Redução no desmatamento ainda não é suficiente

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Redução no desmatamento ainda não é suficiente

Inpe confirma redução de 60% no desmatamento da Amazônia Legal em julho

Roberta Lopes
Repórter da Agência Brasil

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgou hoje (29) avaliação da área desmatada na Amazônia Legal – que inclui os estados do Acre, Amapá, Pará, Amazonas, de Mato Grosso, Rondônia, Roraima e Tocantins e parte do Maranhão – o que representa 5.217.423 quilômetros quadrados.

De acordo com os dados do Inpe, foram desmatados 323 quilômetros quadrados da área da Amazônia Legal, o que representa uma redução de cerca de 60% em relação ao mês de junho, quando 827 quilômetros quadrados foram devastados.

O estado onde houve o maior índice de desmatamento foi o Pará com 235,6 quilômetros quadrados, seguido do Amazonas com 23,9 quilômetros quadrados. Amapá e Roraima não puderam ser monitorados adequadamente por terem alto índice de nuvens, o que dificultou a avaliação do satélite.

À tarde, o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, que já havia antecipado os números, no último dia 15, comenta os resultados durante coletiva de imprensa.

 

Ministro afirma que redução do desmatamento na Amazônia ainda não é suficiente

Roberta Lopes
Repórter da Agência Brasil

O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, afirmou hoje (29) que, apesar da queda do índice de desmatamento na Amazônia Legal no mês de julho em relação ao mês de junho, ainda não há motivo para comemorar.

“Não estamos contentes. O desmatamento tem de cair mais ainda e as condições de desenvolvimento sustentável tem de melhorar”, disse.

O índice foi divulgado hoje de manhã pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). No mês de julho a área desmatada foi de 323 quilômetros quadrados, o que representa uma redução de cerca de 60% em relação ao mês de junho, quando 827 quilômetros quadrados foram devastados.

De acordo com o ministro, o principal fator que provocou esta queda foi o aumento da fiscalização pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

“Dobrou a intensidade da fiscalização do Ibama, entrou em vigor a resolução do Banco Central que tirou o crédito dos desmatadores ilegais. Esses fatores em conjunto levaram a uma queda dos desmatamento”, explicou.

Minc afirmou que, no ano passado, o Ibama tinha 20 equipes para fazer a fiscalização na região. Este ano, o número aumentou para 40. A Amazônia Legal – que inclui os estados do Acre, Amapá, Pará, Amazonas, de Mato Grosso, Rondônia, Roraima e Tocantins e parte do Maranhão – tem 5.217.423 quilômetros quadrados.

O ministro voltou a negar a possibilidade de o governo apresentar uma proposta que aumente a área cultivada pela cana-de-açúcar no Pantanal matogrossense.

“Hoje nós plantamos 7 milhões de hectares de cana-de-açúcar. Nós queremos um etanol verde, que não seja boicotado lá fora porque destrói a Amazônia ou destrói o Pantanal”, argumentou.

A preocupação de Minc diz respeito à possível criação de barreiras para a exportação do etanol com o argumento de que o Brasil estaria desmatando áreas de preservação para ampliar a área de plantio de cana.

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.