Representantes de países sul-americanos avaliam segurança sanitária

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Representantes de países sul-americanos avaliam segurança sanitária

Erich Decat
Da Agência Brasil

Representantes de nove países da América do Sul – Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela – e do Brasil discutiram hoje (30) as estratégias de segurança que cada um implementa no controle de surtos e em emergências epidemiológicas.

O debate atende às demandas do Regulamento Sanitário Internacional da Organização Mundial de Saúde (OMS), que estipula ações governamentais a serem realizadas no combate às epidemias. Entre essas ações, segundo o diretor de Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde, Eduardo Hage, está a avaliação da capacidade nacional em detectar e responder às emergências.

“A partir desse diagnóstico é preciso identificar as áreas que devem ser priorizadas, para que o país adquira, em um curto período, uma melhor capacidade de evitar a disseminação de doenças”, explicou.

A implementação de novos mecanismos para detectar problemas no setor de vigilância sanitária também foi debatida no encontro. “A vigilância epidemiológica, que é o mecanismo utilizado por todos os países para detectar rapidamente um surto e intervir sobre ele, não é adequada para o momento atual. Os instrumentos utilizados hoje foram criados há 10 anos e desde então houve um crescimento considerável no fluxo de pessoas e de mercadorias entre os países”, avaliou.

Hage citou como exemplo de novos instrumentos de vigilância os centros que reúnem um aparato tecnológico capaz de permitir o monitoramento dos eventos em todo o país: “Isso pode ser feito, por exemplo, por meio do material da imprensa publicado sobre o assunto”.

Desde março de 2006 o Brasil conta com o Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (Cievs), em Brasília, e até 2011, segundo o diretor, serão 53 unidades com capacidade técnica e operacional para rastrear as ocorrências. O investimento previsto é de R$ 5 milhões.

O Brasil deverá investir também em unidades de vigilância dentro dos hospitais. “O objetivo é detectar problemas rapidamente, para evitar a propagação de uma doença. Até o final do ano vamos implantar, em todo o país, 190 núcleos de vigilância epidemiológica nos hospitais”, adiantou Hage.

O regulamento da OMS, aprovado pelos 192 países da Assembléia Mundial da Saúde, entrou em vigor em junho e estipula prazo de cinco anos para que todos os integrantes tenham capacidade de detectar e de conter as doenças.

Agência Brasil

Artigo relacionado:
Epidemias: Um dos problemas do aquecimento global

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.