacional na produção de biodiesel, “também propiciará a ampliação da participação da estatal no negócio de biocombustíveis, com foco voltado para o mercado de etanol.

Em entrevista coletiva concedida hoje (28), na Bahia, o presidente indicado da Petrobrás Biocombustível, Alan Kardec, disse que a inauguração da unidade de Candeias é o primeiro passo de uma trajetória irreversível que levará a nova subsidiária a liderar o segmento em alguns anos.

“Nossa meta é em 2012 produzir 940 milhões de litros de biodiesel por ano”, afirmou. Alan Kardec, que tomará possa no cargo durante a solenidade.

Já a diretora de Gás e Energia da Petrobras, Maria das Graças Foster, também presente à coletiva, ressaltou o trabalho de integração que a estatal vem fazendo com os agricultores familiares.

“O objetivo da Petrobras é ter o máximo que puder na base do abastecimento vindo da agricultura familiar. Por isto, estamos desenvolvendo uma série de projetos para aumentar a musculatura, a capacidade de fornecimento desses pequenos produtores”.

Como parte desse processo, a Petrobras forneceu 205,2 toneladas de sementes de mamona e girassol certificadas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) para os agricultores da Bahia e de Sergipe. Deste total, segundo a estatal, 110,7 toneladas eram de mamona (apenas para a Bahia) e 94,5 toneladas de girassol (Bahia e Sergipe).

Além de operar com matéria-prima de origem vegetal (mamona, girassol, soja, algodão), a usina poderá também utilizar como insumo de origem animal (sebo bovino, suíno ou de frango) ou óleos e gorduras residuais usados em fritura de alimento.

 

Criação de nova empresa reforça atuação da Petrobras na área de biocombustíveis

Nielmar de Oliveira
Repórter da Agência Brasil

Além de confirmar os compromissos da companhia com o meio ambiente, por intermédio do aumento da produção de biocombustíveis, a criação da Petrobras Biocombustível reforça a atuação da Petrobras nesse segmento.

Até 2012, a Petrobras deve investir  US$ 1,5 bilhão nesse setor. “O que deverá levar a empresa à liderança na produção nacional de biodiesel e a ampliar a participação no negócio de etanol, com foco no mercado internacional”, informa a assessoria de imprensa da estatal.

Somente na instalação das usinas de biodiesel de Candeias (Bahia), de Montes Claros (MG) e  de Quixadá (CE), a estatal vai investir R$ 295 milhões A unidade baiana será inaugurada amanhã, e as outras duas até o final de agosto.

Também integrarão a Petrobras Biocombustível os Complexos Bioenergéticos (CBios), que são empreendimentos em parceria com produtores brasileiros e conglomerados internacionais para produção de etanol para exportação. Neste caso, a meta é produzir 4,75 bilhões de litros em 2012.

“Com a subsidiária, a Petrobras fortalece sua posição de empresa comprometida com o meio ambiente e com o desenvolvimento social. Além de contribuir para a redução do aquecimento global, os biocombustíveis permitem geração de emprego e renda no campo, com a utilização da agricultura familiar na produção das matérias-primas”, informa a Petrobras.

Segundo a estatal, a Petrobras Biocombustível está comprometida com a obtenção do Selo Combustível Social e com as premissas do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel. “A empresa assume o desafio de ampliar a presença da agricultura familiar, observando sempre a sustentabilidade empresarial, social e ambiental”.

A nova subsidiária, que será lançada também amanhã (29), em Candeias, estuda a possibilidade de adquirir usinas de produção de biodiesel já existentes. A idéia é reforçar a produção, de forma que a estatal atinja a meta de produzir 940 milhões de litros de biodiesel por ano a partir de 2012.

De acordo com o presidente indicado da Petrobras Biocombustíveis, Alan Kardec, as definições das metas da nova empresa serão fechadas quando o novo Plano de Negócios da holding estiver concluído, o que deverá ocorrer em setembro, embora a divulgação só vá ser feita em outubro.

As informações da empresa indicam que a Petrobras Biocombustíveis nasce com “uma carteira de projetos robusta e, além dos investimentos programados da ordem de US$ 1,5 bilhão até 2012, contará com 250 funcionários e será instalada bairro do Maracanã, onde também está localizada a Petrobras Distribuidora (BR), no Rio de Janeiro.

A criação da Petrobras Biocombustíveis decorre necessidade da estatal de promover a integração das atividades da área de biocombustíveis – hoje espalhadas por várias diretorias da holding.

Na entrevista, Alan Kardec procurou tranqüilizar os empresários do setor privado sobre os riscos de uma “possível”  estatização do setor de etanol. “Não temos uma visão estatizante”, disse.

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.