Quilombolas conciliam preservação cultural e ambiental no Amapá

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Quilombolas conciliam preservação cultural e ambiental no Amapá

Alex Rodrigues
Enviado especial

A apenas doze quilômetros do centro da capital amapaense, Macapá, uma comunidade quilombola preserva seus costumes e crenças enquanto luta para conservar a Área de Proteção Ambiental (APA) em que vive. Importante sítio histórico e ambiental, a APA de Curiaú é uma das principais atrações turísticas da região, atraindo moradores do estado e turistas.

De Macapá, o acesso até a área de 21.676 hectares onde vivem os cerca de 4 mil moradores da primeira comunidade quilombola reconhecida no estado é feito pela Rodovia do Curiaú. Logo após a entrada da APA e as primeiras casas de alvenaria, o visitante chega à igreja onde, anualmente, a comunidade celebra uma das mais importantes festas religiosas do Amapá.

“Em agosto nós festejamos a Folia de São Joaquim. São nove noites de novena com folia. Vem muita gente de fora”, diz Joaquim Araújo da Paixão, guardião da chave da igreja.

Além das belezas naturais do local, o quilombola destaca a importância das manifestações culturais preservadas pela comunidade. “Temos nosso batuque, a ladainha e o marabaixo”, destaca o quilombola. O marabaixo é uma dança típica que se tornou tão conhecida no estado que virou nome de bairro e de sorvete em Macapá.

“A cultura do marabaixo, do batuque, é uma das manifestações da comunidade que têm atraído um público muito grande ao Curiaú”, garante o secretário estadual extraordinário de Políticas para os Afrodescendentes, Josivaldo da Silva Libório.

Na comunidade, a Escola Estadual José Bonifácio, busca valorizar a cultura afrodescendente, afirma a supervisora Sheila Cristina Cunha Maués. “Temos projetos que valorizam o batuque, outro de resgate aos costumes locais. Os alunos sabem dançar carimbó, batucar, cantar as cantigas dos santos. Em outras escolas não há isso”. Bem estruturada, a unidade de ensino conta com laboratório de informática, biblioteca e uma quadra de esportes coberta e atende a crianças de localidades próximas a Curiaú.

Com disponibilidade de professores, a direção da escola decidiu incluir aulas de francês na grade escolar de 1ª à 4ª série. “O francês é por causa da nossa fronteira com a Guiana Francesa. Isso vai ajudar muito às crianças no mercado de trabalho”, comenta a professora Claudeci Ferreira da Silva Rodrigues.

A exemplo da escola, o posto de saúde do Curiaú também atende a pacientes de outras comunidades. Além de oferecer exames preventivos, pré-natal e planejamento familiar, a médica responsável faz cerca de 20 visitas residenciais a cada semana. De segunda a quarta-feira, o atendimento é no próprio posto que registra cerca de 15 consultas diárias. “O pessoal daqui é bastante responsável em termos de saúde, mas há um problema muito grande com o álcool. Temos vários casos de alcoolismo”, comenta a enfermeira Rejane Santos da Cunha.

O quilombola Joaquim Araújo confirma os casos de alcoolismo. E diz que o número de casos aumentou depois que os moradores começaram a abrir bares para atender aos turistas.

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.