Superintendentes do Ibama debatem medidas para combater efeitos da seca e desertificação

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Superintendentes do Ibama debatem medidas para combater efeitos da seca e desertificação

Marcia Wonghon
Repórter da Agência Brasil

Superintendentes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) vão propor alternativas para intensificar o combate aos efeitos da desertificação. Segundo dados do Ministério do Meio Ambiente a desertificação afeta 30 milhões de pessoas no país, principalmente nos estados do Nordeste, onde mais de 55% do território são atingidos pela degradação da terra.

As medidas estão sendo discutidas em um seminário que poderá definir uma nova política para o meio ambiente no Nordeste.

O superintendente do Ibama em Pernambuco, João Arnaldo Novaes, adiantou que uma das sugestões é a de que todos os processos de utilização de uso do solo em atividades agropecuárias estejam, a partir de agora, associados a atividades agroflorestais sustentáveis.

O superintendente destacou que é preciso tomar medidas urgentes também no sentido de evitar que a seca, fenômeno climático natural , possa se agravar em conseqüência do aquecimento global do planeta. Ele informou que somente em Pernambuco, 60% do território do estado vem sendo afetado pela estiagem, com prejuízo de mais de 80% para as lavouras de milho e feijão.

Ricardo Padilha, representante do Programa de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca, do Ministério do Meio Ambiente, disse que o principal desafio é ampliar as ações existentes nessas áreas, centralizando o foco no desenvolvimento sustentável, a partir da preservação da natureza.

“A estiagem no Brasil é um assunto que está sendo trabalhado há pelo menos um século, com ações da Companhia do Desenvolvimento do Vale do São Francisco (Codevasf) e do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs). O principal desafio é modernizar as iniciativas para que tenham foco maior no desenvolvimento sustentável”, afirmou.

Agência Brasil

Sobre

Maurí­cio MachadoBiólogo e ambientalista, responsável pelo projeto AMAnatureza e articulista com fundamentos e conhecimento para discutir assuntos voltados ao meio ambiente com uma visão crítica, analisando o tema de maneira radical e completa.Ver todas as publicações de Maurí­cio Machado »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.