Usina de Jirau pode causar impactos irreversíveis ao meio ambiente

Todos os dias publicamos novos conteúdos e conquistamos um número cada vez maior de usuários. A equipe do portal AMA agradece a todos os usuários que acessam constantemente este site, que já é uma referência nacional sobre preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. E lembre-se, não basta apenas conhecer os problemas, é necessário agir! Cada um fazendo sua parte, de forma consciente, ajuda a melhorar o ambiente em que todos nós vivemos.

Usina de Jirau pode causar impactos irreversíveis ao meio ambiente

Especialista diz que mudança da Usina de Jirau pode causar impactos irreversíveis ao meio ambiente

Da Agência Brasil

A mudança do local da construção da Usina Hidrelétrica de Jirau no Rio Madeira pode causar danos irreversíveis para a biodiversidade da área. Segundo o professor de Planejamento de Sistemas Energéticos da Universidade Federal de Rondônia (Unir), Arthur Moretti, não foram realizados estudos prévios sobre os riscos para o ambiente do novo local.

Moretti afirmou, em entrevista no programa Amazônia Brasileira, da Rádio Nacional, que o consórcio vencedor do leilão para a construção da hidrelétrica, Energia Sustentável do Brasil, realizou a mudança de 9,2 quilômetros da área inicial, interessado somente nos ganhos econômicos e não nos prejuízos que serão causados com a nova construção.

“Fizeram apenas uma análise técnica e econômica para o leilão, mas não existe nenhum estudo feito nos moldes que a legislação ambiental exige”, disse. Com a mudança haverá uma economia de R$ 1 bilhão no custo total da obra, estimado pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE) em R$ 8,7 bilhões.

Com a construção já em andamento, o professor afirmou que milhares de peixes já morreram no mês passado e que o estudo da área original do projeto pode ser descartado, porque a biodiversidade do novo local pode ser muito diferente.

Moretti questionou ainda a decisão da justiça de manter a validade da licença ambiental da hidrelétrica. “Nós conseguimos uma liminar da Justiça Federal de Rondônia para impedir que a obra começasse, mas o Tribunal Regional Federal da 1ª Região [TRF, sediado em Brasília] derrubou, alegando que não tinha nenhum dano causado ao meio ambiente, ou seja, é estranha essa constatação, porque, se não há estudo, como é que existe uma constatação?”, questionou o professor.

O Fórum Brasileiro de Organizações Não Governamentais (ONGs) e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento encaminhou um recurso à Justiça solicitando a elaboração de uma avaliação ambiental da área depois da decisão do TRF.

 

Professor cobra do governo ações de incentivo à energia solar

Kelly Oliveira
Repórter da Agência Brasil

O uso da energia solar somente nos chuveiros no país aumentaria a demanda por coletores térmicos em 8 milhões de metros quadrados, afirmou o professor do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Sérgio Colle, em entrevista à Rádio Nacional.

Atualmente a produção brasileira desses coletores, segundo o professor, está em 700 mil metros quadrados por ano. “O governo federal nunca pensou em aproveitar a energia solar até para reduzir o consumo de energia dos chuveiros elétricos”, afirmou o professor.

Para Colle, falta integração dos gestores públicos de política enérgica e a comunidade científica para promover o uso de energia renovável. “Esse ligação é muito forte em todos os países desenvolvidos”, afirmou. De acordo com ele, no Brasil a comunidade científica faz a sua parte, mas falta apoio do governo.

Agência Brasil

Sobre

- Redação AMA

Esta notícia foi selecionada pela redação do site AMAnatureza e disponibilizada aos leitores do projeto citando a fonte e créditos autorias de acordo com os direitos de divulgação estabelecidos pela instituição responsável.

Ver todas as publicações de - Redação AMA »

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para publicar um comentário.