Soja predomina em cadeia produtiva do biodiesel

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Soja predomina em cadeia produtiva do biodiesel

Agência Nacional de Petróleo vai fiscalizar postos para garantir venda de biodiesel

Leandro Martins
Repórter da Rádio Nacional da Amazônia

Desde o dia 1º de janeiro, o óleo diesel comercializado no Brasil precisa conter obrigatoriamente 2% de biodiesel, produzido no pais a partir de gorduras animais e óleos vegetais como o extraído da mamona, do dendê, do babaçu e da soja.

A mistura estava autorizada desde 2005. Para garantir que a medida está sendo cumprida, os 35 mil postos de combustíveis do país serão fiscalizados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Segundo a ANP, a adoção do biodiesel vai permitir uma redução na importação de diesel de petróleo, o que representa uma economia de cerca de R$ 750 milhões por ano.

De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Agrário, a produção do combustível gerou cerca de 600 mil postos de trabalho no campo desde a sua implementação.

Segundo o coordenador da comissão do biodiesel da Casa Civil, Rodrigo Rodrigues, a região amazônica tem potencial para se tornar um grande produtor do biodiesel.

“Na floresta Amazônica como um todo há uma infinidade de matérias-primas oleoginosas, por exemplo, carnaúba e babaçu. Atualmente, a palma é que está no seu estágio de conhecimento agrícola mais avançado”.

Em 2013, a quantidade de biodiesel misturada com diesel de petróleo deve subir de 2% para 5%. Mas o governo pode antecipar a data de adição do biodiesel.

 

Soja predomina em cadeia produtiva do biodiesel

Marco Antônio Soalheiro
Repórter da Agência Brasil

A obrigatoriedade do B2 (óleo diesel com mistura obrigatória de 2% de biodiesel) desde 1º de janeiro representará neste ano um volume de consumo da ordem de 840 milhões de litro de biodiesel, grande parte atendido pela produção do combustível a partir do óleo de soja.

“Quase 90% do biodiesel é feito hoje a partir de óleo de soja. Alguma coisa é feita por sebo animal e existe possibilidade da utilização de mamona, pinhão manso e girassol, mas ainda não tem produção intensiva”, disse o vice presidente executivo do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e Lubrificantes (Sindicom), Alísio Mendes Vaz.

A concentração da soja nesse segmento é confirmada Ministério de Minas e Energia e pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Entretanto, os órgãos estimam que ela seja de 60 a 70%.

Segundo o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), cerca de 100 mil agricultores familiares estão inseridos atualmente no Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (PNPB), produzindo matérias-primas como a mamona, dendê, girassol, soja e amendoim.

O programa é uma ação interministerial do governo federal inciada em 2003, cuja principal diretriz é a produção de combustível a preços competitivos a partir de diferentes fontes oleaginosas, de forma sustentável e associada à inclusão social. A gestão operacional do é feita pelo Ministério de Minas e Energia (MME).

As distribuidoras investiram cerca de R$ 100 milhões em tanques de armazenamento, tubulação, bombas e instrumentos dosadores necessários para viabilizar a mistura resutante no B2.

Ao adquirirem o biodiesel, elas encaminham caminhões às unidades industriais produtoras, trazem o produto para ser armazenado em suas bases de distribuição (mais de 200 em todo o país) e fazem a mistura de 2% no diesel no momento em que o caminhão-tanque, que leva o combustível ao posto, é carregado.

A venda do biodiesel às distribuidoras aidna é intemedida pelo governo federal. O objetivo, segundo o diretor do departamento de Combustíveis Renováveis do MME, Ricardo Dornelles, é garantir a segurança do suprimento.

“A venda direta de uma sina a um posto, por exemplo, traria problemas para rastrear a qualidade de biocombustível. Se for de má qualidade, ineterfere nos motores e prejudica a economia. A centralização é para garantir o biodiesel colocado no mercado de forma segura, que vai possibilitar o perfeito funcionamento da atividade industrial”.

Toda a demanda de biodiesel do 1º semestre de 2008, cerca de 380 milhões de litros, já foi contratada com a realização de leilões em novembro do ano passado e um certame específico para estoques em dezembro. Em abril ou maio deste ano, serão realizados outros leilões para a contratação da demanda do segundo semestre.

“Já começamos a retirar alguma coisa e a partir da semana que vem vamos repor nossos estoques”, adiantou o dirigente da Sindicom.

Mendes Vaz prevê para 2008 um pequena queda no preço do óleo de soja e do biocombustível e acredita em reflexos positivos no mercado.

“Teremos, pela primeira vez, a indústria do biodiesel como um todo, operando a pleno vapor e a partir daí, mais eficiência, maior geração de empregos, com injeção de otimismo na economia agrícola.”

O novo combustível renovável, considerado ambientalmente correto, será usado por ônibus, caminhões, tratores, máquinas agrícolas, locomotivas e até mesmo embarcações e usinas termoelétricas.

Os 35 mil postos de combustíveis do país serão fiscalizados pela ANP, que estima uma economia de aproximadamente US$ 410 milhões em divisas na balança comercial será gerada pelo B2. A dependência externa do diesel deve ser reduzida de 7% para 5%.

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.